Adidas anuncia um segundo trimestre sólido

BERLIM (Reuters) - A Adidas divulgou, a 9 de agosto, um segundo trimestre melhor do que o esperado, com a fabricante de equipamentos desportivos alemã a continuar a apresentar um crescimento superior ao da sua concorrente Nike na América do Norte. A Adidas anunciou uma taxa de depreciação de várias centenas de milhões de euros na sua marca Reebok, mas assegurou que a mesma não teria impacto nos seus resultados de 2018 e anunciou um segundo trimestre melhor do que o esperado.


Foto tirada a 11 de maio de 2017 - REUTERS/Michaela Rehle

Na manhã seguinte ao anúncio, a ação subiu 7,58% para 205 dólares na Bolsa de Valores de Frankfurt, o maior aumento no índice europeu Stoxx 600, a caminho da sua melhor sessão desde 14 de março, quando o grupo subiu as suas previsões.
 
Os resultados do segundo trimestre validam a estratégia implementada pelo presidente do conselho de administração Kasper Rorsted, que lidera o grupo desde 2016, focada na melhoria da rentabilidade, do crescimento na América do Norte e na China e das vendas online.

O lucro líquido chegou aos 396 milhões de euros, acima do consenso de 386 milhões de euros estabelecido pela Reuters com base nas estimativas de oito analistas.

O volume de negócios aumentou 10% após o efeito cambial, para 5,26 mil milhões de euros. Os analistas esperavam um crescimento médio de 8%.
 
Alguns analistas acreditavam que o aumento nas despesas de marketing no segundo trimestre devido ao Campeonato do Mundo pesaria nos resultados, mas esse aumento foi compensado por preços mais elevados e vendas através dos canais de distribuição mais rentáveis.
 
Embora tenha visto o crescimento das suas vendas diminuir ligeiramente na América do Norte para 16%, a Adidas continua bem acima dos 3% registados pela Nike no quarto trimestre do seu exercício fiscal, encerrado a 31 de maio. Na China, o crescimento das vendas do grupo alemão acelerou para 27%.
 
Como havia antecipado, as vendas na Europa Ocidental, onde a Adidas registou o seu maior crescimento, mantiveram-se estáveis, mas subiram 14% na Rússia, país anfitrião do Campeonato do Mundo. A Adidas vendeu oito milhões de camisolas, apesar da eliminação prematura da Alemanha e da Espanha e apesar de ter equipado um único semifinalista, a Bélgica, visto que os restantes três têm contrato com a Nike.

Taxa de depreciação relacionada com a Reebok
 
O grupo bávaro anunciou também uma taxa de depreciação de várias centenas de milhões de euros como resultado de um desentendimento com os reguladores alemães sobre o cálculo do valor contabilístico da Reebok em 2016.

A fabricante de artigos desportivos acrescentou que este reprocessamento não teve impacto na sua situação financeira e reiterou as suas previsões para 2018 e após, acrescentando que as perspetivas da Reebok permaneceram intactas, apesar de a marca ter sofrido uma queda de 3% nas vendas no segundo trimestre.
 
A Adidas adquiriu a Reebok em 2005, mas a marca teve sempre desempenhos medíocres desde então. Kasper Rorsted pretende torná-la novamente lucrativa até 2020.

Traduzido por Estela Ataíde

© Thomson Reuters 2018 All rights reserved.

DesportoNegócios