Christian Dior Couture: saem as feministas, voltam as princesas

É oficial: terminou a revolução feminista na Christian Dior. Depois de vários desfiles sob influência política, Maria Grazia Chiuri optou por apresentar uma visão clássica até demais da alta-costura.


Ver o desfile
Christian Dior - Fall-Winter2018 - Haute Couture - Paris - © PixelFormula

Na última temporada, Maria Grazia Chiuri cobriu as paredes do seu desfile com cartazes radicais, imagens de manifestações estudantis, gráficos políticos. Até cobriu a flagship da Dior na Avenue Montaigne com as mesmas imagens.

Mas, para esta coleção de alta costura, o local do desfile foi totalmente branco: uma tenda construída sob encomenda no interior do Museu Rodin, totalmente envolvida por centenas de telas de costura, uma ideia emprestada da recente exposição sobre Monsieur Dior, realizada no Musée des Arts Décoratifs, no Louvre, que registou um público recorde no ano passado e em breve será apresentada em Londres. 
 
Nenhum slogan nas paredes ou nas t-shirts. Em vez disso, uma seleção de roupa pura e refinada, desde as suas primeiras silhuetas - vestidos elegantes abaixo do joelho, mini casacos-capas, vestidos em crepe azul escuro ou rosa, perfeitamente cortados e decorados com bordados à mão estilo espartilho.

A estilista italiana também revisitou o casaco Bar com mangas morcego e folhos finos e ondulados. O desfile também trouxe outra mensagem: a cor da pele é o novo cinza da Christian Dior: pelo menos vinte vestidos foram apresentados nesta cor.

Sem dúvida, Maria Grazia Chiuri quis mostrar que está totalmente no comando do seu atelier. O seu novo elenco de modelos jovens estava impecável, cortesia de Michelle Lee, e os brincos em forma de pássaros acrescentaram um toque de elegância.
 

Christian Dior - Photo: PixelFormula

A meio do desfile, Maria Grazia Chiuri de repente mudou de rumo e retomou o seu trabalho na Valentino, quando explorou imagens renascentistas, com quinze roupas inspiradas nas tapeçarias Gobelins, em vestidos com ombro de fora e casacos com detalhes em cashemire. Vários convidados ficaram na dúvida se estavam mesmo a participar num desfile da Dior.

No geral, o calcanhar de Aquiles da coleção foi o facto de não ter sido apresentado nada de muito novo, o que é obviamente um dos elementos essenciais da alta costura, destinada a ser um verdadeiro laboratório de moda. Esta coleção pareceu bastante desprovida de qualquer experimentação real.
 
No final, os modelos desfilaram ao som de "Metti Una Sera A Cena" de Ennio Morricone. Uma música que foi tocada no final de um desfile de Hubert de Givenchy, há três décadas.

Dito isto: uma viagem no tempo.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - DiversosDesfiles