×
355
Fashion Jobs
GRUPO CÃES DE PEDRA
Head of Marketing / Brand Manager
Efetivo - CLT · PORTO
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
UNREAL FIELDS
Creative/Art Director
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Commercial Product Manager - Work With Product in The Fashion Business
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - French Speaker
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Trainee · LISBOA
SALSA
Industrial Improvement Manager – Tinturaria/Lavandaria/Acabamentos Especiais
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Alegro Alfragide - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Carnaxide
GRUPO CÃES DE PEDRA
Diretor(a) Creativo Moda Hombre / Mujer
Efetivo - CLT · VILA DO CONDE
EUGÉNIO CAMPOS JEWELS
Assistente Loja Online (E-Commerce)
Estágio · VILA NOVA DE GAIA
LES ATELIERS LISBOETES
Associate in Digital Marketing And E-Commerce - Estágio 6 Meses
Estágio · LISBOA
LION OF PORCHES
Editor de Imagem/Vídeo (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Almada Fórum - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Almada
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Loures Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Loures
SYSTEMACTION
Vendedor
Estágio · LISBOA
THE KOOPLES
Sales Assistant Part Time (20h) Lisboa
Trabalho temporário · LISBOA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
19 de mar de 2020
Tempo de leitura
9 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

CEOs e estilistas franceses elogiam a mudança de Macron para o encerramento francês, e apelam à solidariedade

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
19 de mar de 2020

CEOs e estilistas da moda parisiense elogiam o Presidente Emmanuel Macron, por ter tomado medidas decisivas, esta semana, na luta para controlar o novo coronavírus. Mesmo quando a indústria se prepara para um segundo trimestre desastroso.

Usando um decreto presidencial, Macron ordenou que França fosse fechada, com quase toda a população restrita às suas próprias casas, entrando em vigor na terça-feira (17 de março) ao meio-dia.


O presidente francês, Emmanuek Macron - © France TV


"Nous sommes en guerre" ("Estamos em guerra"), declarou Macron repetidamente, em seu discurso de 15 minutos à nação, a partir do palácio de l'Élysée em Paris.
  
O país já tinha fechado todos os bares, restaurantes e lojas não essenciais, a partir da meia-noite de sábado (14) e creches, escolas e universidades, a partir da manhã de segunda-feira (16). Na segunda-feira, Paris encerrou todos os parques e jardins, enquanto a polícia e as tropas paramilitares do CRS se reuniam em torno da capital francesa, aplicando silenciosamente o que é, na verdade, um toque de recolher.
 
"O Presidente Macron fez um excelente discurso. Adorei a ideia de que foi deixado claro que faremos o que for preciso. Foi muito humano na sua abordagem. Estou orgulhoso por termos um presidente assim", disse Ralph Toledano, presidente da Féderation de la Haute Couture et de la Mode, o órgão dirigente da moda francesa.

Olhando para o futuro, Toledano , que também é o presidente da casa de moda de Victoria Beckham, advertiu que as marcas precisam estar prontas para um desfecho dramático nos negócios mal a crise atual acabe.


Ralph Toledano - DR


Grandes grupos como a Kering e LVMH têm fechado várias lojas nas suas cadeias de marcas, mesmo que o negócio online tenha vindo a aumentar.
 
"Não tenho a certeza de que o online esteja mesmo a crescer tanto. Porque as pessoas não estão exactamente com vontade de comprar uma nova bolsa de mão", disse Toledano, que tem estado a trabalhar a partir de casa, no subúrbio de Neuilly, no oeste de Paris.

No entanto, prevê que a moda e o luxo podem muito bem vir a ter um último trimestre de 2020 muito forte.
 
"Se as coisas se recuperarem depois do verão, as pessoas vão querer aproveitar a vida". Esse é um dilema que os gestores enfrentam neste momento, pois as pessoas estão a reduzir as encomendas para o Inverno, o que podem acabar por lamentar. Depois de uma diminuição muito acentuada nos negócios, podemos ter um aumento muito rápido a partir da queda", acrescentou.
 
Duas grandes casas - Christian Dior e Chanel - cancelaram ambos os desfiles Cruise, em Itália, no mês de maio, respectivamente na Puglia dia 7 e em Capri dia 9.
 
A LVMH, proprietária da Dior, através do porta-voz corporativo, recusou-se a fazer comentários sobre "as decisões do governo".

No entanto, o grupo - o maior da moda no planeta - salientou que, "o nosso primeiro objectivo é proteger os nossos colaboradores, as suas famílias e os nossos clientes".
 
