×
380
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Aeffe regista aumento de 46% no lucro em 2018

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 13 de mar de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

O grupo italiano Aeffe registou novamente um crescimento significativo no lucro em 2018. A Aeffe, que é proprietária das marcas Alberta Ferretti, Philosophy, Moschino e Pollini e detentora da licença das marcas Jeremy Scott e Cedric Charlier, anunciou "um aumento significativo na margem e lucro", graças ao crescimento de todos os indicadores económicos.
 

A linha jovem da Alberta Ferretti, Philosophy by Lorenzo Serafini, acelerou em 2018 - PixelFormula


O grupo informou num comunicado que viu o seu lucro líquido aumentar 46% e passar de 11,5 milhões de euros no final de 2017 para 16,7 milhões de euros em 2018. O volume de negócios da empresa aumentou 10,9% (+11,2% a taxas de câmbio constantes) para 346,6 milhões de euros.
 
No ano passado, a empresa gerou superávit operacional (EBIT) de 29,6 milhões de euros (+ 31%) e lucro operacional bruto (EBITDA) de 43,3 milhões de euros (+18,5%), ou seja, 12,5% do volume de negócios. O empresa destacou que o crescimento está relacionado com a progressão das vendas e a redução dos custos operacionais graças ao modelo de negócios da Aeffe.

A divisão de prêt-à-porter ainda é a principal fonte de receita da empresa com sede em San Giovanni in Marignano, perto de Rimini (69% das vendas totais), com um volume de negócios de 265,6 milhões de euros em 2018 (+11,2% a taxas de câmbio constantes), enquanto o crescimento dos acessórios foi de 9,3%.
 
Com 250,8 milhões de euros em receita (+13,9%), a Moschino mantém o seu papel como força motriz do grupo, representando 72% de todas as vendas, em comparação com 71% em 2017. Merece também destaque o crescimento de dois dígitos (+11,9%) da linha jovem Philosophy by Lorenzo Serafini. Alberta Ferretti e a marca de calçado Pollini também registaram crescimento, mas, por outro lado, as vendas na categoria "outros", que inclui as licenças das marcas Cédric Charlier e Jeremy Scott, caíram 7,2% no ano passado.

Em 2018, as vendas da Aeffe aumentaram em todas as regiões, com exceção da América, onde registaram um leve declínio (-4,8%, sendo -1,3% a taxas câmbio constantes). O grupo registou um aumento de 23,6% a taxas de câmbio constantes na Ásia e no restante do mundo, principalmente devido ao salto de mais de 27,8% nas vendas na Grande China, de 4,6% em Europa (excluindo Itália) e de 10,7% em Itália, o seu principal mercado, que representa 48,6% do seu volume de negócios total.

O canal de atacado, que responde por 71,5% das vendas totais, impulsionou as vendas da Aeffe no ano passado, com crescimento de 13,4% a taxas de câmbio constantes, em comparação com 2017, para 247,8 milhões de euros. As vendas na rede própria aumentaram 4,8%. O grupo possui 64 lojas próprias e 184 lojas franqueadas, em linha com os anos anteriores.

O presidente executivo da empresa, Massimo Ferretti, disse estar confiante com o ano de 2019, que será marcado por "um novo caminho de desenvolvimento para as marcas, também no segmento de acessórios, bem como pela otimização da presença em mercados de alto potencial, especialmente na Ásia.

A Aeffe conseguiu reduzir a sua dívida em 38%, passando de 50,6 milhões de euros a 31 de dezembro de 2017 para 31,3 milhões um ano depois, graças à melhoria no seu fluxo de caixa operacional.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.