×
289
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa - CDI - Part-Time - 30h - m/h
Efetivo · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Madeira Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Funchal Rua - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Alma Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Coimbra
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendedor(a) - CDD 15h - 6 Meces - Porto Norte H/F
Temporario · SENHORA DA HORA
Por
Portugal Textil
Publicado em
17 de mai. de 2017
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Brasil em recuperação

Por
Portugal Textil
Publicado em
17 de mai. de 2017

«Estamos a começar a ver a luz ao fundo do túnel», afirma Rafael Cervone, presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confeção (ABIT), ao portal Just-style, acrescentando que o crescimento real será de 1%, mas que as receitas nominais aumentarão 5% e que a produção deverá subir 4%. «Tivemos uma situação política muito difícil e ficámos muito preocupados, mas a confiança [na recuperação económica] está a crescer muito rápido», garante.

A indústria brasileira perdeu 30 mil postos de trabalho, para os 1,47 milhões, no ano passado, quando as receitas diminuíram 8%, com a economia do país a atingir o pico da contração nos 3,6% e uma inflação de 7%.


Agora, a economia deverá crescer entre 0,5% e 1%, as vendas a retalho e as exportações deverão aumentar 2% e 7%, respetivamente, segundo Cervone. Em 2016, caíram 10% e 8%, respetivamente, acrescenta.

De acordo com o executivo, os lucros e investimentos dos fabricantes também estão a consolidar-se, com margens de crescimento de 2% a 3% este ano.

As opiniões de Cervone foram divulgadas quando o juiz do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin publicou a lista que envolveu o gabinete do presidente Michel Temer e do Congresso no escândalo da “Operação Lava Jato”. O conjunto de investigações em curso cumpriu já mais de mil mandados de busca e apreensão, de prisão temporária, de prisão preventiva e de condução coercitiva, visando apurar um esquema de lavagem de dinheiro que movimentou milhares de milhões de reais. A operação teve início a 17 de março de 2014 e conta com 40 fases operacionais, durante as quais mais de 100 pessoas foram presas e condenadas – situação que poderia ter minado os esforços para reestruturação da economia.

Questionado sobre se o caso, juntamente com o escândalo da carne contaminada, atingirá o sector de vestuário, Renato Jardim, diretor da divisão internacional da ABIT, responde que «mesmo que pessoas muito importantes tenham sido citadas na lista, a sociedade brasileira e os investidores já esperavam isso», pelo que será «pouco provável» que a indústria têxtil e vestuário sofra com os estilhaços.

«Somos conhecidos por ter padrões elevados e o nosso algodão é certificado em 90% pela Better Cotton Initiative [BCI]», aponta Jardim. Por seu lado, o presidente da ABIT, considera que o aumento do investimento deste ano irá modernizar o sector. «Temos investido na atualização das máquinas, especialmente para fiação, tecelagem e acabamentos especiais para denim, roupa de banho e têxteis-lar», enumera.

Isso inclui novas composições de tecidos no portefólio de jeans, que agora tem mais 250 categorias, refere o diretor da divisão internacional da ABIT. Renato Jardim prevê que as expedições globais cresçam 7% em relação a pouco mais de mil milhões de dólares no ano passado, quando encolheram 7,8%.

O Brasil espera que a recuperação económica da Argentina ajude a impulsionar o denim e outras categorias, enquanto o Paraguai deverá também aumentar as compras. «A Argentina é o primeiro mercado que esperamos recuperar, mas a estratégia é continuar a vender para a América Latina e Europa», explica Jardim.

Já Rafael Cervone revela que a ABIT está a pressionar Brasília para negociar acordos de livre-comércio com o México, EUA, Europa e Japão, para ajudar a abrir portas aos os produtos brasileiros. Simultaneamente, a ABIT está a exigir ao governo uma simplificação da burocracia, redução de impostos e melhorias nas condições de trabalho.

Copyright © 2022 Portugal Têxtil. Todos os direitos reservados.