Pandora: desaceleração na China e descida de 8% nas vendas nos EUA levam a queda nas ações

As ações da Pandora, conhecida pelas suas pulseiras de contas, caíram drasticamente na terça-feira após a marca dinamarquesa de joalharia ter registado um lucro menor do que o esperado no primeiro trimestre e alertado para uma desaceleração na China.


Pandora

A empresa, a maior fabricante de joias do mundo em termos de volume de produção, disse também que os mercados do Reino Unido e dos Estados Unidos sentiram uma retração devido ao menor número de pessoas a visitarem centros comerciais e à falta de novos produtos.

Na China, responsável por 12% das vendas totais da empresa no primeiro trimestre, o crescimento diminuiu, mas a Pandora diz estar a tomar medidas para reverter o declínio.

"Tínhamos esperança e esperávamos mais", disse Anders Colding Friis, CEO da Pandora, à Reuters.

Segundo o CEO, a empresa limitará o mercado paralelo na China, onde um número crescente de peças de joalharia são importadas de outros mercados e vendidas online. “Este é um problema muito chinês. Vemos que acelerou nos últimos meses e faremos o que pudermos para o limitar”, disse Friis.

Além disso, acrescentou o responsável, a Pandora aumentará também os gastos com marketing e pretende voltar este ano ao crescimento positivo das vendas comparáveis na China. As vendas comparáveis registaram uma queda na China, embora a receita ainda tenha subido 16% em moedas locais em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

Os lucros do primeiro trimestre antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) chegaram a 1,67 mil milhões de coroas dinamarquesas, abaixo dos 1,75 mil milhões estimados pelos analistas consultados pela Reuters. 

Até às 7h38 (GMT), as ações da Pandora haviam caído 10%, caminhando para o pior desempenho diário em quatro meses.

Os seus mercados mais desenvolvidos também tiveram desempenhos fracos, com as vendas estagnadas no Reino Unido e a caírem 8% em moedas locais nos Estados Unidos neste trimestre.

A Pandora, que, em média, produziu 334 mil peças de joalharia por dia em 2016, espera aumentar as vendas acelerando o número de designs lançados e aumentando o número de lojas próprias em vez de franchises.

A reação inicial à sua mais recente coleção banhada a ouro, “Shine”, lançada em março, foi “encorajadora”, mas Friis recusou-se a fornecer detalhes sobre as vendas. A Pandora lançou 150 novos produtos durante o primeiro trimestre e planeia lançar mais 500 no decorrer do ano.

O ambiente de retalho mais fraco deve-se, em parte, a uma mudança dos consumidores mais jovens, que se afastam da joalharia e investem na compra de tecnologia e experiências.

As vendas subiram 6%, em linha com a meta da empresa para as vendas do primeiro trimestre, mas ligeiramente abaixo da previsão de 7 a 10% para o ano completo, que se manteve inalterada.

Traduzido por Estela Ataíde

© Thomson Reuters 2018 Todos os direitos reservados.

JoalhariaNegócios