×
357
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
EL CORTE INGLÉS, GRANDES ARMAZÉNS SA
Vendedores de Moda
Efetivo - CLT · LISBOA
RE/MAX COLLECTION, MAXGROUP
Profissional do Setor de Moda (m/f) Com Vertente Comercial
Estágio · LISBOA
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · PORTO
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - 8ª Avenida - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · São João da Madeira
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Parque Atlântico - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Ponta Delgada
CONFIDENCIAL
Engenheiro(a) de Qualidade Têxtil - Vestuário
Efetivo - CLT · PORTO
SANDRO PORTUGAL
Concession Manager - Lisboa el Corte Ingles h/m
Efetivo - CLT · LISBOA
LION OF PORCHES
Técnico(a) de Qualidade
Efetivo - CLT · VILA DO CONDE
RALPH LAUREN
Sales Associate (Vendedor Loja)
Efetivo - CLT · Alcochete
SANDRO PORTUGAL
16 Hours Sales Assistant Lisbon h/m
Trainee · LISBOA
MINGA LONDON
Stylist
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
Por
AFP
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de jun de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Adidas e Puma juntam-se a boicote publicitário do Facebook pelo discurso do ódio

Por
AFP
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
30 de jun de 2020

Mais de 160 empresas decidiram suspender publicidade nas redes sociais. O Facebook perdeu publicidade de marcas como a Coca-Cola, Honda e Levi's, entre outras, e já anunciou que vai tomar medidas adicionais para combater o discurso de ódio de cuja permissão é acusado. Entretanto, o valor da empresa entrou em colapso.


Instagram @cocacola


Os fabricantes alemães de roupa desportiva Adidas e Puma informaram, terça-feira (30 de junho), que se juntariam ao crescente boicote dos anunciantes por causa do discurso de ódio contra o Facebook e Instagram, em julho. Na sequência das queixas de grandes empresas de consumo, como a Coca-Cola e Levi's.

"A Puma vai juntar-se à campanha #StopHateForProfit, durante todo o mês de julho", disse uma porta-voz à AFP, citando uma hashtag dos meios de comunicação social organizada por ativistas de justiça social, retomada por algumas das empresas.


Instagram @adidasoriginals


A marca Puma "faz parte de um esforço global para criar mudanças positivas e melhorias na plataforma do Facebook ao exigir a eliminação de conversas imprecisas, hostis e nocivas", acrescentou.

Embora não tenha feito referência ao hashtag, um porta-voz da Adidas, rival da Puma, disse que a empresa "fortalecerá critérios para desenvolver e manter um ambiente cosmopolita e seguro que se aplicará a nós próprios e aos nossos parceiros", durante uma pausa publicitária no Facebook que abrange, também, a subsidiária americana Reebok.

"O racismo, a discriminação e os comentários odiosos não deveriam ter lugar nem na nossa empresa nem na nossa sociedade", acrescentou.

As ações do Facebook recuperaram, segunda-feira (29), alguns dos 50 mil milhões de dólares em valor de mercado que tinham perdido quando o boicote acelerou em final de junho, na semana passada.


Instagram @levis


Cerca de 200 empresas, incluindo gigantes como a Starbucks e a Unilever, seguiram o apelo de grupos de direitos civis, como a NAACP e a Liga Anti-Difamação (ADL), para encenar o boicote de julho.

O movimento contra o discurso de ódio online ganhou força, após a morte de George Floyd, a 25 de maio, sufocado às mãos de um polícia caucasiano em Minneapolis.

Na sexta-feira (26), o Facebook informou que proibiria uma "categoria mais ampla de conteúdos de ódio" em anúncios e acrescentaria etiquetas a mensagens que são "dignas de notícia", mas violam as regras da plataforma - seguindo o exemplo do Twitter, que utilizou tais etiquetas em tweets do presidente dos EUA, Donald Trump.

Mas, os especialistas, destacaram a enorme base de anunciantes da rede social de pequenas e médias empresas que perseguem mais de 2,6 mil milhões de utilizadores em todo o mundo, limitando potencialmente o impacto de boicotes de grandes nomes.


Instagram @puma


A própria Adidas tem estado na mira do movimento global anti-discriminação.

No início deste mês, a marca rejeitou as alegações dos empregados de que não estava a fazer o suficiente para combater o racismo, depois de o seu chefe de recursos humanos no ano passado ter descrito tais queixas como, "ruído", apenas discutido nos EUA.
 

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.