Itália investiga Gucci por suposta evasão fiscal

A polícia fiscal italiana esteve nos escritórios da Gucci para conduzir um controlo fiscal, como parte de uma investigação sobre uma suposta evasão fiscal, informou uma fonte no sábado (3).


Ver o desfile
Gucci - primavera-verão 2018 - © PixelFormula

"A Gucci confirma que está a cooperar com as respetivas autoridades e confia na precisão e transparência das suas operações", informou a marca de luxo italiana num comunicado enviado por e-mail em resposta a um artigo sobre a auditoria fiscal publicado pelo jornal italiano La Stampa.

A fonte, que preferiu permanecer anónima, afirmou que a auditoria foi realizada durante a semana passada nos escritórios da Gucci em Milão e Florença.

A fonte também afirmou que os promotores de Milão suspeitam que a Gucci, parte do grupo francês Kering, poderia ter pago impostos sobre os lucros gerados em Itália em outro país, onde o sistema fiscal é mais favorável. A fonte não forneceu mais detalhes.

A Gucci, a maior contribuinte para os lucros e receitas da Kering, recuperou o seu apelo nos últimos anos e, no terceiro trimestre de 2017, registou um aumento de 49,4% nas vendas comparáveis, excluindo alterações cambiais.

Um representante da Kering disse à Reuters que o grupo não fará mais declarações sobre o assunto.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2017 Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - AcessóriosLuxo - CalçadosRelojoariaJoalhariaNegócios