×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de jan. de 2018
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A inocência selvagem da McQueen

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
21 de jan. de 2018

Teremos entrado na era da inocência selvagem?
Foi o que pareceu no mais recente desfile da McQueen, onde o estilo gangster londrino se cruzou com os Pony Boys de Dublin.


McQueen - outono 2018 - PixelFormula


Parecia que uma equipa de alfaiates de Savile Row tinha feito horas extra durante um mês para preparar esta coleção tão bem construída. O que não seria mentira, visto que o fundador Alexander McQueen começou como aprendiz no atelier da Anderson & Shepherd durante a adolescência.
 
O resultado foram algumas roupas arrojadas, com o corte preciso da marca de McQueen e fabricadas numa grande variedade de tecidos: estampados de rosas gigantes, enormes quadrados ou arrojado Agyles vermelho.

Raramente se viu na Europa uma temporada de desfiles tão embrulhada em roupa. E a solução mais reconfortante para o inverno apresentada por Sarah Burton, diretora criativa da McQueen, foi um sensacional casaco duffle vermelho.
 
Embora houvesse também algo ameaçador neste desfile – nomeadamente os excelentes casacos feitos em lã preta, complementados por elementos saídos da armadura de um cavaleiro, feitos em couro lustroso. Apesar disso, a inocência também foi evidente – vista no jovem elenco de modelos com os seus casacos com estampados de tigre combinados com enormes cachecóis em mohair. Umas das muitas óbvias referências à icónica série de fotografias “Pony Kids”, na qual Perry Ogden mostra as crianças irlandesas da classe operária que tinham cavalos nas suas pequenas habitações sociais. A versão celta de inocência selvagem.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.