×
331
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
FARFETCH
Account Manager (Italian Speaker)
Efetivo · PORTO
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa - CDI - Part-Time - 30h - m/h
Efetivo · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Madeira Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Funchal Rua - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Alma Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Coimbra
Por
Ansa
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
14 de dez. de 2018
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Bulgari foca-se na China, um mercado crescente e sofisticado

Por
Ansa
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
14 de dez. de 2018

A China "é um mercado crescente e sofisticado: apresentar as coleções noutros lugares e não aqui é impensável". O número um da Bulgari, Jean-Christophe Babin, não tem dúvidas sobre a prioridade que o país exerce nas estratégias do grupo, impulsionada pelo fator demográfico e um PIB que cresce a uma taxa de 6-7% por ano. É igual em volume ao Japão, mas torna-se o primeiro absoluto em escala global se Hong Kong for incluído na formação da chamada Grande China, observa Babin que, em entrevista à ANSA, explicou como nos últimos anos os chineses mudaram a forma de comprar.


Jean-Christophe Babin - Facebook/Bulgari


"Comprar no estrangeiro", observa ele, "já não funciona como antes, porque a diferença entre os preços na China e os preços no estrangeiro não é tão alta. Talvez pela taxa de câmbio ou o poder de compra, que também aumentou graças às políticas fiscais do governo, ou à perceção da autenticidade da marca no mercado local, ficou mais favorável e fácil a compra em casa". Por outras palavras, "mais conhecimento das marcas, mais confiança na autenticidade e demanda por serviços da mais alta qualidade. A apresentação das novidades deve ser feita na China e em Roma ao mesmo tempo”.

O crescimento de dois dígitos da Bulgari este ano e é um "valor que se deve às joias", que tiveram uma demanda ainda mais alta na China, assegura Babin, graças ao clima “da alma italiana em termos de luxo, sofisticação dos materiais e serviços". Algo que também oferece o hotel Bulgari em Pequim, localizado no rio Liangma, na parte superior do quadrilátero das embaixadas de Sanlitun.

Esta foi a atmosfera escolhida para a apresentação ao público chinês de Fiorever, a nova coleção de joias que é um tributo aos temas recorrentes da marca: estátuas, pinturas e artefatos da antiga Roma. Inspirada nesses temas, mas com a novidade dos diamantes no lugar das pedras coloridas convencionais que caracterizam a produção da marca histórica "totalmente italiana", de acordo com Babin. "Uma escolha consciente, seja a flor 'romana', um símbolo, ou o diamante e a prevalência do 'branco' para complementar uma oferta que visa ampliar os motivos florais que fazemos" e atingir mais clientes, não apenas os de alta renda.

As inaugurações de hotéis, por outro lado, continuam de acordo com o planeado. Depois de Pequim, Xangai e Dubai, o sétimo será inaugurado em 2020 em Paris (“as obras estão em estágio avançado"), e depois será a vez de Moscovo, em 2021, e Tóquio, em 2022. Ao final do projeto serão "15, talvez 18, mas nunca 50". O objetivo é manter a exclusividade do serviço. "No máximo", assegura Babin, "podemos aumentar para pouco mais de mil quartos em todo o planeta”.

Copyright © 2022 ANSA. Todos os direitos reservados.