Após queda no lucro devido ao clima, Hugo Boss espera fim de ano forte

O grupo de moda alemão Hugo Boss anunciou na terça-feira (6) que registou um declínio maior do que o esperado no lucro do terceiro trimestre, como resultado da decisão de aumentar os descontos para vender os artigos que ficaram acumulados devido a uma temporada de verão excecionalmente longa.


Hugo Boss aumentou aspromoçõesno último trimestre - Michaela Rehle - Reuters

Só no terceiro trimestre, o EBITDA do grupo caiu 12% para 126 milhões de euros, enquanto as vendas permaneceram estagnadas em 710 milhões de euros. Analistas consultados pela Reuters previam em média 135 milhões e 715 milhões de euros, respetivamente.

O grupo especificou que as vendas nos seus pontos de venda cresceram 3%, em perímetro e taxa de câmbio comparável, para 415 milhões de euros, e que as vendas online cresceram 38% em comparação com mesmo período do ano passado. O seu canal de atacado, por outro lado, ficou em baixa.

Hugo, a marca do grupo direcionada para os millennials, teve queda de 11% nas vendas no terceiro trimestre, para 98 milhões de euros e, por outro lado, a Boss registou um aumento de 3% nas vendas, para 612 milhões de euros.

Por região, o grupo registou uma queda de 2% a taxas de câmbio constantes nas suas vendas na Europa, para 462 milhões de euros. Em contrapartida, as vendas cresceram 11% no Reino Unido e tiveram queda de 13% e 8% na Alemanha e em França, respetivamente. Na América, as vendas aumentaram 5%, para 142 milhões de euros, e na Ásia-Pacífico cresceram 7%, para 82 milhões de euros. As suas atividades de licenciamento contribuíram com 19 milhões de euros.

O grupo alemão, com as suas marcas Hugo e Boss, informou que um desenvolvimento positivo do negócio durante o mês de outubro reforçou as suas expectativas de recuperação para o quarto trimestre, tradicionalmente o melhor em termos de vendas. 

A empresa, que anunciou uma nova colaboração mais estreita com a retalhista online Zalando, também informou que espera fortalecer as suas vendas digitais, que subiram 38% no terceiro trimestre. A marca deve beneficiar do apoio logístico da distribuidora, que também está a começar a oferecer a Boss Businesswear na sua plataforma.

A Hugo Boss confirmou os seus objetivos anuais, que incluem um aumento entre 1% e 5% no volume de negócios e no lucro líquido. A 14 de novembro, Mark Langer irá detalhar a evolução da sua estratégia durante a assembleia geral do grupo.

Com a Reuters

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirLuxo - Pronto-a-vestirNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER