Hugo Boss volta a crescer nos Estados Unidos após dois anos em baixa

Hugo Boss superou suas expectativas. A empresa alemã informou que registrou resultados de vendas e lucro líquido melhores do que o esperado no segundo trimestre, após a implementação de um plano de reestruturação que incluiu o fechamento de lojas e a diminuição nos preços, recuperando assim a demanda na China e nos Estados Unidos.


Vendas subiram 14% na China - Hugo Boss

Após uma série de advertências sobre os seus resultados e a saída de seu antigo CEO, Hugo Boss decidiu realizar alguns fechamentos de lojas não rentáveis e reduzir os preços na China para aproximá-los aos níveis da Europa e dos Estados Unidos, em um esforço para atrair os consumidores mais jovens.

"Nosso realinhamento estratégico está começando a fazer efeito. Temos avançado consideravelmente nos Estados Unidos, particularmente no negócio online", informou em um comunicado Mark Langer, ex-diretor financeiro da Hugo Boss que se tornou diretor executivo da empresa no ano passado.

As vendas subiram 2% para 636 milhões de euros e o lucro líquido aumentou cinco vezes para 57,6 milhões de euros. Os números excedem a média das estimativas dos analistas, que previam faturamento de 619 milhões de euros e lucro de 53 milhões de euros.

A empresa, conhecida por ternos masculinos, informou que as vendas nos Estados Unidos voltaram a crescer após dois anos em baixa, com um aumento de 2%. Na China, por sua vez, as vendas aumentaram 14%.

Segundo relatório emitido em maio pela empresa de consultoria Bain, a recuperação do turismo na Europa e um aumento no consumo chinês devem liderar uma recuperação no setor do luxo este ano. Marcas como Burberry e Hermès também tem reportado melhor demanda na China.

Hugo Boss disse que as coleções primavera/verão 2018 de suas duas marcas principais, BOSS e HUGO, foram bem recebidas nos últimos eventos de moda de Florença e Nova York, e a demanda tem sido particularmente forte para as categorias moda esportiva e moda casual.

Tudo isso vai ajudar a empresa a cumprir sua meta de voltar a crescer em vendas e lucros em 2018. A marca afirmou que espera que as vendas cresçam mais do que o restante do mercado a partir de 2019 e a margem operacional aumente novamente.

Hugo Boss confirmou suas estimativas para 2017, com perspectiva de vendas estáveis e um aumento moderado na renda líquida a uma taxa de dois dígitos.

A empresa cortou suas despesas de capital entre 130 milhões e 150 milhões de euros, em comparação com a faixa anterior, de 150 milhões a 170 milhões de euros, e aumentou seu fluxo de caixa livre para cerca de 250 milhões, sendo 220 milhões no ano passado.

Traduzido por Novello Dariella

copyright_reutersapi

Luxo - Pronto-a-vestirSalões de Moda