×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
5 de jul. de 2021
Tempo de leitura
7 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Alta Costura: Paris espera uma semana cheia de estreias, instalações e celebrações

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
5 de jul. de 2021

Os fashionistas têm vindo a prever a morte da alta costura há mais de uma década, mas a nova estação parisiense que começou esta semana será a mais repleta de desfiles ao vivo de todo o ano da moda, em qualquer parte do mundo.


Chanel - primavera-verão 2021 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


"Como todos os outros, estou encantado por ver reaparecer um número substancial de desfiles físicos de moda. As marcas mais prestigiadas surpreendem-me sempre com a elevada qualidade dos seus shows, até ao mais pequeno detalhe: a criatividade das peças, o know-how das oficinas, os locais, os modelos e o casting...

Mas há também a chegada de novos designers, que procuram expressar o seu talento e os seus sonhos, e que não têm limites: estão a explorar novos territórios em termos de desenvolvimento sustentável, a economia circular ou digital", disse Ralph Toledano, presidente da Fédération de la Haute Couture et de la Mode (FHCM). Esta última sucedeu à Chambre Syndicale de la Haute Couture (CSHC), fundada em 1868, e ainda reina sobre todos os desfiles de moda em Paris.


Balenciaga - primavera-verão 2021 - Womenswear - Paris - © PixelFormula


A época oficial começou esta segunda-feira (5 de julho) com Schiaparelli, a maison fundada pela romana Elsa Schiaparelli e cuja criação é agora dirigida pelo americano Daniel Roseberry. Embora seja outra maison criada por um espanhol, desta vez Cristobal Balenciaga, que apresentará o show mais esperado da época, uma vez que a marca regressa à Alta Costura após mais de meio século de interrupção.

A Balenciaga – cuja estilista nascida na Geórgia Demna Gvalasia escolheu apresentar o regresso ao discurso histórico da maison no número 10 da Avenue George V – é uma das oito marcas que irão realizar desfiles ao vivo em frente de uma audiência real. Entre as outras sete está Christian Dior, que instalará um conjunto gigante dentro do Museu Rodin, concebido por um artista ainda sem nome, um espaço que permanecerá aberto ao público durante várias semanas. A última vez que a marca ofereceu este tipo de instalação duradoura – uma obra de Judy Chicago, há 18 meses – mais de 10.000 pessoas a visitaram.


Christian Dior - primavera-verão 2021 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


O regresso à Alta Costura de maisons históricas como a Balenciaga, assim como a chegada de novos talentos, mostram o quanto é importante Paris, e mais amplamente, França. Ralph Toledano identifica três razões principais para tal.

"Paris é, sem dúvida, a capital mundial da moda. A alta costura é o pilar da moda francesa, é o que a torna única, e é uma riqueza e património cultural. Por estas razões, desempenha um papel muito importante na moda, no sentido mais lato. Primeiro, porque é o melhor laboratório criativo que existe, um lugar onde os designers podem expressar os seus sonhos e fantasias sem qualquer filtro. É também um campo de exploração de novas tecnologias, em harmonia com a inteligência manual. A alta costura rega todo o sistema da moda", explicou o presidente da FHCM.


Azzaro Couture - primavera-verão 2021 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


Por outro lado, a costura representa o topo de excelência em termos de know-how e artesanato, para qualquer oficina (desde bordados a penas, chapéus e joias). Finalmente, é um meio único para promover uma marca e desenvolver a sua imagem. "Em suma, a Alta Costura personifica a singularidade e o requinte, e da forma mais bela", enfatizou ainda Ralph Toledano.

O primeiro dia inclui também um desfile ao vivo por Azzaro, com Olivier Theyskens ao leme, um dos grandes estilistas modernistas e góticos da moda.

Terça-feira (6) começa com Chanel, cuja designer Virginie Viard leva a maison para o Palais Galliera, que alberga atualmente uma notável exposição sobre Coco Chanel. E a coroa de glória do dia será a comemoração do 87.º aniversário do mestre italiano Giorgio Armani, que apresentará a sua coleção no que muitos consideram a embaixada mais bela de Paris, o Hôtel de Boisgelin, famoso pelo seu trompe l'oeil e tetos dourados.


Schiaparelli - primavera-verão 2021 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


Muitas marcas vão tentar fazer piggyback na época com espetáculos e eventos



Para além da própria Alta Costura, muitas marcas tentarão acrescentar à temporada outros espetáculos e eventos. No que respeita à moda, as coisas começaram na tarde de domingo (4), com o desfile de pronto-a-vestir da Off-White numa escola secundária parisiense às 17h. E também a estreia mais importante de todas: a primeira coleção de Pieter Mulier para a Azzedine Alaïa, apresentada no edifício histórico da marca no Marais.

