Givenchy Couture: Moon River no Marais

Nenhuma marca de moda está ligada de forma tão indelével a uma lenda de Hollywood como a Givenchy com Audrey Hepburn, leitmotif de uma coleção refinada, apresentada na noite de domingo em Paris por Clare Waight Keller, diretora artística da maison.


Givenchy outono 2018 - Alta Costura - Photo: PixelFormula
 
"Audrey é tão parte da Givenchy que influencia quase tudo", explicou a estilista britânica, que ofereceu a todos os convidados um programa elegante, enriquecido por retratos e croquis de Hubert de Givenchy, bem como imagens das silhuetas mais memoráveis ​​do costureiro lendário, que faleceu a 10 de março deste ano.
 
"Ele disse-me para ser forte. Ele acreditava na elegância e no chic. Senti que tinha que respeitar a sua visão da mulher nesta coleção", acrescentou Clare Waight Keller, que se encontrou com Givenchy pouco antes da sua morte. O resultado: a expressão impecável de uma moda pura, dede as saias prateadas e capas redingote, às capas românticas com plumas e vestidos fabulosos tulip neck, unidos por um cinto de couro arrojado.

Waight Keller está claramente no comando total do seu atelier; isso é percetível nos vestidos de plumas em camadas, feitos em cores degrade. Num belo gesto de humildade, Clare Waight Keller cumprimentou o público do desfile acompanhada por uma dúzia de membros de seu atelier, respeitando uma antiga tradição de Hubert.

Obviamente, lembramos que Audrey Hepburn usou a sua primeira peça criada por Hubert quando ainda era uma jovem e ingénua atriz. O estilista esperava receber Katharine Hepburn, não esta ilustre desconhecida, que acabou por se tornar uma das mulheres mais populares do mundo, e foi isso que esta coleção tentou capturar. Nenhum vestígio da rigidez que às vezes caracteriza as coleções de alta-costura, mas sim toda a elegância natural de Audrey Hepburn.
 
No final do desfile, tocou "Moon River", de Henry Mancini, da banda sonora de “Boneca de Luxo”, filme que contou com Audrey Hepburn a brilhar em Givenchy como Holly Golightly, a sua personagem mais famosa.

Num desfile misto, as modelos modernistas foram acompanhadas por dandys com falsos ares de roqueiros, vestidos com redingotes de lã cinza e lantejoulas brilhantes. Uma silhueta imponente, que também foi usada pelas modelos. Todos desfilaram orgulhosamente na enorme passarela espelhada, dentro dos Archives Nationales, nas profundezas do Marais, em Paris.


Givenchy outono 2018 - Alta-Costura - Photo: PixelFormula
 
"Mergulhei nos arquivos e percebi que Hubert tinha este ombro fantástico, que dá um grande toque masculino à silhueta. Isso faz parte da linguagem que estou a desenvolver", explicou Clare Waight Keller. O desfile também foi o primeiro da Givenchy desde que a estilista britânica vestiu Meghan Markle para o seu casamento com o príncipe Harry.
 
Tradicionalmente, é o Atelier Versace que abre a Semana da Alta Costura de Paris, desde os dias de glória da marca italiana, quando Gianni reinventou a alta costura, descartando mulheres da alta sociedade na primeira fila dos seus desfiles e recebendo de braços abertos Madonna e Prince.

Hoje, a Givenchy assumiu o seu lugar. Apesar de Miu Miu, Sonia Rykiel, Hermès e Vetements terem realizado desfiles um pouco antes no fim de semana: foi a Givenchy que ofereceu o desfile que Paris realmente precisava para acender a temporada da Alta Costura.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirModa - DiversosLuxo - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosDesfiles
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER