Milão: Uma Fashion Week masculina reduzida com um pouco de tristeza

A Fashion Week masculina de Milão seria a primeira grande vítima da revolução dos calendários de moda? A conferir o programa 'ultra light' dedicado às coleções de moda masculina para o verão 2017 previsto para a semana de 17 a 21 de junho, que pode ser isso.

A Fashion Week de Milão incia-se esta sexta-feira, 17 de junho. - CNMI

Corneliani, Ermenegildo Zegna, Brioni… As principais casas de moda de 'menswear' Made in Italy se retiraram esta temporada, à exceção da Canali e Pal Zileri. Outras grandes grifes, como Roberto Cavalli, Bottega Veneta, Antonio Marras ou ainda Calvin Klein, faltarão também à chamada, assim como Ermanno Scervino, N°21, Costume National e Lucio Vanotti, que desfila no Pitti Uomo.
 
No total, a Semana milanesa regista 11 deserções, às quais se soma aquela de último minuto de Stella Jeans, que estava inscrita num primeiro momento no calendário provisório!
 
Embora a Gucci e a Burberry tenham anunciado sua intenção de unificar a partir de agora suas coleções masculinas e feminina em um único desfile e a Moschino tenha acabado de desfilar em Los Angeles com sua linha masculina e sua linha cruzeiro, muitas casas de moda se questionam sobre o formato de espetáculo a adotar. Neste contexto, várias preferiram dar uma pausa para refletir, contentando-se com algumas simples apresentações esta temporada.
 
É o caso da Corneliani, que evoca "uma pausa necessária para enfrentar as mudanças em cena". "Trata-se de uma mudança importante, do redesenho de um mecanismo que hoje não está mais adaptado para suportar as novas lógicas do mercado", destaca a marca em uma nota.
 
Ermanno Scervino opta por uma apresentação "que mostre melhor os materiais e o saber-fazer utilizados para a produção das peças Made in Italy, inteiramente realizadas em seus ateliês de Florença", aponta a Maison.

Corneliani dá uma pausa para reflexão, aqui o desfile do inverno 2016-17. - © PixelFormula

Bottega Veneta se contenta também com uma apresentação, uma vez que ela anuncia um "desfile excecional" em setembro reunindo coleções masculina e feminina para celebrar seu 50º aniversário e os 15 anos de Tomas Maier na direção artística.
 
Outras marcas, em fase de transição estilística, causam impasse, como Zegna, Calvin Klein ou ainda Costume National, adquirida pelo fundo japonês Sequedge, que se encontra sem designer, depois da saída do seu fundador Ennio Capasa.
 
Quanto à Brioni, ela está a mudar de endereço e de local, jogando suas vistas em Paris em julho, durante a semana da Costura, para revelar a primeiríssima coleção do seu novo diretor artístico Justin O'Shea. Por outro lado, a Salvatore Ferragamo, que se separou do seu diretor criativo Massimiliano Giornetti, desfilará regularmente em Milão com uma nova coleção realizada por uma equipa de estilo interna.
 
O calendário masculino milanês conta assim com 36 desfiles contra 41 na temporada passada. "No todo, 84 coleções serão apresentadas em Milão entre desfiles e apresentações contra 79 em junho de 2015", temporiza o presidente da Camera dela Moda (CNM) Carlo Capasa. O número total de coleções era de 86 em janeiro passado.
 
"Nosso mundo está em evolução. O fato de nos colocarmos em discussão me parece positivo. Sempre criticamos em Milão por nunca querer mudar. Esta vez, podemos fazer o contrário! Há uma verdadeira efervescência com diferentes modalidades de apresentações. Espero uma semana de Moda cheia de energia e de propostas", reitera o dirigente.

Os 4 nomes emergentes que desfilam em Milão pela primeira vez em junho.

Seis novos nomes integram, por outro lado, o calendário milanês, dos quais um único italiano: Boglioli. Esta marca, há muito tempo especializada no 'mesnwear' desfilou pela primeira vez em janeiro em Milão, mas em 'Off'. Ela debuta esta temporada no calendário oficial com a segunda coleção do jovem Davide Marello, primeiro diretor criativo da sua história.
 
Entre os outros recém-chegados, o Chinês Miaoran, convidado a desfilar no teatro de Giorgio Armani, que recebeu uma menção especial durante o concurso Who is on Next ? Homme 2015, e o Franco-Italiano Sunnei. Os dois iniciaram em Milão em janeiro passado com uma apresentação.
 
Haverá também o Chinês Jun Li, o Malaio Moto Guo e a grife australiana Strateas.Carlucci. Criada em janeiro de 2012 por Peter Strateas e Mario-Luca Carlucci, ela deixou Paris, onde havia iniciado em janeiro passado, desembarcando esta temporada na capital lombarda.
 
Esses novos nomes não permitirão, no entanto, compensar a hemorragia deste calendário reduzido, que obriga em especial Giorgio Armani a desfilar sozinho no último dia da Fashion Week, terça-feira, dia 21 de junho.
 
Para compensar os vazios, a Câmera da Moda Italiana anuncia assim para o dia do encerramento uma cimeira intitulada "Crafting the future of fashion" com vários empresários para discutir o futuro da moda.


Ela lança também a iniciativa "Men's Hub", colocando à disposição de jovens designers um espaço para apresentar sua coleção. Este showroom temporário estabelecido com a Vogue Talents receberá a Chin Mens, Farewell Footwear, Han Chul Lee, Matteo Lamandini, Omar, Omogene e Wan Hung.

Traduzido por Anderson Alexandre Da Silva

Copyright © 2017 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirDesfiles