×
313
Fashion Jobs
ADIDAS
Buyer - Spanish Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Gbs Finance Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
CONFIDENCIAL
Supervisor de Operações (m/f) - Sul
Efetivo - CLT · LISBOA
ADIDAS
Buyer (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SALSA
Credit Control Specialist (Fluente em Inglês) – Oportunidade de Trabalho Diversificado e Dinâmico
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ABSOLUTARGET
Produtor de Conteúdos Para Web
Estágio · VILA DO CONDE
ABSOLUTARGET
Marketing Digital e Social Media
Estágio · PORTO
ADIDAS
General Accounting Accountant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
LION OF PORCHES
Modelista (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
CONFIDENCIAL
Estilista Vestuário Homem (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendor(a) - Eci Lisboa - 30h H/F H/F
Efetivo - CLT · LISBOA
ADIDAS
Sales Associate (Part-Time) Loja Adidas Estádio da Luz - Lisboa
Efetivo - CLT · Lisboa
MAJE
Vendedor(a) - Porto Norte Opening
Efetivo - CLT · PORTO
MAJE
Store Manager - Eci Porto
Efetivo - CLT · PORTO
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Store Manager / Loja de Gama Alta
Trabalho temporário · LISBOA
ADIDAS
Senior Data Analyst (m/f) - Direct-tO-Consumer
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Junior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Tax Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
9 de out de 2020
Tempo de leitura
14 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

As 20 melhores coleções da estação provam como a moda questiona a sua existência

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
9 de out de 2020

Sem dúvida que esta tem sido a estação mais estranha da moda no último meio século, onde, a meio da pandemia, os estilistas têm estado ocupados a questionarem-se qual é o sentido da sua profissão. Em Paris, os franceses chamam a isto "une remise en question", o que se traduz, grosso modo, por questionar a própria existência. E, os diretores criativos, desde marcas gigantes até empresas recém-criadas, têm respondido frequentemente, com um exercício de retorno à juventude e ao que em primeiro lugar os inspirou a serem designers.

Como resultado foram lançadas algumas coleções altamente pessoais, que podem ser divididas em dois campos estranhamente complementares: escapismo romântico e roupas de alta qualidade feitas com métodos e tecidos sustentáveis. O site FashionNetwork.com considera que as seguintes 20 coleções , foram as principais que desenharam o novo caminho da moda, no mês passado.


Christian Dior - primavera-verão 2021 - moda feminina - Paris - © PixelFormula


Christian Dior: feminista à altura de uma catedral

A diretora criativa, Maria Grazia Chiuri, lançou a última obra de moda feminina, quase numa procissão a entrar de joelhos no cenário da Christian Dior, numa tenda feita à imagem de uma catedral artística no Jardin des Tuileries em Paris. Inspirada pelo encontro de Chiuri com Lucia Marcucci, e pelo projecto da artista Vetrata di poesia visiva, que significa poesia visual em vidro manchado. Cada moldura de vitrais idealizados no cenário sagrado da Dior, capturou palavras e reflexões sobre mulheres, como grandes obras de arte renascentistas e modernas com mulheres. Cada novo visual arrojado, numa série de casacos, recorre ao método de tecelagem Ikat com padrões paisley, e a uma silhueta casta mas sensual. A elegante moda feminista na sua forma mais privada e vivida, na última grande apresentação de Chiuri.

Koché: resistência fria num parque parisiense

Ninguém mistura roupa desportiva atlética de rua com a alta costura francesa como Christelle Kocher. Uma indie que define tendências e é uma grande show woman, que montou o seu desfile ao vivo dentro do Buttes-Chaumont, um fantástico parque com penhascos íngremes, o quinto maior de Paris, depois do Bois de Vincennes, Bois de Boulogne, Parc de la Villette e Jardin des Tuleries. Acompanhando o seu elenco com um quarteto de gaitas de foles, acrescentando uma grandeza a esta coleção, que parecia uma celebração da vida após a escuridão do encerramento. O ambiente era otimista, mesmo debaixo de uma chuva constante. Vestidos vaporosos às riscas, inspirados nas camisolas de equipas de futebol; vestidos négligée de ganga; tops atléticos e calções de boxer recortados com rendas e maravilhosos vestidos de cocktail com capuz feitos em jacquard com padrões paisley.

"Porque é que estou a fazer um desfile de moda? Bem... É uma questão de resistência. É uma questão de emoção. Trata-se de estar vivo", disse Kocher, resumindo a remise en question que foi o leitmotif desta estação.
 
