Aeffe desacelera e regista aumento de 1,3% na faturação no primeiro semestre

O grupo de luxo italiano Aeffe desacelerou no primeiro semestre do ano. Após um 2018 com crescimento de +11,2% (a taxas de câmbio constantes) e um primeiro trimestre com alta de +7,4% (a taxas de câmbio correntes), a empresa registou um aumento de apenas +1,3% (à taxa de câmbio corrente), para 173,3 milhões de euros, no primeiro semestre de 2019.


A Moschino liderou o crescimento da divisão de calçado e artigos de couro da Aeffe - moschino.com
 
O EBITDA caiu (10,6% da receita, contra 12,3% no ano anterior), assim como o lucro, que alcançou 5,2 milhões de euros, contra 8,3 milhões no primeiro semestre de 2018. Por outro lado, a dívida financeira melhorou, totalizando 36,6 milhões de euros, em comparação com 40,9 milhões de euros a 30 de junho de 2018.
 
Entre as várias categorias de produtos, o calçado e os artigos de couro impulsionaram o crescimento com um volume de negócios de 60,7 milhões de euros (+4,4%), liderados pela Moschino, enquanto o vestuário permaneceu substancialmente estável em 132,2 milhões de euros(+0,4%).
 
Do ponto de vista geográfico, os melhores desempenhos foram registados na Ásia e no "Resto do Mundo", com faturação de 45,5 milhões de euros (+14,8%, ou 26,3% do total), graças sobretudo à Grande China (+ 9,7%). Por outro lado, a Europa registou queda de 6,5%, representando 22,3% das vendas totais, com a Itália a recuar 1,3%, com um volume de negócios de 80,1 milhões de euros (46,2% do total de vendas). A América, por sua vez, registou queda de -5,5%.
 
Os resultados negativos foram atribuídos, principalmente ao desempenho do canal atacadista, que representou 69,8% do total das receitas, uma queda de -2,4% à taxa de câmbio corrente. O retalho (26,6% do total) registou crescimento de +9,5% à taxa de câmbio corrente. Por fim, a receita dos royalties aumentou 23,2% em relação ao primeiro semestre de 2018, representando 3,6% das vendas consolidadas.
 
"Fortalecidos pelo bom desempenho das nossas lojas monomarca, os resultados foram afetados pela desaceleração no canal atacadista registada no segundo trimestre, penalizada por uma conjuntura macroeconómica caracterizada pela incerteza e o consequente impacto nas margens", comentou Massimo Ferretti, presidente executivo da Aeffe.

“Neste contexto de mercado global e altamente desafiador, o grupo empenhou-se no estudo e desenvolvimento de coleções cada vez mais desejáveis ​​e capazes de oferecer oportunidades de uso alinhadas às necessidades da demanda atual, graças ao fortalecimento das divisões de pesquisa e desenvolvimento, produção e marketing”, completou.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - AcessóriosLuxo - CalçadosLuxo - DiversosNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER