CEO Rodrigo Bazan fala sobre globalização da Thom Brown

Se há um designer nesta década que desfrutou de um sucesso inquestionável, esse designer é Thom Browne, que apresenta o seu mais recente desfile em Paris no domingo. O que começou como um alfaiate peculiar no Meatpacking District, em Nova Iorque, a produzir uniformes escolares para uma elite reduzida, transformou-se numa das marcas americanas mais influentes – e um negócio em crescimento. Há dois anos, o argentino Rodrigo Bazan foi contratado para o cargo de CEO.


Rodrigo Bazan - Photo: Thom Browne

Thom Browne é um ótimo exemplo de como ainda é possível criar um novo império global de moda. E o seu momento de maior crescimento coincidiu com a chegada de Bazan, que assumiu o cargo de CEO da Thom Browne a 1 de maio de 2016, deixando a mesma posição na Alexander Wang.
 
“Deixei um emprego na sexta-feira ao final do dia e comecei no outro na segunda-feira de manhã. Mas, já tinha feito a minha pesquisa”, recorda Bazan, que passou dois fins de semana a ver todos os desfiles de Thom antes de se juntar à empresa.
 
No espaço de três meses, apresentou um plano de expansão com a chave para o futuro: construir uma fórmula direta ao consumidor. Quando chegou à empresa, a Browne era 75% um negócio por atacado. Atualmente, a Browne está presente em todo o mundo com 300 pontos de venda por atacado para homem e 200 para mulher. Mas, em termos de lojas, entre flagships ou concessões no Japão ou na Coreia, conta atualmente com uma cadeia de 29. Bazan promete abrir mais seis em 2018 – continuando o crescimento de dois dígitos da Thom Browne. Fontes no mercado indicam que a Browne alcançou o valor simbólico de 100 milhões de dólares em 2016, tendo crescido 25% em 2017.

“Construir uma rede de retalho para complementar o negócio por atacado é uma forma muito mais sustentável de crescer. E nós temos um negócio muito internacional, distribuído por 30% na América do Norte, 40% na Europa e 30% na Ásia”, revela.
 
“Não precisamos necessariamente de lojas gigantescas; como acontece em Milão, onde temos uma localização fantástica, ao lado do Four Seasons. Precisamos do tamanho certo e de combinar isso com tecnologia. Expandimos a loja de Nova Iorque para incluir a coleção de mulher e apostámos na liderança no nosso negócio no Japão, onde iremos abrir mais concessões de mulher”, diz Bazan, lembrando um 2017 incrivelmente atarefado.

“Passámos de 16 para 29 lojas em dois anos, e todas as lojas, todas, são rentáveis!”, diz entusiasmado.
 
Nascido na Argentina, filho de pai espanhol e mãe italiana, Bazan frequentou a UCSD em San Diego antes de ir trabalhar para a Motorola, em Londres, aos 24 anos.
 
Depois de ler um artigo da revista Time de janeiro de 2001, sobre Domenico De Sole e Tom Ford, “sobre como um designer incrivelmente talentoso e um CEO visionário recuperaram uma empresa em falência chamada Gucci”, Bazan sentiu a atração do luxo.

Três meses depois estava a trabalhar como consultor financeiro para o Grupo Gucci em Florença, num momento de expansão maciça, com uma joint venture com Stella McCartney e a aquisição da Alexander McQueen e da Balenciaga. No espaço de um ano, foi nomeado CFO da McQueen em Londres. Aos 27 anos! E reportava à CEO Sue Whitley.
 
No espaço de um ano, estava a gerir as lojas, e depois a equipa de atacado, e mais tarde a lidar com licenças. Mas, em 2007, decidiu dirigir o negócio europeu da Marc Jacobs, saindo para o grupo rival LVMH, três anos depois de De Sole e Ford terem sido forçados a sair da Gucci pelos seus proprietários franceses.
 
Em dezembro de 2010, Bazan juntou-se à Alexander Wang como presidente, implementando práticas profissionais num negócio familiar, expandindo de zero lojas para 27, criando um negócio online e associando-se à H&M.  

Atualmente, vive em Tribeca, na Franklin Street, perto da loja da Thom Browne no centro da cidade Nova Iorque, e gere o negócio na sede, situada na Sétima Avenida.
 
Bazan também assinou um acordo estratégico com a Farfetch e transferiu os desfiles para Paris, uma mudança significativa.
 
“Foi um passo fundamental para a nossa marca. É melhor compreendida em Paris, e o nosso negócio é 70% fora da América do Norte, por isso chegamos a compradores e imprensa que na verdade não passam muito tempo em Nova Iorque”, argumenta Bazan.

Os primeiros desfiles franceses da Browne, no Beaux Art College, também realçaram a tremenda elegância da sua equipa corporativa para o segmento feminino.  
 
Browne lançou a sua marca em 2001, tendo vindo a tornar-se designer do ano para o segmento masculino do CFDA em 2006 e 2013. Em 2016, a Sandbridge Capital comprou uma participação controladora na Browne à japonesa Stripe International, o patrocinador inicial do designer, enquanto Browne “tem uma participação considerável”. A Sandbridge, cujo parceiro gerente Ken Suslow é também presidente da Thom Browne, também investiu na Derek Lam, Rossignol, Topshop e Karl Lagerfeld. Podemos esperar muito mais crescimento desta marca.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirIndústria