×
370
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Cacharel foca-se nos millennials e renasce no digital

Por
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 22 de mar de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A marca francesa Cacharel, que foi lançada em 1958 por Nimes Jean Bousquet, está a testar uma fórmula inovadora. Nos últimos anos, a marca mudou a estratégia, líderes e estilistas diversas vezes e, para este novo rumo, a marca reviu a sua distribuição, a sua oferta e a sua direção artística visando atingir um público mais jovem.


A Cacharel está de volta com o seu estampado Liberty - Elene Usdin


"Hoje em dia, o mercado está completamente transformado. Para os consumidores, a oferta nas lojas não é interessante, eles preferem comprar na internet a um preço menor", explica Jean Bousquet à FashionNetwork.com. A Cacharel, que possuía seis lojas inauguradas em 2016, fechou-as no ano passado com a ideia de se focar apenas nas vendas online, e ao mesmo tempo parou de vender no atacado.
 
"Nos últimos anos, a nossa clientela tinha mais de 40 anos. Queríamos atrair os consumidores mais jovens, os millennials. Para isso, tivemos que mudar a oferta da marca e baixar os nossos preços. As vendas online permitem-nos reduzir para metade os nossos preços", explica o gestor.

A Cacharel lançou o seu e-commerce em 2017, que era responsável por apenas uma pequena parcela das vendas da marca. O canal foi então completamente redesenhado pela agência Mad (que já trabalhou com as marcas Roseanna, Ba&Sh, Eleven Paris e Modetrotter) e relançado no início de 2019. O logótipo foi revisto pelo estúdio gráfico Des Signes e agora a identidade visual da marca está nova e leve, assim como as coleções da marca.
 
Quanto ao design, o designer Pascal Millet é o diretor criativo da marca desde setembro do ano passado, após se ter desligado da sua marca própria. Millet trabalhou na primeira coleção cápsula fille e garçon ("rapariga" e "rapaz", evidenciando o desejo de rejuvenescer a marca), que foi lançada a 14 de fevereiro e é composta por mais de cem peças com belos estampados que podem ser vistos em acessórios, saias, calças, camisas, entre outros itens, com preços entre 60 e 290 euros. A Cacharel prevê um total de cinco coleções por ano. A coleção de verão será lançada em maio, a de outono em julho, a de inverno em setembro e uma coleção mais pequena, destinada às festas de fim de ano, estará disponível em novembro.

Para a produção e os materiais, a Cacharel conta com alguns dos seus parceiros históricos, particularmente na Europa Oriental, mas também trabalha com parceiros italianos e portugueses. Em termos de criação, a marca foca-se nos detalhes e orgulha-se da alta qualidade das suas roupas, oferecidas a preços que considera muito atraentes.


Roupas para raparigas e rapazes que conversam entre elas - Elene Usdin


Com um número reduzido de licenças (os perfumes da marca estão sob os cuidados da L'Oréal e respondem por 75% do volume de negócios da Cacharel), a marca já está a pensar experimentar outros segmentos de produtos, como roupas infantis, um universo que a marca já explorou no passado.
 
Nos próximos meses, a Cacharel vai trabalhar nos principais temas que preocupam os millennials. As cerca de vinte pessoas que agora compõem a equipa da marca vão trabalhar na sustentabilidade e, para as próximas temporadas, devem comprar cortiça para fazer os botões das suas roupas e estão à procura das embalagens perfeitas feitas de papel de arroz.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.