CWF recebe novos investidores através de LBO

A CWF (Children Worldwide Fashion) muda de mãos ao reorganizar a sua estrutura acionista através da entrada de novos fundos de investimento. O grupo de moda infantil anunciou que os players franceses Arkéa Capital, que agora se posiciona como o maior acionista, e Raise participaram numa ronda destinada a apoiar os seus novos projetos de desenvolvimento, especialmente a exportação. Uma transação de LBO (leveraged buy-out, uma operação de financiamento com recurso a financiamento) assinada a 28 de maio cuja dívida será financiada pelo histórico pool bancário liderado pela Hélia Conseil (filial da Caisses d’Epargne Bretagne Pays de Loire et Aquitaine Poitou-Charentes). A Dzeta, acionista da CWF desde 2014, torna-se acionista minoritária, bem como a equipa administrativa, incluindo o seu presidente Freddy Mallet.


O grupo é detentor de uma dezena de licenças de marcas de alta gama e luxo e tem também as suas próprias marcas de moda - CWF

No que diz respeito aos recursos humanos, Freddy Mallet assume a presidência da holding CWF Développement, recentemente criada para permitir a conclusão da operação de LBO, enquanto Pascal Leblanc, até então seu CEO, foi nomeado presidente da CWF SAS, a empresa que gere as atividades da especialista em moda infantil. Pascale Dechâtre e Kevin Thompson, que também já estavam no grupo, são promovidos, respetivamente, aos cargos de diretora de estratégia e desenvolvimento e diretor comercial internacional.
 
"A empresa pretende continuar o desenvolvimento do grupo com o lançamento de novas coleções de calçado e acessórios, o fortalecimento do seu canal digital, a aceleração da sua implantação na Ásia, América do Norte e Médio Oriente, a assinatura de novas licenças e a aquisição de novas marcas", indica a empresa num comunicado.

A CWF tira assim partido desta mudança de acionistas para anunciar várias novidades estratégicas, que deverão contribuir para o crescimento do grupo: antes de mais, a aquisição da Charabia, uma marca de vestidos infantis de luxo fundada há 20 anos por Eric e Lena Barenton. Depois, a aquisição da licença da Lanvin para o prêt-à-porter infantil a partir do outono-inverno 2020. Por fim, a empresa com sede em Herbiers continua com uma estratégia de abertura de lojas de marca própria para as suas licenças, incluindo a Givenchy Kids, que acaba de inaugurar as suas duas primeiras lojas na China, e a Boss Kidswear, que deu os primeiros passos na Arábia Saudita no final de maio.

Fundada em 1965 e empregando mais de 800 pessoas, a CWF reivindica um volume de negócios de 160 milhões de euros gerados em 2018, dos quais 80% resultam da exportação. O grupo, que distribui os seus produtos em mais de 2.500 pontos de venda por atacado, explora as licenças da Givenchy e da Lanvin, mas também as da Chloé, Little Marc Jacobs, DKNY, Karl Lagerfeld, Zadig & Voltaire, Boss e Timberland. Em termos de marcas próprias, é agora proprietária da Charabia, que se vem juntar às marcas Billieblush, Billybandit e Carrément Beau, às quais se soma o conceito multimarca Kids Around e as suas cerca de trinta lojas na Europa.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirDistribuiçãoNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER