Indústria 4.0 causa insegurança

Os líderes empresariais estão otimistas com as mudanças geradas pela Indústria 4.0, mas sentem que as suas organizações não estão ainda preparadas para aproveitar todas as oportunidades. O estudo realizado pela Deloitte sublinha, contudo, que as empresas devem ver a tecnologia como o elemento mais diferenciador desta nova realidade. E a Lectra, myPartner, F3M e Informa D&B confirmam.


O estudo “The Fourth Industrial Revolution is Here – Are You Ready?”, realizado pela consultora Deloitte, foi baseado em entrevistas a mais de 1.600 executivos em 19 países e teve como objetivo analisar o nível de preparação das organizações para os desafios da Indústria 4.0 – combinação da tecnologia física e digital, da qual resulta o analytics, a inteligência artificial, a computação cognitiva e a Internet of Things (IoT) – e perceber como essas mudanças podem beneficiar clientes, colaboradores, a comunidade envolvente e outros stakeholders relevantes.

«A evolução das tecnologias ligadas à Indústria 4.0 está a desencadear rápidas mudanças sociais e económicas, num contexto sem precedentes de conectividade global e de alterações demográficas», refere António Lagartixo, partner responsável pelas indústrias de products, services, utilities & resources da Deloitte. «Vivemos um período de grandes oportunidades, mas também de alguns riscos. Através deste estudo ficamos a conhecer como os executivos estão a gerir estas mudanças e que áreas podem influenciar o impacto que a Quarta Revolução Industrial terá nas suas organizações e na sociedade», acrescenta, em comunicado.

O estudo centrou-se em quatro grandes áreas – impacto social, estratégia, talento/força de trabalho e tecnologia – e concluiu que, apesar dos executivos perceberem a importância das mudanças resultantes da Indústria 4.0, ainda se mostram inseguros em relação à estratégia a seguir.

No que respeita especificamente à tecnologia, as respostas recolhidas pela Deloitte mostram que os executivos sabem que têm que investir em tecnologia que promova novos modelos de negócio. «Os líderes globais reconhecem que os atuais investimentos tecnológicos são largamente influenciados pelo desejo de criar modelos de negócio altamente impactantes nas suas organizações. No entanto, muito poucos admitem conseguir criar uma estratégia de negócio eficaz e direcionada para o investimento nas tecnologias que definem a Quarta Revolução Industrial. Justificam este facto com a falta de alinhamento interno, de colaboração com parceiros externos e por se centrarem numa visão de curto prazo», destaca o estudo.

A Deloitte sublinha, contudo, que é preciso «ver a tecnologia como o elemento mais diferenciador no universo da Indústria 4.0 e investir na integração de aplicações que suportem novos modelos de negócio. Mais importante ainda, perceber que as tecnologias da Indústria 4.0 não devem estar limitadas a uma área da organização, mas integradas em toda a empresa».

Tecnologia para a ITV

Com os avanços tecnológicos e a indústria 4.0 a todo o vapor, as empresas da indústria têxtil e vestuário têm cada vez mais ferramentas ao dispor para crescerem no mundo digital e são várias as empresas que se têm especializado em fazer chegar a nova revolução industrial ao sector.

A Lectra é uma delas, tendo há vários anos assumido a vontade de levar a indústria 4.0 às empresas da moda, nomeadamente através da sua filial portuguesa. A nova versão do Lectra Fashion PLM 4.0 é um dos argumentos da multinacional de origem francesa, com a empresa a indicar que o software é uma porta de entrada «para uma cadeia de fornecimento digitalizada» que, segundo afirmou no suplemento Guia das Empresas, publicado com a edição de janeiro do Jornal Têxtil, irá permitir que as empresas se aproximem dos consumidores.

As soluções para a indústria 4.0 estão igualmente em destaque na oferta da F3M, que propõe um pacote diversificado de recursos, desde o software de gestão para o sector têxtil à consultoria e apoio à implementação do novo regulamento de proteção de dados, passando ainda por formação profissional, soluções web e de design e telecomunicações.

Na digitalização da indústria da moda, o software de gestão Microsoft Dynamics NAV Fashion pode igualmente dar uma ajuda. Com a possibilidade de ser customizado à medida das necessidades de cada empresa, permitindo juntar soluções de criação de coleção (PDM e PLM), sourcing, vendas, controlo do processo produtivo e até gestão financeira, com o selo Microsoft, o software é representado em Portugal pela myPartner.

E como a informação é vital na era da Indústria 4.0, a Informa D&B assume como missão o “risco zero”, graças ao acesso aos dados de mais de 270 milhões de agentes económicos em todo o mundo. «Monitorizamos toda a informação para que esteja sempre prevenido e não corra riscos», aponta no suplemento Guia das Empresas, publicado com a edição de janeiro do Jornal Têxtil.

Copyright © 2018 Portugal Têxtil. Todos os direitos reservados.

Moda - DiversosLuxo - DiversosBeleza - DiversosIndústria