Haverá outras estreias importantes no programa desta época de Alta Costura. Tendo-se Jean-Paul Gautier reformado, a maison decidiu convidar um designer independente a cada estação para imaginar uma nova coleção de alta costura. Esta ideia será concretizada na noite de quarta-feira (7), com uma primeira coleção do grande designer e mestre de montagem japonês, Chitose Abe de Sacai, a ser apresentada na sede da Gaultier, no 3.º arrondissement.


Charles de Vilmorin - primavera-verão 2021 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


Como um sinal do apelo da Alta Costura em todo o mundo, os dois últimos designers independentes a apresentarem desfiles ao vivo não são franceses: Zuhair Murad, do Líbano, e Vaishali S, da Índia.

No total, os quatro dias de espetáculos atingirão um impressionante total de 33 marcas, a maioria delas com shows em vídeo e mais de metade com apresentações privadas por marcação. Também se espera que quem receba muita atenção será Charles de Vilmorin, o prodígio francês e sósia de Yves Saint Laurent, que apresentará um vídeo de alta costura também na quarta-feira à noite.


Armani Prive - primavera-verão 2021 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


Durante um quarto de século, a FHCM tem apoiado e encorajado ativamente a entrada de novos nomes no calendário da época de Alta Costura. A emergência de uma nova geração de clientes também está a contribuir para isso, disse Ralph Toledano, que aponta para a influência da geopolítica: políticas económicas mais liberais, a queda do Muro de Berlim, e claro o incrível crescimento da região Ásia-Pacífico, especialmente da China.

Já em 1996, a FHCM tinha criado uma nova categoria para maisons sediadas fora de França que criam Alta Costura noutro lugar, mas que querem mostrar em Paris: a de "membro correspondente". Uma segunda categoria, "participante convidado", foi criada em 1997. Mas todos os candidatos devem primeiro passar por um rigoroso processo de aprovação, perante um comité de alta costura: o equivalente em moda a Fourches Caudines (que significa prevalecer) para muitos jovens esperançosos.


Fendi Couture - primavera-verão 2021 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


Os editores mais importantes da imprensa de moda internacional estão confirmados



O Departamento de Marcas Emergentes da FHCM tem uma longa história de apoio a jovens talentos através de uma formação abrangente em gestão ministrada pelo Institut Français de la Mode. E durante a pandemia, a FHCM criou um fundo especial de moda para ajudar financeiramente estas marcas emergentes.

Devido aos regulamentos de saúde rigorosos são esperados muito poucos editores e compradores de moda do Reino Unido. No entanto, agentes de imprensa do lado francês também revelaram ao site FashionNetwork.com que receberam pedidos da maioria dos principais jornalistas nova-iorquinos, incluindo Anna Wintour, Vanessa Friedman do New York Times, ou Samira Nasr, que foi nomeada editora-chefe da edição americana da Harper's Bazaar em junho passado, no pior momento da pandemia.


VAISHALI S SPRING SUMMER’21 - Rebirth


Os chefes de redação da Harper da Rússia e da Alemanha, Dasha Veledeeva e Kerstin Schneider, também são esperados.

Além disso, há rumores de que os poucos milhares de esposas de bilionários e outras princesas do Golfo que podem realmente pagar as roupas também estarão na viagem, graças aos jatos privados. Para além das compras de alta costura, poderão ser convidados para a festa do perfume Louis Vuitton, que terá lugar de novo na fundação artística da maison no Bois de Boulogne na segunda-feira (5), ou para o lançamento de uma nova revista de moda independente criada por enérgicos fashionistas franceses, a Revue du Vertbois.


Zuhair Murad - primavera-verão 2019 - Alta Costura - Paris - © PixelFormula


Dito isto, a FHCM também reestruturou radicalmente a sua plataforma, de modo a poder transmitir ao vivo todos os espetáculos da Alta Costura de Paris, e torná-los acessíveis ao público mundial. As parcerias globais com o Canal+, YouTube e Tencent irão melhorar ainda mais esta transmissão. Em suma, o know-how e a criatividade da época de Alta Costura nunca foram tão visíveis. Não admira que Paris esteja tão ligada a esta rara e única tradição.

"A omnipresença da tecnologia digital também cria uma necessidade de regressar a esta antiga arte. Quanto mais vivemos num mundo virtual, mais a Alta Costura (assim como a arte e o artesanato em geral) atrai as pessoas como um íman", observou por fim Ralph Toledano.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.