Lanvin: chinesa Fosun confirma aquisição de participação maioritária

Como anunciámos a 12 de fevereiro, o conglomerado chinês Fosun adquiriu a maioria da problemática casa de moda francesa Lanvin, conforme confirmado num comunicado nesta quinta-feira pelos dois grupos. O novo proprietário da marca ganhou contra os qataris da Mayhoola (Valentino, Balmain).


Ver o desfile
Lanvin - primavera-verão 2018 - Moda feminina - Paris - © PixelFormula

A Lanvin, a mais antiga casa de moda francesa ainda em negócios, era até agora 75% propriedade de Shaw Lan Chu-Wang, uma mulher de negócios sediada em Taiwan, e do empresário alemão Ralph Batel. Estes manterão uma participação minoritária na Lanvin, disseram os dois grupos, sem dar mais detalhes.

Em França, a Fosun é conhecida como 100% proprietária do Club Med desde 2015. Na indústria da moda, o conglomerado assumiu uma participação maioritária na marca francesa Iro em 2016, mas também uma participação de 30% na marca alemã Tom Tailor. O grupo chinês também possui a marca masculina italiana Caruso, mas também a Fabergé, e entrou em negociações exclusivas em dezembro passado para a aquisição da La Perla, ainda não confirmada neste momento.

"A compreensão da marca pela Fosun, reforçada pela sua forte experiência nos mercados europeus e globais (...) faz-nos pensar que 
​o grupo Fosun é o parceiro estratégico perfeito ​para marca ​a longo prazo", disse Nicolas Druz, gerente geral ​da​ Lanvin, citado no comunicado.

Para a Fosun, a aquisição da Lanvin reforça as atividades de moda agrupadas no Fosun Fashion Group. "Não temos dúvidas sobre o fantástico potencial de crescimento desta marca de renome mundial", disse Guo Guangchang, presidente da Fosun International, no comunicado.

"Acreditamos firmemente que a Fosun pode trazer um forte valor agregado à Lanvin graças aos nossos recursos e habilidades globais, respeitando o posicionamento de ponta e a excepcional qualidade das coleções feitas em França e em Itália", elogiou Joann Cheng, presidente executivo do Fosun Fashion Group.

A situação financeira de Lanvin não é conhecida, mas, de acordo com as últimas contas anuais arquivadas no registo de Paris no final de dezembro de 2016, a ​marca teve uma perda líquida de 20,3 milhões de euros.

A maison foi fundada por Jeanne Lanvin em 1889. Foi rentável novamente pela primeira vez em 35 anos em 2007. ​A ​Lanvin oferece criações para mulheres, confiadas a Olivier Lapidus desde o verão passado, para homens, conduzida​s por Lucas Ossendrijver, mas também linhas infantis e acessórios, incluindo sapatos e artigos de couro.

Redação com AFP

Traduzido por Isabel Pimentel

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosNegócios