×
Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
12 de mai. de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Cannes anseia por um tapete vermelho cheio de celebridades

Por
EFE
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
12 de mai. de 2020

Madrid, 12 de Maio (EFE) - O Festival de Cannes foi suspenso, deixando o glamour que costumava ser exibido em cada edição em apuros, com estrelas como Elle Fanning, Irina Shayk, Monica Bellucci, Penelope Cruz ou Uma Thurman, desfilando num tapete vermelho do qual este ano só restará a memória.

A cidade da Riviera Francesa tinha marcado a data de abertura do 73.º Festival de Cannes, para esta noite (12 de maio), onde as temperaturas amenas acolheriam os protagonistas dispostos a mostrar o seu talento de atores e a usarem as suas melhores roupas de todas as noites.


Penelope Cruz no último desfile da Chanel - Pixelformula


Atrizes, modelos e convidados como Eva Longoria, Jane Fonda, Nicole Kidman, Margot Robbie Rosie Huntington Whiteley ou Zhang Ziyi, não desfilarão entre os flashes dos fotógrafos devido à suspensão do concurso pelo coronavírus COVID-19, mas poderemos sempre recordar o melhor das noites na Riviera Francesa.

Na última edição do festival de cinema, a atriz Elle Fanning ("Maléfica") captou a atenção do público todas as noites, aos 21 anos de idade, com o seu estilo e vestidos de sonho, quando à noite, como se fosse um ritual, fazia de cada aparição um momento de estrelato único.

O seu aparecimento com um look Dior de Alta Costura, concebido por Maria Grazia Chiuri, composto por uma camisa de organza de seda e uma saia de tule plissada, uma homenagem à figura "New Look" da empresa, coroada por uma pamela de ráfia macramé negra, mostrou que apesar da sua juventude era uma das atrizes mais elegantes.

A elegância da atriz australiana Cate Blanchett, que presidiu ao júri do Festival em 2018, e Uma Thurman, que foi presidente da secção "Un Certain Regard" no 70.º Festival de Cannes em 2017, são também dignas de menção.

A protagonista de "Carol", Cate Blanchett, arriscou e soube deslumbrar não só com as maravilhosas jóias da Bulgari, mas também com as criações da Armani Privè para a noite ou Stella McCartney para os eventos da manhã, que foram um grande sucesso.


Cate Blanchett, presidente do júri do Festival de Cannes de 2018, embaixadora global de beleza da Giorgio Armani - DR


Assim foi o modelo de Iris van Herpen, um design perturbador e personalizado que parecia estar tatuado na sua pele, com o qual costumava assistir ao jantar de premiação "Women In Motion" que o grupo Kering organizou em torno do festival para destacar o papel da mulher na indústria cinematográfica.

A beleza e a altura de Uma Thurman fizeram dela um caminho de sucesso no tapete vermelho, no qual não desistiu das calças, usando um smoking sofisticado, ou dos vestidos Charleston, que ganhou com o seu movimento.

A palavra de honra desenha, os vestidos de pescoço em v e espartilho em pó rosa, dourado e amarelo, este último possivelmente em homenagem à sua personagem em "Kill Bill", quando acompanhou Quentin Tarantino, o diretor, na noite do 20.º aniversário do filme, consolidou-a como um grande mestre de cerimónias.

Muitas das atrizes e convidados participam no festival a convite das empresas patrocinadoras. É o caso de Jane Fonda, sempre sofisticada e elegante, que deslumbra ao escolher os trajes mais adequados para a ocasião.

No entanto, nem sempre se acerta. Apesar da sua espectacular figura e beleza, a modelo russa Irina Shayk cometeu um erro quando escolheu um desenho futurista negro da Balmain para assistir a uma das galas de Cannes em 2017.

Devem também esquecer o excesso do vestido branco da atriz indiana Aishwarya Rair, bem como a gaze vermelha que a modelo Winnie Harlow usou o ano passado e que mal cobriu a sua anatomia, ou a escolha decepcionante feita pela modelo brasileira Alessandra Ambrosio.


A atriz portuguesa Joana Ribeiro pisa pela primeira vez, em 2018, a passadeira vermelha em Cannes - Wikipédia


O vestido em strass e cetim que Eva Longoria usou em 2019, uma peça assimétrica de Alberta Ferreti, não favoreceu a atriz, nem o desenho de Charlotte Gainsbourg em mini-falé de zebra.

Chanel não teve o seu melhor dia quando uma das suas estrelas embaixadoras, a atriz Kristen Stewart, usou uma camisola e uma saia que não chegava à casa francesa na passadeira vermelha em Cannes, em 2017.

Apenas um ano depois, em 2018, a estrela de "Crepúsculo" quebrou novamente o "código de vestuário" não imposto e tirou os sapatos de salto alto para protestar contra o código, tal como Julia Roberts fez em 2016, quando desfilou sem sapatos.

Cannes não experimentará esta noite a luz dos holofotes nem as suas estrelas descerão do céu para o tapete vermelho. Só temos de esperar pela próxima vez.

Por Inmaculada Tapia / EFE
 

© EFE 2021. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.