Henkel aposta em novos produtos de beleza para enfrentar o fraco desempenho das vendas

Após reportar vendas orgânicas com crescimento mais fraco em oito anos, a empresa de bens de consumo, Henkel,  pretende reforçar os negócios com o lançamento de novos produtos de beleza nos principais mercados, a França e a Itália.


A divisão de varejo da Henkel, responsável por produtos como os shampoos Schwarzkopf e Syoss, e o gel de banho Fa, teve resultados aquém das expectativas do grupo. - Henkel

A fabricante dos produtos capilares Schwarzkopf, disse que as vendas de produtos de beleza profissional foram robustas no período de abril a junho. Mas a divisão de varejo, responsável por produtos como os shampoos Schwarzkopf e Syoss, e o gel de banho Fa, ficou aquém das expectativas do grupo.

"A equipe está trabalhando em inovações para segundo semestre do ano, temos um forte pipeline de produtos e estamos fazendo mais lançamentos", disse o CEO Hans van Bylen aos jornalistas durante uma teleconferência.

O grupo também intensificou as promoções de géis de banho e shampoos na Itália e na França, já que as vendas diminuíram nesses mercados no segundo trimestre, disse o CEO. O grupo alemão apresentou crescimento de vendas orgânico de 2,2% no segundo trimestre, derrubando suas ações em 4%, uma baixa de seis meses.

Bernstein Research disse que o resultado foi o mais fraco em oito anos e ficou abaixo das expectativas dos analistas, que era de 3,2%.

Os recentes números de vendas dos rivais europeus L'Oreal e Unilever, também ficaram abaixo das expectativas dos analistas, mas os resultados da Henkel foram percebidos como mais decepcionantes.

As vendas orgânicas da divisão de cuidados de beleza da Henkel, que representa cerca de um quinto da receita do grupo, foram planas em relação ao mesmo período do ano anterior, uma vez que um declínio nos volumes compensou um pequeno aumento nos preços.

De acordo com uma recente nota de pesquisa da Baader Helvea, a Henkel é a quarta maior empresa do mundo em cuidados do cabelo no varejo, atrás da L'Oreal, Procter & Gamble e Unilever, e tem uma participação de mercado de cerca de 3% em cuidados corporais, sendo a quarta maior também nesse setor.

O crescimento dos outros dois negócios da Henkel, adesivos e lavanderia, e cuidados com a casa, também diminuiu no segundo trimestre.

O lucro trimestral do grupo antes dos juros e impostos (EBITDA), ajustado para one-offs, subiu 11% para 839 milhões de euros (984 milhões de dólares) em vendas de 5,1 bilhões de euros, abaixo das estimativas de analistas, que era de 915 milhões e 5,23 bilhões, respectivamente.

Os analistas da Liberum, que recomendam a venda de ações da Henkel, disseram que os resultados mostraram que a Henkel teria que confiar em aquisições para atingir suas metas de lucro para 2020, uma vez que os mercados desenvolvidos continuam sendo intensamente competitivos.

A Henkel manteve sua previsão padrão para o crescimento das vendas subjacentes em 2017 de 2 a 4%, e um aumento de 7 a 9% no lucro ajustado por ação preferencial.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2018 Todos os direitos reservados.

CosméticaNegócios