×
Por
Jornal T
Publicado em
11 de jan de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

As empresas não aguentam um novo lockdown, avisa a ATP

Por
Jornal T
Publicado em
11 de jan de 2021

O país não pode voltar a um novo lockdown, que seria mortal para muitas empresas. O alerta vem do presidente da ATP- Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, que destaca o forte contributo positivo do lay off simplificado e aplaude também o novo regime esta quinta-feira aprovado pelo Governo, que prolonga o apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade em empresas em situação de crise.



“Só se a capacidade do sistema de saúde visto como um todo – SNS e privados – se esgotar em termos dos cuidados intensivos é que será inevitável um novo lockdown”, disse ao T o presidente da ATP, Mário Jorge Machado, explicando que “é mais barato recorrer à saúde privada que voltar a confinar o país”. O gestor recorda que “os custos de um novo confinamento na sua máxima amplitude serão definitivamente mortais para algumas empresas”.

Face ao agravar da situação, o Governo decidiu no Conselho de Ministros desta quinta-feira avançar com um quadro de apoios extraordinários à economia, ao emprego e às famílias. Ficou definido que todos os trabalhadores que estejam abrangidos pelo lay off simplificado e apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade passam a auferir 100% da sua retribuição normal ilíquida até três retribuições mínimas mensais garantidas (RMMG), não havendo lugar a esforço adicional dos empregadores.

Outro dos pontos definidos diz respeito à criação do apoio simplificado para microempresas em situação de crise empresarial, tendo em vista a manutenção de postos de trabalho, além da prorrogação do apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade em empresas em situação de crise empresarial até 30 de junho de 2021.

Este novo quadro de apoios estende-se ao elenco dos beneficiários do apoio à retoma dos membros de órgãos estatutários que exerçam funções de gerência e mantém a dispensa parcial de contribuições para a segurança social, a cargo da entidade empregadora, para as micro, pequenas e médias empresas.

Copyright © Jornal T. Todos os direitos reservados.