Todas as boutiques da LVMH foram fechadas, em França, até nova ordem, à excepção da La Grande Epicerie, a divisão de empório alimentar do Le Bon Marché (1869), o departament store mais sofisticado de Paris, em St Germain. Tanto as suas lojas alimentares Rive Droite como Rive Gauche permanecerão abertas. Todas as lojas de alimentos e padarias estão autorizadas a permanecer abertas, assim como as farmácias, correios bancários e agências de notícias.
A LVMH sublinhou que as novas "regras relativas ao acesso à actividade / emprego parcial, remuneração, gestão de licenças por doença serão adaptadas a esta situação sem precedentes, bem como às especificidades de cada país, de acordo com a regulamentação aplicável e as medidas excepcionais que possam ser tomadas pelas autoridades nacionais".
 
Já é obrigatório trabalhar, a partir de casa, para os escritórios da LVMH em França, incluindo a sua sede na Avenue Montaigne, excepto para serviços verdadeiramente essenciais. 

Finalmente, o presidente do grupo e acionista controlador Bernard Arnault instruiu a divisão de Perfumes & Cosméticos da LVMH a alterar os seus locais de produção para fabricar não perfumes, mas gel hidroalcoólico a ser fornecido às autoridades públicas.
 
As primeiras entregas de gel hidroalcoólico da Parfums Christian Dior, Guerlain e Parfums Givenchy começaram na segunda-feira (16), entregues gratuitamente às autoridades sanitárias francesas e como prioridade à Assistance Publique-Hôpitaux de Paris.

Do outro lado de Paris, a sede de Kering, situada na margem esquerda do Sena, também foi encerrada. 

"A Kering e as suas Casas estão a adoptar todas as medidas necessárias para proteger a saúde e a segurança dos seus empregados, implementando formas de trabalho alternativas e flexíveis, incluindo o trabalho remoto, e seguindo rigorosamente as orientações das respectivas autoridades nacionais em cada país em que operam", disse a Kering, que controla a Saint Laurent e Balenciaga em Paris; Alexander McQueen em Londres e Gucci e Bottega Veneta em Milão, localizadas em Itália, o país mais afectado pelo novo coronavírus fora da China. A Gucci foi outra casa que anulou a sua coleção Cruise, programada para ser realizada em São Francisco nesta estação.
 
Internacionalmente, várias semanas da moda (São Paulo, Moscou, Xangai, Pequim e Sydney) foram todas canceladas, assim como o Festival d'Hyères em França.

"Acho que o Presidente Macron tomou a decisão certa. Eu não entendo muito bem as pessoas que se queixam. Estas medidas foram tomadas com transparência e com base na investigação científica", disse Jean-Pierre Blanc, fundador do Festival d'Hyères.

Muitas casas de moda mais jovens, em Paris - como Olivier Theyskens, Ami e Sézane -, todas expressaram apoio às medidas duras e apelaram à solidariedade, neste momento, tão singularmente difícil para França e para o mundo.

"Estou absolutamente de acordo! No tecido que faz com que a nossa sociedade se esqueça muitas vezes de alguns aspectos importantes a ter em conta - a nossa vulnerabilidade às leis da natureza, tanto no que diz respeito a pequenas coisas como germes e vírus, como ao nosso impacto em questões de maior escala como as alterações climáticas e a poluição", argumentou Theyskens, um dos criadores mais admirados da capital francesa.

Theyskens também advertiu que, "na nossa indústria onde a transmissão do nosso savoir-faire é vital, desde os especialistas seniores até às gerações mais jovens, é crucial proteger a força do trabalho, particularmente nos ateliers de alta costura e nos artesãos". Uma grande quantidade de pessoas preciosas torna-se vulnerável por causa da sua idade". 
 
O designer, cujo atelier está localizado no bairro histórico do Marais, garantiu pessoalmente que a sua equipa poderia trabalhar a partir de casa.
 
"Do ponto de vista criativo, acredito que isso não vai me afectar muito, e vou abraçar positivamente o facto de ter mais tempo do que o normal em casa para desenhar, pensar e ver as coisas que gosto", disse Theyskens, recentemente nomeado diretor criativo da casa Azzaro.


Nicolas Santi-Weil - photo: Luc Braquet - photo: Luc Braquet


"Na Azzaro mudámos para os e-mails e conversas telefónicas e eu tenho andado a fazer Skyping com a minha equipa e com os colaboradores", continua o criativo. "Estamos ansiosos por aceitar este desafio, para actuar num tempo em que a criatividade tem de ser adaptativa e positivamente construtiva. Somos jovens de coração e vamos ajustar-nos à forma como as coisas evoluem", concluiu.
 
No 2º Arrondissement, uma das marcas mais concorridas de França, Sézane, revelou que 10% da sua nova colecção de vendas online será doada ao fundo de ajuda de emergência criado para a fundação de hospitais em França.
 
"Neste contexto sem precedentes, certas atividades como a nossa - certamente não vitais - podem ser objecto de questões. No entanto, fazer tudo para preservar o trabalho, a moral e o futuro dos nossos colegas e centenas de funcionários de parceiros é uma prioridade e um dever", escreveu a fundadora Morgane Sézalory, num e-mail dirigido a todos os funcionários.
 
