×

Chanel: Alta costura evoca dias de glória do Le Palace

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
7 de jul de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A Chanel revelou a sua última coleção de alta-costura ao meio-dia de terça-feira (7 de julho), num formato online. A apresentação tomou a forma de um vídeo rápido e elegante que fazia referência ao lendário clube nocturno de Paris, Le Palace, o qual se prolongou apenas ao tempo de um minuto e 22 segundos. Como falar de um conceito conciso de alta-costura.


A modelo Adut Akech com um vestido Chanel da coleção de alta costurapara ooutono-inverno 2020/2021 - Chanel


Filmado com considerável suavidade pelo notável fotógrafo sueco Mikael Jansson, o filme foi o mais curto de longe para a época parisiense, que este mês de julho consiste numa semana de moda inteiramente digital, com 33 casas de alta costura listadas no calendário oficial.

"A coleção distingue-se pelo desejo de opulência, brilhantismo e sofisticação. Tinha em mente as princesas excêntricas, o tipo de mulheres que Karl Lagerfeld gosta de acompanhar às soirées no Le Palace", disse Virginie Viard, couturier da Chanel, numa nota de capa.

O vídeo de Jansson capturou de forma inteligente o humor daquelas noites de halcyon no famoso clube; com as suas festas de fantasia de temática selvagem, que atraíram uma mistura louca de jet setters, fossem gays, heterossexuais, ricos e pobres - e dezenas de estilistas, sobretudo o falecido criador criativo da Chanel, Karl Lagerfeld.

O vídeo apresentava essencialmente apenas cinco looks, embora com pequenos vislumbres de outras passagens e todos apresentados com apenas dois modelos, abrindo com a modelo holandesa Rianne van Rompaey num vestido deslumbrante decotado em tweed bordado, que conseguiu ser tão ousado como aqueles do Rock and Roll. 

A seguir surge a bela modelo sul-sudanês-australiana, Adut Akech, usando calças de tweed cor de buganvília. Rianne von Rompaey reaparece também muito impressionante, num vestido de noite recortado, ricamente bordado com pérolas, lantejoulas e flores metálicas, calçando botas simples atadas aos pés. Adut Akech retorna com um vestido de tafetá cinzento pérola, adornado por broche bizantino, exactamente como a própria Mademoiselle Coco o teria desenhado.


A modelo Rianne von Rompaey, a posarpara a Chanel, aquando da apresentação digital da sua coleção de alta costura outono-inverno2020/2021 - Chanel


"Estava a pensar numa princesa punk a sair do Le Palace ao amanhecer. Com um vestido de tafetá, cabelo longo, plumas e muitas jóias. Esta coleção é mais inspirada em Karl Lagerfeld do que em Gabrielle Chanel. Karl iria ao Le Palace, acompanharia estas mulheres muito sofisticadas e muito bem vestidas, que também eram muito excêntricas", acrescentou o sucessor de Karl Viard.

Rianne fecha o vídeo com um vestido preto decotado, adornado por laço enorme, com magnífico pendente de prata de alta joalharia. O seu cabelo espetado num estilo punk, ao mesmo tempo chique e áspero, em completa harmonia com a atmosfera selvagem que prevalecia na altura no Le Palace. O vídeo captura a essência das noites da discoteca, quando Mick Jagger, Andy Warhol, Roland Barthes e Jean-Paul Goode se juntaram para aplaudir Grace Jones, enquanto esta produzia a sua capa de La Vie en Rose, empoleirada numa Harley Davidson e envolta em nuvem de fumo.

O tema também marcou uma grande mudança de direção em relação ao último espectáculo de alta costura de Virginie Viard, em janeiro, que referia a educação precoce de Coco num convento austero na remota Aubazines.

"Gosto de trabalhar assim, indo na direção oposta ao que fiz da última vez. Queria complexidade, sofisticação", sublinhou Viard, que apelidou o humor geral desta estação de "romantismo ultra-rock".

Contudo, precisamente porque se tratava de um vídeo, era difícil apreciar a mera habilidade dos parceiros de bordados da casa, como Lesage e Montex, ou as contribuições de Lemarié e Goossens, que embelezavam os tweeds cravejados de lantejoulas, strass e pedras. Este tipo de artesanato exige uma passerelle ao vivo, à qual Chanel planeia regressar durante a próxima estação parisiense de pronto-a-vestir neste outono.

Ao todo, a coleção é composta por 30 looks, relativamente pequenos para um espectáculo de alta costura Chanel, mas ainda impressionantes dado o encerramento de três meses. De acordo com o lançamento, aparentemente inclui vestidos curtos com cintura cintada e saias corolla a murmurarem ao lado de vestidos compridos com um grande fascínio de Grand Siècle "e a nobre autoridade das heroínas a fugir dos tableaux do século XIX". Enquanto os atacadores pintados enriquecem os casacos de bolero e os tweeds feitos de fitas prateadas. Muito embora nenhum destes tenha aparecido no vídeo.


Rianne von Rompaey na pele de uma princesa punk da Chanel, look integrado na coleção de alta costura para outono-inverno2020/2021 - Chanel


Dois dias antes, a Chanel tinha provocado o tema num spot de 29 segundos pelo documentarista francês Loïc Prigent, que capturou o atelier da casa no momento final da preparação desta coleção de outono-inverno 2020/21. Anexado a uma maçaneta de porta está um saco Chanel dourado, em cuja etiqueta pode ler-se: "Please Dare to Disturb" (Por favor, Atreva-se a Perturbar). A porta abre-se para revelar o pessoal do atelier, na rue Cambon 31, com a intenção de dar os retoques finais às silhuetas criadas por Viard. É notável que Viard usa sempre uma máscara branca. É a primeira designer a mostrar-se online esta temporada em Paris. De facto, todos usam máscaras, enquanto terminam de colocar um vestido na modelo brasileira Cristina Herrmann, uma das quatro que apareceram no último vídeo da Chanel para a sua coleção Cruise, Balade en Méditerranée (Balada no Mediterrâneo).

"Para mim, a alta costura é romântica pela sua própria essência. Há tanto amor em cada uma destas silhuetas", concluiu Viard.
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.