×
Por
Exclusivo
Publicado em
24 de jan. de 2013
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Cardoso fala sobre queda da balança comercial

Por
Exclusivo
Publicado em
24 de jan. de 2013


O não aproveitamento do potencial de consumo pela indústria brasileira foi a tônica da coletiva de imprensa da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), concedida durante a 40ª edição da Couromoda, que acontece em São Paulo/SP, entre os dias 14 e 17 de janeiro.

O evento, ocorrido no segundo dia da mostra, foi prestigiado em peso pela imprensa nacional, motivo de agradecimento formal do presidente Milton Cardoso e dos diretores executivos, Heitor Klein e Rogério Dreyer. “Nos últimos anos temos visto cada vez mais conteúdos sobre a indústria calçadista, especialmente dos nossos pleitos na imprensa brasileira. Nós só temos a agradecer esse apoio de vocês, que fazem eco às nossas reivindicações, trazendo informações consistentes para a sociedade brasileira”, comentou Klein.

O presidente da Couromoda, Francisco Santos, também prestigiou o evento, ressaltando que a atual edição está sendo melhor em negócios do que a anterior, especialmente por causa do apoio e da aposta nos pequenos industriais e lojistas. ECONOMIA - Cardoso iniciou seu pronunciamento reafirmando a importância do setor calçadista para a economia nacional. “Juntos com o setor têxtil empregamos mais de três milhões de pessoas no Brasil, 35% do total do emprego industrial brasileiro”, destacou. Segundo ele, uma indústria como a calçadista, que é base da economia de 125 municípios brasileiros e está presente, com força, em 17 estados, deve contar com mais apoio por parte do governo federal.

QUE DAS IMPORTAÇÕES - Em 2012, por fatores já listados, como a taxa de câmbio desfavorável e a concorrência predatória de produtos asiáticos, foi registrada uma queda de 35% no superávit da balança comercial de calçados. Para o dirigente, o governo brasileiro está abrindo mão dos mecanismos de defesa comercial, permitindo a elisão fiscal através das práticas da triangulação e circunvenção das importações. “Desde 2010, com a adoção da taxa antidumping, os importadores estão trazendo calçados chineses desmontados no mesmo navio para mera montagem no Brasil. Além disso, temos a falsificação dos certificados de origem”, destacou.

O presidente da Abicalçados explicou que a entidade já solicitou investigações sobre o fato e que, surpreendentemente, o governo brasileiro não considerou a prática ilegal, apesar de constatar que o calçado de determinada empresa nacional continha mais de 90% dos componentes importados da China, quando o permitido é 60%. “Estamos recorrendo da decisão, mas o governo precisa entender o que está acontecendo”, afirmou. Cardoso lembrou que, em seis meses de aplicação do antidumping, a indústria gerou mais de 70 mil postos de trabalho, recuperando com folga os 40 mil perdidos no último trimestre de 2008 por causa da invasão dos produtos asiáticos. “O problema foi que, a partir daí, os importadores encontraram outras formas de continuar importando esses mesmos produtos”, lamentou. Consumo que não fortalece a indústria - Para Cardoso, as perspectivas para 2013 não são positivas, pois apesar do consumo de calçados em crescimento no Brasil, quem está se aproveitando do fato são, justamente, os importadores. “Em 2012 a indústria calçadista nacional registrou uma queda de 3% na produção e 6% na empregabilidade, mesmo com o varejo em crescimento”, disse. “Estamos vendo aqui na Couromoda uma disposição muito grande dos lojistas em comprar. O que queremos é que essa disposição, que o aumento da renda e do consumo do brasileiro, possa ser revertido em riqueza para o Brasil”, acrescentou Cardoso.

Nem todas as notícias foram negativas - O diretor executivo da Abicalçados, Heitor Klein, fez questão de ressaltar que nem todas as notícias foram negativas para o setor calçadista ao longo de 2012. Houve o incremento das exportações para a França em 15,8%, trazendo o País para o terceiro posto entre os principais destinos do calçado verde-amarelo.

“Também temos a notícia da criação do crédito presumido de 2% no ICMS para vendas interestaduais do Rio Grande do Sul, aumentando a competitividade das indústrias do Estado. Indústrias que foram fundamentais para conseguir o incentivo junto ao governo gaúcho”, destacou o executivo. Dreyer, por sua vez, lembrou a prorrogação do Reintegra e a desoneração da folha de pagamento para a indústria calçadista.

Programa Origem Sustentável - Após a coletiva de imprensa da Abicalçados ocorreu o lançamento oficial do Programa Origem Sustentável, uma iniciativa da Abicalçados e Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal) que irá certificar as indústrias de calçados e componentes que mantenham processos de produção sustentáveis.

Copyright © 2022 Exclusivo On Line. Todos os diretos Reservados.