Coperni: o chique racionalizado na Torre Montparnasse

O duo francês Coperni concebeu uma excelente coleção esta estação, e encenou-a conduzido pela chuva no telhado da Torre Montparnasse. Apenas 32 looks, abrindo com Edie Campbell num conjunto todo branco de casaco micro de aviador e jodhpurs stretch. Vestidos de cocktail escultóricos, fatos arquitetónicos elegantes e grandes camisas com ombro desnudo; juntamente com aquilo a que chamavam tecidos 3D, como os tecidos stretch de malha. E, um deslumbrante conjunto todo turquesa constituído por leggings, casaco com fecho éclair e chador a condizer. Uma excelente forma de celebrar Cathy Freeman, a aborígene Baha'i que ganhou os 400 metros de ouro há 20 anos, em Sydney, com a cabeça totalmente coberta.


Simone Rocha - primavera-verão 2021 - moda feminina - Londres


Simone Rocha: Jane Austen conhece Caterina di Medici

Jane Austen conheceu Caterina di Medici na coleção mais dramática da época em Londres. Um elevado romantismo etéreo de Simone Rocha no seu melhor, irlandesa de ascendência ibérica em Hong Kong (do apelido Rocha em português que veio de Espanha, Rojas). Um evento de comunicação social Sharing Today (Partilhando Hoje)para uma pequena audiência de editores, compradores e amigos, numa galeria Mayfair que abriu com vestidos divinais de baile, cortados para envolver o ombro em nuvens de tafetá ou cloqué. Uma atmosfera quase sagrada realçada pela paleta de cores, que Rocha descreveu com uma referência bíblica: "âmbar, ouro e mirra".

Akris: minimalismo fosforescente

A casa de moda mais inventiva da Suíça adotou uma abordagem inovadora à moda nesta estação, sem qualquer espetáculo ao vivo em Paris, nem qualquer vídeo típico de apresentação do vestuário. Em vez disso, o designer Albert Kriemler formou um triunvirato, encontrando primeiro inspiração no grande artista minimalista abstrato alemão Imi Knoebel, e depois gravando com arte essa colaboração num filme rodado pelo cineasta holandês Anton Corbijn. O filme de cinco minutos foi rodado num estúdio de Dusseldorf antes de algumas das maiores obras de Knoebel, como Raum 19, uma série de formas e caixas de cartão frequentemente maciças em formas demi-geométricas inesperadas. Utilizando as pinturas do final dos anos 90 de Knoebel como desenhos para túnicas de couro e fantásticos vestidos soltos, calças de renda fosforescentes e gabardinas em frente às esculturas, na mais recente reviravolta à enobrecedora moda modernista que é a Akris.


Erdem - primavera-verão 2021 - moda feminina - Londres - © PixelFormula


Erdem e Emma

Um espetáculo de vídeo cativante dentro de um parque arborizado, referindo o triângulo amoroso do século XVIII, em Nápoles, entre Emma Hamilton, o seu marido diplomata Sir William Hamilton, e o lendário Horatio Nelson. Emma, na corte dos Bourbon de Nápoles, estava vestida com vestidos de cintura alta ao estilo Directório, silhuetas de deusa grega e simples fitas leves atiradas por cima do ombro. Cabelos soltos, pérolas nas orelhas, fitas que brotam de muitos colarinhos e lapelas, arcos salientes: a última coleção elegante do estilista Erdem Moralioglu, que faz referência ao passado mesmo quando derruba a história com as suas ideias revolucionárias.

Molly Goddard: diversão phygital

Molly Goddard apresentou um espetáculo filogenético para uma coleção sucinta e sexy, numa galeria de arte, com as jovens a passearem ao longo de uma mini passerelle toda branca. Goddard envolve as mulheres em "papas de aveia", reunidas e desfiadas, mas sempre sedutoras, nunca aparentadas. As suas roupas são apelativas, mas frias, desde os vestidos cor-de-rosa de bonecas, aos vestidos sem golas e mangas usados sobre calças largas, até às esplêndidas roqueiras vitorianas fatais, nas cores da pop art. Nenhuma prisão pode impedir a joie de vivre de Goddard.

Marrknull inventa nobreza nervosa

Uma pedreira ventosa, com uma vintena de jovens asiáticas a passearem no cume. Todas com ar de quem tinha estado a festejar toda a noite. Um longo e fabuloso tiro final de drone captura toda a cena, enquanto um camião de malabarismo balança à volta do cume onde as modelos se encontram em formação. Camisas volumosas assimétricas, cocktails de couro, calças desconstruídas, numa das coleções mais inventivas buscadas a épocas remotas. Como marca unisexo de pronto-a-vestir de Pequim, fundada por Wang Wei e Tim Shi, a Marrknull tem tudo a ver com a recomposição do vestuário tradicional chinês com uma graça desconstruída. Tudo dito, uma visão brilhantemente sucinta da nobreza ousada.
 
Marni: imaginação artesanal

Francesco Risso tinha projetado um espetáculo conceptual ao vivo que não foi concretizado. Filmando uma partitura ou mais de amigos em mais de uma dúzia de cidades, estilizando-os em parte numa estranha variedade de locais. No entanto, a coleção atual, fruto de muitos meses de trabalho solitário da sua equipa de artesãos à moda antiga em Milão, foi bastante mágica. Intensas impressões de expressão abstrata; riscas desfocadas; gráficos magistralmente ousados e textos de graffiti pós-hippie, todos utilizados em casacos gigantes, cocktails assimétricos e tops atléticos revirados. Um lembrete de que o encerramento permitiu que a mente da moda mais fértil de Milão  Francesco Risso  libertasse a sua imaginação.
 
Versace: mar, sexo e sol

Mar, vento e tempestades na banda sonora, em conversação com um grande conjunto! Uma antiga ruína romana, como Pompeia em Milão, com estátuas de Hércules e imperadores imperiais, cabeças de Medusa com metros de largura, exuberantes capiteis coríntios tombados e uma audiência tímida de apenas uma centena empoleirada em mini-colunas. O elenco marchando em torno de um pavimento arenoso numa das coleções mais fortes de sempre de Donatella.

Elas de calças cortadas ao nível da cintura; blazers com broches de estrelas-do-mar de cristal; belas blusas gráficas; saias gráficas retro cortadas logo abaixo do joelho. Eles em fatos crocantes com casacos de tamanho exagerado, tops técnicos com padrões de gravatas, calças flare com riscas, e mais riscas de praia multicoloridas de corta-ventos. Muitos acessórios, desde plataformas de couro com acabamento de grossas correntes douradas, até mochilas de nylon azul elétrico e laranja Day Glo. Terminando com um excelente equipamento, numa nova concha Versace à beira-mar, visto em leggings, casacos de aviador, calções de rapper e fatos de treino, para não mencionar os atrevidos micro tops de cristal.

Donatella, no novo enquadramento, levou o seu arco, liderando um quinteto de deuses do rock com cabelo liso besuntado pelas costas. Novo atletismo para aqueles em fabulosa forma.
 

Yohji Yamamoto - primavera-verão 2021 - moda feminina - Paris - © PixelFormula


Yohji Yamamoto: velaturas como o diabo

Aqueles que pretendem ver uma pura declaração de criação de moda assistiram-na no último desfile de Yohji Yamamoto. Devido à pandemia, houve na realidade apenas um desfile apropriado na Paris Fashion Week, numa sexta-feira molhada. Yamamoto certificou-se de que era um grande espetáculo. Apresentada com arrebatamento dentro da gigantesca Salle des Fêtes dourada da Câmara Municipal de Paris, a justaposição perfeita para uma coleção inteiramente a preto e branco.
 
Poucas pessoas em qualquer lugar podem drapejar como Yamamoto, que esculpiu, embrulhou e pendurou intrincados cacos de seda e lã fina à volta do seu elenco angelical. Antes de ir para um espasmo prolongado de atividade no final, usando cabides e crinolinas de arame cru para fazer o tecido praticamente explodir dos torsos das modelos. Uma lição salutar do samurai do chique, com múltiplas roupas diabolicamente bem cortadas.
 
Emporio Armani: construindo pontes

Giorgio Armani saltou qualquer apresentação física durante a Milano Fashion Week, mas isso não impediu a sua exibição de vídeo para a Emporio Armani que preservou muito oomph and punch (poder e golpe). Armani nomeou o vídeo Building Dialogues (Construindo Diálogos) e filmou-o na sua sede de Milão, uma antiga fábrica de chocolates Nestlé reinventada pelo mestre arquiteto Tadao Ando, e Armani/Silos, o seu espaço de exposição de arte e moda do outro lado da rua.
 
A famosa paleta não colorida de cal, massa, pedra e lama de Giorgio raramente teve melhor aparência, visto aqui antes dos edifícios de estilo elegantemente austero e racionalista. No próximo verão, Armani quer que as jovens se vistam com os casacos e blusas de rawhide Holstein a preto e branco da Emporio, fatos a preto e cinzento com corte perfeito, vestidos de verão de pescoço subido, e fatos com calças de desfiladeiro.
 
As preocupações de saúde em relação às viagens fizeram com que o designer de 86 anos criasse uma forma alternativa de espetáculo, "para atingir o maior número possível de membros do público", e o resultado líquido foi uma das suas coleções Emporio mais corajosas de sempre.

Dries van Noten: a luz de Len Lye

Tal como na época de verão, o estilista belga mostrou um pequeno vídeo. Felizmente, este teve muitos aplausos. Intitulado Video, de Viviane Sassen, apresentava modelos dervixes rodopiantes, num estúdio de Amesterdão, feito à imagem de um clube hipster com projeções de luz. Van Noten referenciou vestidos de flapper, com aspeto de oficial colonial e camisas de esgrima brilhantes para elas; calções de acampamento com muitas etiquetas metálicas e tops de tecelagem, para eles.

Embora os elementos chave fossem as estampas, que levaram esta coleção a um lugar novo. Trabalhando com a fundação do artista e cineasta neozelandês Len Lye, que fez experiências com tintas, stencil, air-brushes, canetas de feltro e até mesmo instrumentos cirúrgicos, Dries van Noten desenvolveu uma gama hipnotizante de novas tonalidades psicadélicas e cores manchadas que mostraram o desenhador a dar forma ao que faz de melhor, cruzando a alfaiataria inteligente com as suas capacidades de mestre estampador. Furtivo escapismo no seu melhor.
 
Hermès: qualidade no topo da montanha

Uma celebração purista do amor francês pelo espetáculo com a Hermès, e o desfile mais habilmente encenado do calendário internacional. Revelado no interior do Tennis Club de Paris, remodelado numa montanha com cristas que rolaram até ao tecto da estrutura bruta de betão. Uma montanha feita de gesso branco, intercalada por gigantescos plintos com imagens de ícones cerâmicos, deuses temperamentais e fotografias da coleção atual.
 
A resposta da designer Nadège Vanhee-Cybulski à pandemia foi de hiper-qualidade, expressa em adornos reduzidos e estilo despojado: blazers mannish ideais, gilets de pescador minimalistas ou saias de cintura descida em pele tão lisa que pareciam ser feitas de aço. Pusters refinados, vestidos atados de lado ou blusões em caxemira de dupla face que pediam para ser acariciados. Vanhee-Cybulski procurou a qualidade pura de uma moda durável.
 
Acne: Turrell nas torres do Grand Palais

Isto soará a um elogio feito pelas costas, mas nunca pensei escrever que o desfile da Acne fosse um dos 20 melhores do planeta em qualquer estação do ano. No entanto, a última coleção de Jonny Johansson para a marca sueca foi, inquestionavelmente, um evento importante. A sua grande ideia foi o jogo de luz sobre roupa, fazendo ecoar as ideias culturais de James Turrell. Trabalhando com materiais refletores, Johansson desenvolveu assim uma intrigante coleção de roupas cerimoniais: blusas com mangas a terminarem 15,25 centímetros depois das pontas dos dedos; maravilhosas malhas de tubo com mangas jesuíticas gigantes; blazers de algodão de tamanho exagerado. Ou vestidos de tubo de chiffon semi-sheer, túnicas e saias de baloiço expostas a uma iluminação suave, chave e ambiente. Até as bolsas e engrenagens surgiram com alças de 12,7 centímetros de largura e um metro de comprimento. Apresentadas a grupos de 30 editores e gente influente, em três galerias com iluminação cinematográfica. Tudo dentro da Galerie Courbe do Grand Palais. Um momento de moda inesperado, por um estilista a ter em conta.


Balmain - primavera-verão 2021 - moda feminina - Paris - © PixelFormula


Balmain: logomania para uma primeira fila virtual

J.Lo (ou Penelope Cruz) e um bando de editores apareceram em Paris por uma vez, nesta temporada (nem que fosse virtualmente), o mais tardar no espetáculo da Balmain. Cada um no seu próprio ecrã plano, projetando-se a partir do conforto da própria casa ou escritório, de Pequim e Milão a Londres e Nova Iorque. Permitindo-lhes, como a vários dos seus animais de estimação, testemunhar a visão drenada do logo de Olivier Rousteing para a Balmain. Testemunhando uma poderosa apresentação de moda de Rousteing, onde cada look apresentava uma densa impressão do arquivo da marca. Como foi comprovado em smokings de pagode, vestidos atrevidos de cocktail de femme fatale para elas; ou blazers de rock dandy, fatos de salão e casacos de fumo para eles.

