×
306
Fashion Jobs
Por
EFE
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
16 de nov de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

CEO da Natura diz que a crise está longe de acabar

Por
EFE
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
16 de nov de 2020

O CEO da Natura & Co, Roberto Marques, disse em entrevista à EFE que a faturação da holding, a quarta maior do mundo no setor de cosméticos, aumentou no terceiro trimestre devido às vendas pela Internet durante a pandemia, mas pediu cautela face a uma crise que "está longe de terminar".


Natura regista crescimento graças a vendas pela Internet - Natura


O grupo, que concluiu em janeiro deste ano a compra da concorrente, a americana Avon, conseguiu responder ao "desafio" da pandemia graças ao comércio eletrónico e à venda direta através das redes sociais. Nesses canais, as vendas aumentaram 115% no terceiro trimestre, conforme destacou o presidente do conselho da Natura, empresa brasileira que tem uma forte presença na América Latina.

Segundo Marques, a adaptação digital face à crise do novo coronavírus e reabertura das lojas, permitiu à empresa aumentar a sua faturação em cerca de 32% em termos consolidados no terceiro trimestre do ano, para 10,4 bilhões de reais (16,05 mil milhões de euros).

A Natura & Co está presente em 100 países através das suas quatro marcas: Natura, The Body Shop, Aesop e Avon, que oferecem maquilhagem, produtos de cuidados pessoais, cosméticos e perfumes, entre outros.

“Comemoramos o terceiro trimestre, mas estamos atentos porque a crise está longe de acabar e o quarto trimestre é o mais importante”, afirmou Roberto Marques, que citou a incerteza gerada pela crise do novo coronavírus, principalmente após a segunda onda da pandemia que já atinge vários países europeus. O CEO disse estar atento às medidas adotadas pelos diferentes governos para conter o avanço do vírus.

“Apesar de termos tido um crescimento de vendas muito forte e melhora de margens no terceiro trimestre, ainda estamos a ser muito cautelosos. Temos visto no mundo, na Europa, vários países a regressarem ao confinamento e a fecharem lojas, como é o caso de Inglaterra", destacou Marques.


Natura & Co apresenta na América Latina o seu Compromiso con la vida (Compromisso com a Vida) - NEO


Maior integração na América Latina

Apesar da crise de COVID-19, o grupo tem identificado "muitas possibilidades" de expansão "orgânica" e espera acelerar a integração da Avon e da Natura, principalmente na América Latina. "Temos várias oportunidades de expandir as marcas do grupo, aproveitando a infraestrutura que criamos. Não temos todas as marcas em todos os países e temos um plano de crescimento orgânico”, diz o CEO.

Roberto Marques comentou ainda que vê "muitas oportunidades" na Ásia, principalmente na China, mercado que a empresa levou em consideração ao fortalecer a sua estrutura de capital com o fecho da oferta pública de 1 bilhão de dólares (0,84 bilhão de euros) em ações.

Além da expansão geográfica, o CEO destacou que a capitalização, a maior operação desse tipo em produtos de consumo na América Latina, vai melhorar o balanço do grupo, acelerando o processo de redução de dúvidas.

“Já usamos parte desses recursos para pagar um bónus da Avon existente com vencimento em 2022, com juros altíssimos, incompatíveis com a estrutura do grupo. Isso muda o perfil do grupo e deixa-o mais forte do ponto de vista de capital", acrescentou.

A capitalização, segundo o mesmo, também vai facilitar os investimentos para a digitalização, que deu mais um passo com o lançamento de uma plataforma própria de serviços financeiros no Brasil (&Co Pay). “Queremos expandi-lo para a América Latina e para o mundo, como uma unidade de negócios, oferecendo serviços para consultoras e revendedoras”, explica.

Agenda sustentável

Roberto Marques destacou que um dos pilares estratégicos do grupo é a agenda da sustentabilidade, que tem estabelecido "objetivos ambiciosos" e "metas agressivas" que envolverão "investimentos significativos”. Um dos objetivos é gerar a emissão de carbono até 2030, duas décadas antes do estabelecido pela própria ONU.

“A Natura é neutra em carbono desde 2017, mas queremos atingir a emissão zero de carbono no grupo como um todo. É um desafio muito grande, que abrange toda a cadeia”, afirmou. Para cumprir o seu compromisso com o meio ambiente, o presidente executivo da empresa destaca a importância de estabelecer um diálogo com "players importantes no processo", como o setor privado ou o próprio governo, para encontrarem "soluções conjuntas”.
 

© EFE 2020. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.