A Apple não queria, mas Steve Jobs é marca de roupa

O nome é o mesmo do fundador da Apple, mas a marca nada tem a ver com Steve Jobs. Dedica-se antes ao fabrico de jeans e outras peças de vestuário ou acessórios, tem um logótipo – um “J” – que leva também uma dentada, como a maçã da Apple, mas nem assim a gigante tecnológica americana conseguiu impedir o registo da marca italiana.


A história é contada como uma espécie de versão moderna do confronto entre David e Golias, com a gigante a sair igualmente derrotada. Os irmãos Barbato, Vicenzo e Giacomo, italianos de Nápoles, decidiram criar uma marca própria depois de anos a fio a fabricar roupas para marcas alheias. E o nome de Steve Jobs pareceu-lhes mais que apropriado, depois de terem percebido que a Apple nunca tinha registado como marca o nome do seu fundador.

A batalha judicial era, assim, como que esperada, mas o desfecho acabou por ser-lhes favorável. Os processos iniciaram-se em 2012, com a gigante americana a contestar a dentada no logótipo associada à utilização do nome do seu fundador, mas o Instituto de Harmonização do Mercado Interno, um organismo que gere as marcas registadas na União Europeia acaba de dar razão aos irmãos Barbato.

Os jeans e outras roupas podem circular com a marca Steve Jobs e, quem sabe, poderão vir até a lançar produtos de electrónica.

Copyright © Jornal T. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirColeção