Denim: importações de jeans para Europa em alta de 8,6% em 2013

A Messe Frankfurt, organizadora do encontro Texworld, acaba de publicar um estudo sobre o mercado do denim, sob a óptica das importações europeias. Duas lições a ser tiradas: um mercado em melhor forma que aquele do pronto-a-vestir em geral e sobretudo que a China foi ultrapassada por Turquia e pelo Bangladesh, mas isso em valor e não em volume de importações.

Assim, em primeiro lugar, segundo dados Eurostat, a Europa dos 27, que conta com cerca de 505 milhões de habitantes, importou em 2013 aproximadamente 500 milhões de jeans por um valor total de 3,690 milhões de euros.

Ao longo dos seis últimos anos, as importações de jeans assistiram a um crescimento anual médio de 5,3%, contra 2,2% para o total do vestuário.

Depois de um 2012 em baixa, o denim, sob a óptica das importações, reatou com o crescimento ano passado. Em 2013, elas avançaram 4,4% em valor e 8,6% em volume.

O segundo fato marcante, observado pelo estudo conduzido por Jean-François Limantour, consultor estratégico da empresa alemã de salões, dentre os quais o Texworld e o Intertextile: a posição da China.

O Império do Meio passa em um ano da primeira para a terceira posição em valor e é ultrapassado por Turquia e pelo Bangladesh, que representam 22% e 21% das importações respetivamente, contra 19% para a China. O trio à frente, em valor, é seguido por Paquistão (11%), Tunísia (9%), Marrocos (4%), Camboja (3%), Egito (2%), Índia (2%), Vietname (1%)...

Em volume, a China, que exporta para a União Europeia 142 milhões de peças de jeans, continua na primeira posição, mas não por muito tempo, uma vez que o Bangladesh exporta 141 milhões de peças e Turquia, por outro lado, aproximadamente 47 milhões.

Mas, por unidade, ainda segundo o Eurostat, os seus jeans valem 4,97 euros contra 13,98 para Turquia e 5,5 para o Bangladesh. Em volume, as importações vindas da China, Egito e Marrocos caíram 4,1%, 7,8% e 10,9% respetivamente. Os grandes ganhadores são Paquistão (+23,2%), Bangladesh (+20,6%), Camboja (+48%) e Vietname (+22%).

Quanto aos países consumidores, Alemanha é o mais atrativo dos mercados europeus importadores de jeans. Na realidade, este é o maior importador em valor e em volume (114 milhões de jeans importados em 2013), mas também um dos mercados que tem a mais forte taxa de crescimento (+7,2% ao ano desde 2005).

O segundo mercado é Grã-Bretanha (499 milhões de euros e 74,4 milhões de jeans em 2013, com uma taxa anual média de crescimento de 2,5% há 8 anos). Ela é seguida por Espanha que, depois de um crescimento anual médio bastante forte desde 2005 (+12,5%), alcançou um tamanho comparável àquele de Grã-Bretanha, tanto em valor quanto em número de peças.

França e Itália têm um mercado de jeans importados que representa, em valor cada um, cerca de um terço daquele de Alemanha. O seu crescimento desde 2005 é relativamente fraco (taxa anual média de +1,9% para França e de +1,8% para Itália).

Porém, e isso não é uma surpresa, é Itália que compra os jeans mais caros (15 euros por peça em 2013, com preço de venda por grosso), seguida de Áustria (10,49 euros), Dinamarca (9,31 euros), Alemanha (8,77 euros), Suécia (8,17 euros).

Inversamente, os preços dos jeans importados em Espanha (6,66 euros por peça), em Grã-Bretanha (6,70 euros), em França (7,26 euros) ou em Portugal sugerem que os jeans importados por esses países são de uma categoria de gama sensivelmente mais baixa.

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

DenimIndústria