Gaultier Paris: a hora do cocktail da alta costura

Jean-Paul Gaultier não inventou o smoking, mas poucas pessoas banharam a roupa com mais amor do que o costureiro parisiense no seu último desfile de alta costura Gaultier Paris. 


Gaultier Paris - outono-inverno 2018 - Alta Costura - Paris

O convite para este evento mostrava um arquetípico James Bond com a silhueta de uma mulher de boina a segurar um maço de cigarros. O fundo era um enorme véu branco no qual se projetava o fumo do cigarro, e um modelo usava um clipe na orelha com um Marlboro.

Os homens que abriram o desfile pareciam saídos do set de filmagem de "Downton Abbey," o mesmo que "De Olhos Bem Fechados”: belos caçadores com botas de montaria, casacos e jodhpurs bem moldados, segundo o programa. A Gaultier Paris também apresentou lenços em pele de vison branco e de raposa negra, e sweatshirts de St. Moritz pós-esqui, embora, claro, em vison preto. Até as mulheres usaram suspensórios masculinos, apresentando uma série de smokings; com longos xales; sem mangas e luvas de couro cobertas com lantejoulas e cetim.

A sua grande proposta foi o "escudo para conversas" transparente, usado ​​em vários looks, um sonho para os introvertidos e ideal para editores de moda. Destes houve mais de um neste evento de alta costura. Embora, mais uma vez, sem a mais poderosa de todos, Anna Wintour, que esteve ausente durante toda a temporada.

Num finale brilhante, a noiva de alta costura surgiu num enorme vestido de noiva verde-limão degradé, tão suave que as luzes da passarela fizeram a cauda parecer um vapor de fumaça. Angariando uma explosão de aplausos.
 
Alguns segundos antes, um casal apareceu com troncos nus, com as inscrições em plástico: "Tetons Libres" ou "Free the Nipples”, um trocadilho de Jean-Paul, cuja carreira é a menos politicamente correta da moda.

A única ausência foi a de Marlene Dietrich, que criou a ideia de mulheres elegantes vestidas com alfaiataria masculina, e que teria adorado usar estas roupas. Mas tivemos Naomi Campbell na primeira fila, com um lindo top preto, sentada ao lado de Nile Rodgers, o lendário fundador da Chic e o maior produtor de música disco. 

Naomi causou agitação entre os paparazzi, que pareciam um cardume de piranhas amazónicas ao seu redor, especialmente quando parou para pedir o número de telemóvel de Amanda Lear após o desfile. Jean-Paul até batizou um smoking de "Night Rodgers”, numa homenagem educada ao produtor.

Em seguida, Gaultier, fez a sua caminhada habitual na passarela de 75 metros, embora antes de o seu elenco de modelos desfilar pela última vez, resultando num considerável pandemónio quando os convidados cruzaram a passarela entre os modelos.
 
No entanto, este desfile foi uma perfeita declaração de alta costura para a hora do cocktail, embora prejudicada pelo calor intenso do espaço de exibição de Gaultier, um lugar localizado na área de Saint Martin, à beira do Distrito da Luz Vermelha, em Paris.

Curiosamente, tanto os proprietários anteriores da empresa quanto os atuais - a multimilionária família Hermès e, agora, o clã Puig, da Catalunha - nunca foram suficientemente generosos para investir num sistema adequado de ar condicionado para o espaço de exibição da Gaultier. 
 
"Plus ça change, plus c’est pareil” (quanto mais as coisas mudam, mais tudo permanece igual) - ao contrário da memorável revolução do smoking neste desfile.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirDesfiles