×
350
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
UNREAL FIELDS
Creative/Art Director
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Commercial Product Manager - Work With Product in The Fashion Business
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - French Speaker
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Almada Fórum - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Almada
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Loures Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Loures
SYSTEMACTION
Vendedor
Estágio · LISBOA
THE KOOPLES
Sales Assistant Part Time (20h) Lisboa
Trabalho temporário · LISBOA
THE KOOPLES
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
CONFIDENTIAL
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Braga - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Braga
LEVI'S
Store Manager (ds Porto)
Efetivo - CLT · Porto
MAJE
Assistant Store Manager - Colombo Lisbon m/f
Trainee · LISBOA
MARIA BY FIFTY
Marketing Digital
Estágio · BRAGA
MARIA BY FIFTY
Fashion Designer/ Grafic Designer
Estágio · BRAGA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de mar de 2020
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Bolsa de Paris quer acreditar numa cura para o Covid-19

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
20 de mar de 2020

A Bolsa de Paris fechou com subida de 2,68%, na passada quinta-feira (19 de março), após um longo período de hesitação, avançando por um passo decidido no final do dia, e encorajada pelo anúncio de Donald Trump sobre o uso de um tratamento antipalúdico contra o COVID-19.

O índice CAC 40 ganhou 100,66 pontos para 3.855,50 pontos. No dia anterior, tinha caído 5,94%.

A bolsa parisiense deu um pulo na abertura, antes de ficar sem fôlego, e depois avançou novamente motivada pela esperança médica na cura da doença pandémica. "Os mercados estão a recuperar porque Donald Trump anunciou que os EUA aprovaram o uso de cloroquina para tratar a doença", disse Daniel Larrouturou à AFP.


Bolsa de Paris quer acreditar na cura de COVID-19 - AFP / Archives


Segundo o presidente americano, Donald Trump, este tratamento antipalúdico tem "mostrado resultados preliminares muito encorajadores", assegurando ainda, durante uma sessão de esclarecimento à imprensa, que: "Vamos poder disponibilizar este medicamento quase imediatamente". Trump acredita que isso pode "mudar o jogo" face à pandemia, disse durante uma sessão informativa à imprensa.

Por sua vez, a FDA (Food and Drug Administration, uma agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA) que supervisiona a comercialização de medicamentos nos EUA, disse que queria criar "um ensaio clínico extenso e pragmático" para recolher informações e "responder a todas as questões que surgem", tal como esclareceu o seu comissário, Stephen Hahn.

O especialista adiantou ainda que, "as consequências da injecção de liquidez do Banco Central Europeu tiveram um efeito significativo, nas taxas soberanas, e aliviaram um pouco o mercado".

Para os investidores, esta crise da saúde, cujas consequências económicas são, ainda, difíceis de avaliar com precisão, é uma fonte de incertezas. Nos EUA, dezenas de milhares de pessoas foram despedidas numa única semana por causa do novo coronavírus, aumentando a pressão sobre a administração Trump e sobre o congresso para acordar um ambicioso pacote de ajuda de mais de 1.000 biliões de dólares.

As autoridades monetárias e fiscais têm vindo a tentar tranquilizar os mercados, há várias semanas, anunciando medidas de longo alcance, conforme vão avançando. O Banco Central Europeu retirou as grandes armas, na quarta-feira (18), com um plano de "emergência" de 750 biliões de euros para tentar conter as repercussões da pandemia na economia.

O Banco Central da Austrália cortou a sua principal taxa de política, num quarto de ponto para 0,25%, o seu mínimo histórico, após muitos outros cortes nas últimas semanas.

Em França, o ministro da Economia Bruno Le Maire advertiu, quinta-feira (19), perante a Assembleia Nacional, que a crise de COVID-19 ameaçava a própria existência da zona euro e "o futuro político do nosso continente". É na Europa que a pandemia avança mais rapidamente e vários países do sul (Espanha, França, Itália e Portugal), mas também a Bélgica, acabaram por seguir o exemplo da China, confinando a sua população. Os investidores estão perguntar a si próprios se os EUA e o Reino Unido vão seguir o exemplo.

Relevância das companhias aéreas

Em termos de valores, o sector da aviação, que se encontra entre os mais afectados pela crise da saúde, saiu a ganhar: a Airbus ganhou 9,51% a 53,73 euros, a Air France-KLM 7,04% a 4,55 euros e a Safran 4,44% a 55,5 euros.

A ADP recuperou 15% para 83,40 euros, depois de anunciar que colocaria 80% dos seus colaboradores a trabalhar em horário reduzido, durante um máximo de seis meses, a partir de segunda-feira (16). Os bancos, por outro lado, após um ressalto na abertura, acabaram em desordem. O Crédit Agricole caiu 0,35% para 6,22 euros e a Société Générale 2,54% para 13,80 euros. O BNP Paribas, por outro lado, ganhou 2,97% para 27,19 euros.

A Bolsa de Paris voltou a cair na quinta-feira ao meio-dia (-0,21%), apanhada pelo medo da propagação do vírus, apesar do alívio gerado pelo plano massivo anunciado pelo Banco Central Europeu.

Às 13h51 (12h51 GMT), o índice CAC 40 caiu 7,83 pontos para 3.747,01 pontos. No dia anterior, tinha caído 5,94%. O índice saltou na abertura, antes de perder gradualmente o ímpeto, pois o novo coronavírus lavrou mais de nove mil vidas e mais de 217.510 casos de infecção foram detectados em 157 países, de acordo com um relatório da AFP.

Wall Street estava prestes a abrir mais abaixo, o que pesava nos mercados europeus. O contrato de futuros no emblemático índice Dow Jones Industrial Average caiu 1,58%, o índice S&P 500 broad index caiu 2,06% e o Nasdaq, um índice de tecnologia intensiva, caiu 1,40%.

"Os mercados estão avessos ao risco porque interiorizaram" que a recessão "certamente será única em termos de magnitude" e, nesse contexto, "será muito difícil tranquilizá-los, mesmo dispensando enormes quantias de dinheiro", disse Christopher Dembik, chefe de pesquisa económica do Saxo Banque. O Banco Central Europeu retirou as grandes armas, quarta-feira (18), com um plano de "emergência" de 750 mil milhões de euros, para tentar conter as repercussões da pandemia na economia.

O Banco Central da Austrália cortou a sua principal taxa de política num quarto de ponto para 0,25%, na manhã de quinta-feira (19), o seu nível mais baixo de registo. Os governos não estavam no restante, a começar pelos EUA: Donald Trump apresentou-se como presidente "em tempo de guerra", enquanto primeira potência mundial, chegou muito tarde para lançar os testes de COVID-19, contando agora com mais de 7.700 casos confirmados e 118 mortes. Os dois primeiros membros do Congresso anunciaram que estavam infectados.

França, por sua vez, preparava-se para declarar um "estado de emergência sanitária".

No campo dos valores, o sector aéreo, um dos mais afectados pela crise sanitária, respirava bem. A Airbus ganhou 4,41% a 51,23 euros, a Air France-KLM 4,49% a 4,44 euros e a Safran 2,94% a 54,70 euros.

Os bancos, por outro lado, depois de um ressalto na abertura, caíram novamente. O Crédit Agricole perdeu 0,42% a EUR 6,22, o BNP Paribas 5,97% a EUR 25,50 e a Société Générale 3,43% a EUR 25,50 euros.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Tags :
Outros
Negócios