Outras marcas jovens também se manifestaram com rapidez, na saudação ao discurso e decisões de Macron.

"Achamos os anúncios do presidente necessários por duas razões: Uma, para proteger a saúde dos franceses; e, outra, para tentar não aplanar a economia francesa", insistiu Nicolas Santi-Weil, CEO da Ami.
 
"Dada a gravidade da crise sanitária que se aproxima, tornou-se urgente criar uma espécie de choque eléctrico para que todos pudessem fazer um balanço da situação e serem capazes de agir, enquanto havia tempo para deter - ou pelo menos retardar - o surto da pandemia do novo coronavírus. Portanto, entendemos as medidas de contenção anunciadas", acrescentou Santi-Weil.
 
O jovem CEO também aplaudiu as declarações de Nicolas Dufourcq, CEO do BPI França, o banco semi-estatal que apoia as jovens empresas, informando que farão tudo para sustentar os novos negócios na crise.
 
"O maior risco para as marcas é verem-se envolvidas num ciclo vicioso: Ver a torneira das receitas fechar (fecho de lojas, esquinas e pontos de venda de todo o tipo), mas a das despesas sempre abertas (salários, contas, rendas, reembolso de empréstimos e contas correntes dos associados, pagamentos de produções e outras facturas)", desabafa. "Como tal, é vital para nós e para muitos outros negócios que o armazém possa continuar a operar no comércio electrónico, é a única fonte de receitas com que podemos contar tal como está a situação", sublinhou ainda Santi-Weil.

A Ami fechou todas as suas boutiques francesas e colocou o seu pessoal de vendas no desemprego técnico; e agora tem pessoal a colaborar através do teletrabalho, longe da sede da marca, no 4º Arrondissement.
 
A casa também criou um Comitê de Continuidade, que se reúne todas as manhãs às 9h30 e implementou uma solução de plataforma de videoconferência francesa, apelidada Livestorm para o trabalho inteligente à distância.
 
Além disso, ainda está a trabalhar na melhor forma de facilitar a equipa criativa de Alexandre Mattiussi. Tanto através do Livestorm, como respeitando escrupulosamente as instruções de segurança sanitária, e rotatividade do pessoal ocasionalmente para receber e ajustar protótipos e amostras.
 
Por uma questão de consistência, a Ami já fechou a sua bandeira de Londres, na Duke Street em Mayfair, antes que o governo britânico impusesse qualquer encerramento.
 
"Eu pessoalmente tive muitas discussões com os líderes de outras marcas ou empresas para compartilhar as nossas ideias, decisões ou organização de crise. Vivi em Nova Iorque durante os quatro anos que se seguiram aos ataques de 11 de setembro de 2001. Vi o significado da ajuda mútua e da solidariedade. Procuro, tanto quanto possível, encorajar os líderes das marcas francesas a partilhar os seus conhecimentos, a pensar sobre isso com os outros. Juntos somos menos estúpidos!" concluiu Santi-Weil.
 
Há três semanas, o presidente francês inaugurou efectivamente a temporada da passerelle de Paris com um jantar a celebrar a inovação, oferecido por Brigitte e Emmanuel Macron, no interior do Palácio do Eliseu. Uma comemoração que aconteceu pouco antes do COVID-19 começar repentinamente a tomar conta da Europa, e quando os números de vítimas mortais pelo novo coronavírus ainda se mantinham em números únicos.
 
Agora, com a Europa no centro da pandemia, a União Europeia e as federações de moda dos continentes têm vindo a trabalhar em conjunto, mesmo quando são forçadas a apertar radicalmente as fronteiras internacionais.
 
"Penso que o nosso Presidente fez um discurso importante. E seguiu as recomendações certas. Acho que poucas pessoas contestam isso. Para mim, a palavra-chave de hoje é a "solidariedade". Tanto com os nossos concidadãos como com os nossos amigos em Itália e noutros lugares", disse Pascal Morand, diretor geral da Féderation de la Haute Couture et de la Mode, cuja sede está localizada do outro lado da rua do Eliseu.
 
O trabalho da Féderation continuará a recorrer à videoconferência, enquanto mantém activamente as casas dos membros, especialmente os mais novos, informados sobre os efeitos jurídicos e fiscais das mudanças introduzidas por Macron. O presidente falou de um fundo de 300 milhões de euros para sustentar as empresas, muitas das quais tiveram as suas receitas reduzidas quase da noite para o dia.
 
"O governo está a fornecer enormes recursos que permitem que muitas empresas deixem o pessoal entrar em empregos parciais, o que é vital para milhares de empresas, especialmente na moda". Não gostaria sequer de adivinhar quanto tempo durará, este momento, em termos de semanas ou meses", acrescentou Morand.

Perguntando se a Federação considerava o cancelamento ou adiamento da próxima temporada de moda masculina em Paris, marcada para 21 a 26 de junho, respondeu: "Creio que é demasiado prematuro para falar sobre isso."
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.