×
363
Fashion Jobs
JD SPORT
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
M+RC NOIR
Executive Assistant
Efetivo · PORTO
M+RC NOIR
Director of Collections / Production Manager
Efetivo · PORTO
THE KOOPLES
Sales Assistant 24h - Colombo
Efetivo · LISBOA
ADIDAS
Specialist Gbs Procurement Operations - French Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Credit And Collections Specialist North & Nordics (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs Taxes Systems (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Vasco da Gama
Temporario · Lisboa
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Viana Estação Shopping
Temporario · Viana do Castelo
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Foz Plaza
Temporario · Figueira da Foz
Por
Agência LUSA
Publicado em
22 de dez. de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

AMRR contra novas limitações de clientes no interior dos espaços comerciais

Por
Agência LUSA
Publicado em
22 de dez. de 2021

 A Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR) manifestou-se ontem (21) contra a limitação de clientes nos espaços comerciais, duvidando da eficácia da solução, e criticou as novas restrições e a imprevisibilidade das medidas.


Centro Comercial Vasco da Gama - Radu Bercan / Shutterstock.com


Em declarações à Lusa, após o Conselho de Ministros em que foi decidido reforçar as medidas de controlo da pandemia de covid-19, o secretário-geral da AMRR, Marco Claudino, referiu que a “constante imprevisibilidade” na tomada de medidas dificulta o planeamento por parte das empresas estando já a levar a cancelamentos, sobretudo ao nível da restauração.

As medidas anunciadas ontem pelo Governo, acrescentou, vêm impor um travão às empresas num momento em que começavam a ver “alguma luz ao fundo do túnel”, com o adicional de não obrigarem ao encerramento, mas de criarem novas restrições - o que as exclui dos apoios como o lay-off simplificado ou o programa APOIAR.

No final de uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro anunciou que foi decidido antecipar para o dia 25 de dezembro o início do período de contenção que estava previsto começar em 2 de janeiro, tendo optado por reforçar algumas medidas.

Assim, os espaços comerciais passam a ter uma limitação de um cliente por cada cinco metros quadrados, os clientes passam a ter de apresentar um teste negativo no acesso a hotéis e alojamentos turísticos e nos dias 24, 25, 30 e 31 de dezembro e 1 de janeiro passa também a ser obrigatório um teste negativo à covid-19 (antigénio feito em farmácia ou PCR) para acesso a restaurantes, casinos e festas de passagens ano.

Relativamente à limitação da lotação das lojas, Marco Claudino afirmou desconhecer a sustentação científica da medida e duvida da sua eficácia em evitar aglomerados de pessoas, lembrando o que sucedeu durante os largos meses em que esta medida esteve em vigor.

“No passado medidas deste género tiverem efeitos perniciosos porque levaram a aglomerações de pessoas à porta dos espaços comerciais”, referiu acrescentando que, no caso dos centros comerciais, acaba por se verificar uma dupla restrição o que penaliza as lojas que têm espaço para receber os clientes, mas a lotação do centro comercial impede-os de entrar.

“Não é uma medida justificada e há uma dificuldade que não pode ser escondida: nestes dois últimos anos estes espaços estiveram em grande parte ou encerrados ou com limitações de pessoas”, referiu para aludir às dificuldades que estas empresas enfrentam.

O secretário-geral da AMRR criticou também a “imprevisibilidade” das medidas que não tiveram em conta toda a logística instalada nos restaurantes, considerando que as novas restrições “vão acabar por levar a cancelamentos”.

Para Marco Claudino, nada o que aconteceu nestas últimas duas ou três semanas justifica as mudanças agora anunciadas.

LT // JNM (Lusa)

Copyright © 2022 Agência LUSA. Todos os direitos reservados.