Uniqlo quer se tornar a cadeia de moda Número 1 do mundo

Uniqlo explodiu na última década, tornando-se a maior cadeia retalhista de moda da Ásia, mas a empresa japonesa tem metas muito mais ambiciosas, tornar-se a maior rede de vestuário do mundo.
 
A retalhista nipónica ganhou fama por fornecer roupas funcionais de alta tecnologia em dezenas de cores a preços acessíveis e feitas em larga escala. A cadeia não se considera  uma fast fashion, mas uma marca de lifewear com uma mistura entre moda, contemporaneidade e inovação tecnológica.

Uniqlo quer se tornar a maior cadeia de moda do mundo tendo no horizonte 2020. - Foto: Reprodução
 
Uniqlo, inovação em lifewear
A Uniqlo é controlada pelo grupo de moda Fast Retailing, que possui também as marcas GU, Theory, PLST, Helmut Lang, Comptoir des Cotonniers, Princesse Tam Tam e J Brand. A Uniqlo teve seu início em 1989 nos subúrbios de Hiroshima, mas, em menos de 20 anos, ela abriu lojas nas principais cidades globais e tornou-se um dos maiores casos de sucesso do Japão nas últimas décadas. A empresa japonesa cresceu pelo mesmo motivo que várias outras redes de 'fast fashion', a crise económica.
 
No início de 1990, a economia japonesa passava por uma enorme crise e as roupas baratas da Uniqlo tornaram-se rapidamente populares. A crise econômica é muitas vezes chamada de 'A Grande Recessão', tendo durado uma década inteira. Foi uma má notícia para o país como um todo, mas a Uniqlo beneficiou muito, uma vez que os japoneses tentavam cortar suas despesas. Para se diferenciar das outras 'fast fashion', a empresa diz que não vende apenas peças de vestuário, mas um estilo de vida lifewear.
 
Uniqlo ganhou mercado em toda Ásia, ao investir em materiais inovadores com qualidade premium, como o AIRism, um tecido super leve e fresco que ajuda a esfriar o corpo, e o HEATTECH, um gerador de calor desenvolvido junto com a mesma companhia que fornece fibra de carbono para o Boeing 787.
 
A empresa quer repetir a mesma façanha pelo mundo, investindo não somente no conceito 'lifewear', que leva um conforto e funcionalidade a um novo nível, mas também em coleções mais modernas. O carro-chefe atual da Uniqlo são esses dois tecidos tecnológicos, mas a empresa sempre busca inovações.
 
Enquanto a maioria das marcas de moda seguem as últimas tendências, estimulando a obsolescência programada e o consumismo desenfreado de roupas descartáveis, a Uniqlo diz que busca investir no design básico e intemporal e na durabilidade das suas roupas com tecnologia têxtil.
 
O fundador e presidente Tadashi Yanai diz que a Uniqlo "não é uma marca de moda, mas uma marca de tecnologia", no entanto, para o presidente da Fast Retailing, John Jay, a marca tem também de evoluir com a criação de roupas desejáveis e investir na sustentabilidade.
 
"É verdade que não nos vemos como uma empresa de moda tradicional. Não somos uma empresa de fast fashion que copia as roupas mostradas nos desfiles de grifes famosas para criar a nossa versão barata, este não é o nosso objetivo. Mas dizer que a moda é o inimigo não pode estar mais longe da verdade".
 
No Japão, 58% das lojas Uniqlo trabalham em parceria com uma empresa de reciclagem que recolhe resíduos nas lojas, recicla todos os materiais reutilizáveis e faz relatórios das reciclagens mensais.
 
A Fast Retailing afirma que busca ampliar as atividades de coleta de roupas usadas em suas lojas que atualmente não têm programas de coleta, tais como aquelas localizadas em centros comerciais. A mesma coisa estão a fazer outras redes de fast fashion como Zara e H&M.
 
Uniqlo diz estar a investir em suas coleções lifewear compostas de roupas confortáveis para todos os dias ao gosto e estilo de vida de cada indivíduo. Com objetivo de se tornar a retalhista de moda N.º 1 do mundo em 2020 (está entre a 3.ª e 4.ª posição hoje), a Uniqlo tem feito progressos em direção à sua trajetória.
 
Depois de lançar sua primeira loja no estrangeiro, em Londres em 2001, e Nova Iorque em 2006, a marca agora se encontra em 17 países, com as recentes aberturas em Rússia e Bélgica. A cadeia tem mais de 800 lojas só no Japão e 27 nas Filipinas desde que foi inaugurada em junho de 2012. Até agosto de 2014, a Uniqlo tinha 1.487 lojas em todo o mundo.
 
A linha de roupas HEATTECH da Uniqlo foi descrita no site da marca como "tecido de ponta que retém o calor do corpo, armazenando-o dentro de bolsas de ar no fundo das fibras para manter o utilizador quente". O tecido é um excelente exemplo da inovação da Uniqlo.
 
A Uniqlo fala muito sobre a longevidade das suas roupas, para que os clientes não precisem comprar novamente. A marca busca uma constante inovação através de novas tecnologias têxteis ou no processo de fabricação para criar produtos de qualidade com preços acessíveis. A Uniqlo investe na evolução contínua para dominar o mundo, agora resta saber se vai conseguir superar as gigantes do fast fashion Zara e H&M.

Copyright © 2017 Stylo Urbano. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirDistribuição