×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
11 de abr. de 2022
Tempo de leitura
6 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A criação africana impõe-se na cena internacional

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
11 de abr. de 2022

O slogan do momento poderia ser: "Africa is the new chic" (África é o novo chique). Desde a nomeação de Thebe Magugu, o primeiro africano a ganhar o LVMH Prize em 2019, que está agora pronto para ser o primeiro designer a criar uma coleção para a AZ Factory após a morte de Alber Elbaz; até ao lançamento do livro "Swinginging Africa, le continent mode" em novembro de 2021 (Éditions Flammarion) por Emmanuelle Courrèges; à nova bienal de arte Révélations (9-12 de junho de 2022) em Paris, que será seguida pela Africa Fashion no Victoria & Albert Museum em Londres (julho de 2022 a abril de 2023), uma grande exposição dedicada à criação africana, desde o rescaldo da II Guerra Mundial até aos dias de hoje. O tempo é dedicado a África em todo o mundo.


Look da marca ganesa Christie Brown criada em 2008 por Aisha Ayensu e apoiada pela Birimian - DR


“Há muito movimento na cena da moda africana", diz a jornalista francesa Emmanuelle Courrèges, que cresceu na África Ocidental, e é também a fundadora da Lago54 (uma plataforma para promover o panorama e o savoir-faire da moda africana) e assessora de imprensa da estilista camaronesa Imane Ayissi.

“Pouco a pouco, um certo número de players e agora financiadores estão a dar-se conta de que existe um potencial significativo, mas também a necessidade de dar espaço a estas vozes que estão a inventar o futuro. Nelly Wandji e eu lançámos muito cedo a Lago54 (há quase 10 anos), numa altura em que poucas pessoas estavam interessadas na moda feita em África. Preparámos o caminho, ajudámos a criar o que está a acontecer hoje".


Capa do livro "Swinging Africa" pr Emmanuelle Courrèges (Éditions Flammarion) - DR


E o que está a acontecer hoje já estava no radar dos analistas. "Nos últimos anos, uma economia diversificada permitiu a emergência de uma classe média em África, aumentando a procura de produtos de consumo, serviços e marcas de luxo", anunciou a Deloitte no seu estudo "Consumerism in Africa, the 21st Century Market" (junho de 2015).

O aumento da procura dos consumidores, juntamente com um crescimento anual próximo de 8%, deverá aumentar o PIB africano em cerca de 1,1 biliões de dólares (0,92 bilião de euros) até 2019.

"De facto, a Costa do Marfim, Camarões, Etiópia, Uganda e Moçambique estão entre os mercados de crescimento mais rápido, e grandes economias como a Nigéria, África do Sul, Marrocos e Egipto continuam a ter um bom desempenho. A oportunidade do consumidor em África assenta em cinco pilares fundamentais: a ascensão da classe média, o crescimento da população, o domínio da juventude, a rápida urbanização e a rápida adoção das tecnologias digitais", frisou.


Kente Gentlemen, coleção para o outono-inverno 2022 - Foto: Alexander Tako - DR


E, mais do que nunca em 2022, África está a brilhar. Finalmente, o continente está a retomar o controlo da sua imagem e da sua narrativa", diz Laureen Kouassi-Olsson, fundadora e CEO da Birimian, uma empresa de investimento dedicada ao apoio financeiro, estratégico e operacional de marcas de luxo e premium com uma herança africana.

“É uma terra de oportunidades onde as marcas compreenderam os desafios de hoje, mas cultivam os seus próprios valores inspirados no passado e no artesanato. Com a Birimian, estou a mostrar que a moda africana existe e que pode ser rentável. De facto, em apenas um ano de existência, a Birimian já forjou uma parceria com o IFM, que oferece um programa que acompanha os designers africanos em todas as fases do seu desenvolvimento”. Enquanto a última exposição Première Classe Tuileries recebeu sete designers do coletivo: Christie Brown, Kente Gentlemen, Mille Collines, Rich Mnisi, Shekudo, This Is Us e Umòja.

"Tivemos um bom feedback e os compradores presentes provaram que precisavam de ver coisas novas e fizeram encomendas", confidencia Kouassi-Olsson. Outro facto que confirma o atual interesse da moda por África é que a Birimian acaba de formar uma aliança com a Trail (uma empresa europeia independente de private equity), que detém uma carteira de 12 empresas, incluindo a Wella, APM Monaco e a agência de comunicação Mazarine dedicada às marcas de luxo e premium.

Na agenda da Birimian e das marcas africanas: uma abordagem industrial que cria mais valor, sinergias operacionais e, para a Birimian, a abertura de um escritório em Paris nos escritórios da Trail.


Baskets Umòja no salão Première Classe Tuileries - Foto: Kim Weber


Isto mostra que África pode ser uma força a ter em conta. "O sector da moda no Ocidente está a ficar cada vez mais saturado a cada dia que passa. E mesmo entre as melhores maisons de moda, o constante recurso a arquivos e temas dos anos 80 e 90 fala de uma criatividade que se esforça por se renovar", sublinha ainda Emmanuelle Courrèges, fundadora da Lago54.

“Os designers africanos trazem uma lufada de ar fresco. Se a sua oferta tem ressonância nos mercados do norte, é porque oferecem o que eu chamo ‘o mesmo e o diferente’. O mesmo, com formas que nos falam e que nos tranquilizam, e as diferentes, com o que lhes é único", acrescenta. "Os criadores africanos são narradores de histórias. Não trazem apenas novos têxteis ou ofícios com alto valor acrescentado, mas contam também novas histórias. Eles levam-nos com elas. Até agora, só as grandes maisons podiam falar de artesanato. A moda ocidental está a descobrir que os estilistas africanos também têm os seus ofícios e sabem como combiná-los com os estilos e tendências mais recentes”.

A população jovem e conectada de África também permite um boom em plataformas baseadas na web que servem a comunidade. No início do ano, a start-up marfinense Afrikrea angariou 5,4 milhões de euros e aproveitou a oportunidade para mudar o seu nome para Anka (que significa "nosso" em Bambara e Dioula).

O seu objetivo: tornar-se LA, solução tudo-em-um, que permite aos seus utilizadores não só vender e enviar os seus produtos para todo o mundo, mas também receber os seus fundos através de métodos de pagamento internacionais, africanos ou locais, e alargar a sua gama de produtos móveis a múltiplos canais de retalho. Hoje, a Anka vende em 47 dos 54 países africanos e concluiu mais de 30,9 milhões de euros em transações em 174 países em todo o mundo. Mais de 80% dos seus vendedores são mulheres que aumentaram as suas receitas numa média de 50% desde que aderiram à comunidade do marketplace.


O marketplace Fashionomics Africa - DR


A última Paris Fashion Week deu à Jendaya (que significa "Agradecida" em Shona, a língua banto falada no Zimbabué) a oportunidade de fazer um nome próprio. O marketplace digital visa reunir as principais marcas de luxo e os estilistas mais vanguardistas do panorama da moda africana. O seu objetivo é permitir-lhes alcançar uma clientela mais inclusiva (afro-americanos, africanos e diáspora latina) através de conteúdos dedicados.

Em paralelo, surgiram outras iniciativas. Por exemplo, o mercado Fashionomics Africa do Banco Africano de Desenvolvimento, com os seus parceiros, lançou um novo concurso de moda sustentável com um prémio de 6.000 dólares americanos (5490,12 euros). A organização Ethical Fashion Initiative (EFI), ligada à ONU, está a ajudar os designers africanos a estabelecerem-se. Como uma incubadora, a EFI pretende gerar oportunidades de negócio enquanto mostra criatividade e talento em diversos sectores tais como arte, fotografia, cinema e música, trabalhando com o sector privado para fortalecer os sectores culturais e aumentar as exportações culturais.

“Acredito que sim", conclui Emmanuelle Courrèges da Lago54, que em maio revelará o seu novo conceito em torno de seis marcas africanas e uma grande plataforma de moda digital. "Há duas razões para isto: em primeiro lugar, a lufada de ar fresco que o design africano traz a um mundo saturado. Em segundo lugar, há um desejo crescente por parte dos africanos e da diáspora africana, onde quer que estejam, de consumir moda 'africana' e de apoiar os seus criadores".

"É uma mistura de orgulho e empenho, com o desejo de participar num esforço económico a favor das indústrias criativas africanas", foca por último Courrèges. "Sabendo também o crescimento da classe média africana, e que são os prescritores em termos de consumo, tudo isto me faz pensar que estamos no início de algo que irá crescer”.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.