×
348
Fashion Jobs
UNREAL FIELDS
Creative/Art Director
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Commercial Product Manager - Work With Product in The Fashion Business
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - French Speaker
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
MAJE
Assistant Store Manager - Colombo Lisbon m/f
Trainee · LISBOA
MARIA BY FIFTY
Marketing Digital
Estágio · BRAGA
MARIA BY FIFTY
Fashion Designer/ Grafic Designer
Estágio · BRAGA
THE KOOPLES
Sales Assistant - Full Time - Lisboa
Efetivo - CLT · LISBOA
RE/MAX COLLECTION, MAXGROUP
Profissional do Setor de Moda (m/f) Com Vertente Comercial
Estágio · LISBOA
SALSA
Vendeur(se) Carre Senart 30h
Efetivo - CLT · Paris
LION OF PORCHES
Fotógrafo (m/f) – Vila do Conde
Efetivo - CLT · PORTO
BWGROUP
Fashion Styling And Production
Efetivo - CLT · BRAGA
BWGROUP
Fashion Design Intern
Estágio · BRAGA
JOPLINS SUNGLASSES
Marketing Intern
Estágio · LISBOA
CONFIDENTIAL
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
MAXGROUP-REMAX TELHEIRAS
Procuramos Arquiteto/Designer de Interiores Para Consultor Imobiliário
Estágio · LISBOA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
17 de mar de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Alessandro Giglio (Grupo Giglio): "As empresas precisam de metabolizar o que lhes acontece"

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
17 de mar de 2020

Após o choque e a paralisia, as casas de moda italianas começam a organizar-se face à retracção causada pelo fecho de lojas. O Grupo Giglio, especializado na gestão de comércio electrónico para mais de 100 marcas Made in Italy, incluindo Max Mara, Trussardi e Liu Jo, testou recentemente soluções digitais para os seus clientes, que se revelaram rentáveis apesar da incerteza ligada à pandemia do novo coronavírus, permitindo-lhes aumentar as suas vendas e assim compensar parcialmente as quedas nas lojas físicas. O fundador e CEO da empresa, Alessandro Giglio, explica à FashionNetwork.com o sistema que colocou em prática.


Alessandro Giglio, fundador e CEO do Grupo Giglio - Giglio Group


FashionNetwork.com: Qual é a atividade do Grupo Giglio?

Alessandro Giglio: Gerenciamos o comércio electrónico das marcas que representamos, a 360 graus. Dependendo do caso, intervimos desde a criação do site de comércio electrónico até a gestão total da sua atividade, ou seja, marketing, redes sociais, atendimento ao cliente, logística, pagamentos, etc. Também desenvolvemos projectos de integração entre redes físicas e on-line.

FNW: Que iniciativas específicas propõe aos seus clientes, nestes tempos de stress relacionados com o novo coronavírus?

AG: Criamos uma série de serviços ad hoc que podem ajudar a acelerar as vendas on-line dos nossos clientes, a fim de compensar a queda de vendas nas suas lojas, já que tiveram de fechar na China, depois em Itália e agora noutros países europeus. Estas são ferramentas diferentes, que podem ser adaptadas de acordo com as necessidades do cliente. O primeiro serviço diz respeito aos maketplaces, montras internacionais nas quais posicionamos os produtos dos nossos clientes.

FNW: Isso quer dizer...

AG: Quase 60% dos produtos são vendidos apenas através de marketplaces e outros e-tailers internacionais. Através da nossa plataforma digital, podemos ligar os sites e produtos dos nossos clientes a estes mercados, a fim de aumentar a sua visibilidade, capturando os clientes que só compram nestes sites. Nos últimos dois anos, temos investido muito em tecnologia, inclusive através de aquisições como a Terashop, no ano passado. Assinamos acordos com quase 200 sites, desde a Amazon até Zalando, Galeries Lafayette, Yoox, etc., integrando os nossos sistemas e funcionalidades com cada um desses parceiros em termos de logística, formas de pagamento e fluxos de informação. Hoje, estamos a aumentar a presença dos nossos clientes nestas plataformas, ajudando-os a vender os seus stocks.
 
FNW: Como é que isso acontece?

AG: Desde que as marcas tiveram de fechar as suas lojas, os stocks estão a acumular-se consideravelmente. Estamos a comprar alguns deles, gerindo directamente as suas vendas nos mercados com os quais temos acordos.
 
FNW: Quais são as outras iniciativas?

AG: Propusemos às marcas a criação de uma espécie de site fantasma dedicado às vendas promocionais, durante um ou dois dias, num curto período de tempo, dirigindo-se apenas a uma lista de pessoas seleccionadas pela marca, o que confere um carácter exclusivo à iniciativa. Isto dá à marca a oportunidade de catalisar a atenção de um grande número de clientes através de ofertas vantajosas. Os resultados foram além das nossas expectativas.

FNW: Quais foram os retornos?

AG: Um primeiro teste realizado no fim-de-semana de 7 e 8 de março, com uma marca, cujo nome não posso revelar, permitiu registar um aumento de 59% nas vendas em comparação com o mesmo período do ano passado. Fizemos novamente a experiência, a 14 e 15 de março, com outras seis marcas. O crescimento registado foi espantoso dado o contexto, com aumentos que variaram entre +120% para os mais baixos e +378%. Isto mostra que a nossa abordagem é uma vencedora e que pode ser estratégica.

FNW: Mas estas são principalmente promoções?

AG: Sim, são promoções, cada marca organiza-as como quiser. Neste momento, há um colapso no volume de negócios, para não falar das ações que estão a acumular-se. A tecnologia torna possível compensar estas quedas e reduzir os stocks através deste tipo de vendas on-line. Este sistema também poderia ser estendido a um conceito de longo prazo, através da criação de uma espécie de loja on-line inserida no site da marca. Estas estratégias ajudam a conter a forte queda nas vendas on-line de produtos de luxo, a qual foi registada no início do ano, particularmente com a crise na China.

FNW: Como reagiram os seus clientes a estas propostas?

AG: No início houve indiferença, como se as empresas estivessem paralisadas pelo que estava acontecer. Não deviam sentar-se no seu canto e esperar que o pior acontecesse. Pelo contrário, devem reagir e fazer cada vez mais propostas. As empresas precisam de metabolizar o que lhes está a acontecer. Eu senti uma clara diferença entre a forma como pensavam há uma semana e agora. Já não têm a mesma percepção da situação e são mais sensíveis a soluções inovadoras.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.