Paco Rabanne novamente relevante

O designer Julien Dossena encenou uma série de mini shows ao vivo dentro do Espace Commines no Marais, reconstruídos no interior como um grande cilindro de prata. A banda sonora que lá estava foi interrompida por cães a ladrar, buzinas de carros, sirenes de polícia e gritos dos fotógrafos na rua. Vestidos vaporosos de prata terminados com corpetes e tiras de pele de leopardo por baixo; belos vestidos de saída cor-de-rosa com tops parda, frequentemente usados com casacos de oito botões ou mini casacos de uniforme hussardo sem mangas da Idade do Espaço. O público empoleirava-se em bancos de metal, admirando o bravo final: uma série de vestidos de ouro ou prata feitos de cacos de plástico metálico ou lantejoulas de tamanho exagerado.

Numa palavra, Dossena é o estilista francês que mais faz acontecer. Alguém que conseguiu dar vida a uma marca que tinha sido considerada como uma encantadora relíquia retro. Hoje, graças a Dossena, Paco Rabanne é relevante e mesmo revolucionário.

Miu Miu: vencedores de medalhas de ouro olímpicas com maquilhagem italiana

Depois de mostrar Prada e a sua estreia com Raf Simons, em Milão, Miuccia Prada revelou Miu Miu 12 dias mais tarde em Paris. Ambas as coleções foram apresentadas online e também em várias cidades para selecionar grupos de estilistas seniores em almoços chiques. Inevitavelmente, a questão era: teria Miuccia uma coleção melhor a trabalhar sozinha, ou com Raf? Com base nesta única estação, é definitivamente Miu Miu Miuccia.

Maison Margiela: tango parisiense

John Galliano prometeu aos espetadores que o seu objetivo era criar um "guarda-roupa de luxo sem género", para a Maison Margiela, numa reportagem virtual intitulada "S.W.A.L.K. II". Falando de um "vídeo cheio de amor", numa conversa virtual com Nick Knight e o cabeleireiro Eugene Souleiman, antes de os telespetadores serem levados a uma aula de tango com um elenco jovem a dançar perante o quadro de humor da próxima primavera-verão de 2021.

A inspiração de Galliano: uma viagem a Buenos Aires, o bairro operário de La Boca, onde tantas casas são pintadas com cores vivas, e a descoberta do seu primeiro bar de tango. Sentado na própria sala de desenho, antes dos retratos a óleo, o designer inglês recordou uma "garagem dilapidada com gatos selvagens a correrem à luz do luar num clube privado de tango. Antes de uma criança de 80 anos começar a dançar". A memória dessa figura em roupa amarrotada, acompanhada por um acordeão, alvejada por Knight.

As verdadeiras roupas eram fatos de estilo argentino descontraídos, ombros almofadadas, camisolas usadas por baixo de suspensórios e calças com riscas. Mulheres com vestidos de seda vermelhos de sangue, ideais para dançar, e casacos desconstruídos com ombros recortadas. Muitas vezes com números nas costas, competindo como no filme They Shoot Horses, Don't They? (Os cavalos também se abatem).

O elenco acabou por dançar à volta do estúdio todo branco da sede da Margiela, no 11.º arrondissement (o bairro diversificado e popular de Paris que atrai foliões para os seus bares animados), durante esta obra de 44 minutos, antes de terminar as suas atividades numa orgia de dia de casamento feliz sob chuva torrencial. Agradável, brincalhão e entusiástico, mesmo que um pouco auto-indulgente, este foi o vídeo onde se conseguiu ver a maior parte de qualquer coleção desta temporada. E, esta estética "garçonniere" fez das roupas algumas das mais perversas em qualquer lugar.
 
Louis Vuitton

Por último, mas não menos importante: a vénia habitual de Nicolas Ghesquière na Louis Vuitton, que desenvolveu um vernáculo ousado para abordar a divisão entre homens e mulheres que lentamente se derrete num poderoso desfile final que trouxe um fim à Paris Fashion Week.

Pouca política em qualquer desfile desta estação, especialmente em Paris, mas pelo menos Ghesquière deixou claras as suas opiniões. O seu modelo de abertura usava uma camisola branca solta com graffiti onde se lia "Vote". Outros tinham grandes gráficos de rua explosivos, dizendo "Drive", "Hooks" ou "Dunce" em cores másculas de carros de corrida. Desenhos perfurados usados em vestidos de cocktail sob alguns grandes casacos volumosos de espiã heroína.

Corte repetido com bravura, fantásticos casacos de cintura dupla e de cintura baixa; e as melhores calças em qualquer parte desta estação: calças de homem com corte em rufos, usadas com casacos de oficial em malha. Enquanto que os casacos de aviador serão sempre enormes êxitos

Ghesquière regressa às origens vanguardistas, no último andar da nova loja de departamentos conceptual, La Samaritaine, com vista sobre o Sena.  
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.