Penedo negoceia cork.a.yarn com cadeias multinacionais

Várias cadeias internacionais de vestuário já manifestaram um elevado interesse em poderem utilizar o cork.a.yarn, um fio produzido a partir de desperdícios de cortiça, desenvolvido por um consórcio integrado por Têxteis Penedo, Sedacor, FEUP e CITEVE.


A Penedo está já negociar com multinacionais a possibilidade de usarem este produto (patenteado a nível mundial e prestes a entrar na fase de industrialização) na confecção de vestuário.

A estreia mundial do novo e inovador produto teve lugar este mês, em Frankfurt, durante a última Heimtextil, onde o stand da Penedo fez furor ao exibir protótipos de almofadas, com tecido feito com cork.a.yarn.

“Ainda agora saiu daqui um norueguês que mal viu a almofada virou-se para mim e, com um ar grave e solene, disse: ‘Quando é que eu posso ter isto?’”, contou Francisco Xavier Leite, CEO da Penedo, uma têxtil lar que fechou 2017 com um volume de negócios de 12 milhões de euros e emprega 96 pessoas.

“Em meados deste ano teremos a capacidade industrial para entrar no mercado. Já foram resolvidas e ultrapassadas as naturais dificuldades e constrangimentos que surgem sempre, quando se passa para a fase da industrialização”, garante o CEO da Penedo.

Subproduto da cortiça, reaproveitada com incorporação têxtil, o cork.a.yarn implicou já um investimento de dois milhões de euros, que terá se ser complementado com mais um milhão de euros a aplicar em maquinaria.

“Estamos convencidos que este investimento se paga num prazo de cinco anos”, afirma Xavier Leite, acrescentando que a Penedo usará o novo fio numa variada gama de têxteis lar – da cama à mesa, passando pelos cortinados.

Mas o cork.a.yarn, em cuja composição entra um mínimo de 20% de cortiça cruzada com algodão, e, num futuro próximo, talvez linho ou outro material, poderá ainda ser usado não só na confecção de vestuário como também de artigos de decoração ou outros produtos.

“Devido às propriedades naturais anti-fogo e de proteção térmica, penso que o cork.a.yarn será muito procurado para a confecção de roupas de trabalho”, alerta Agostinho Afonso, administrador da Penedo.

“Além de ecológico, o fio tem o atrativo de combinar as características de excelência da cortiça –  um produto natural anti-alérgico, anti-ácaros e térmico – com o o conforto do têxtil”, conclui Afonso. 

Copyright © Jornal T. Todos os direitos reservados.

TêxtilIndústria