×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
21 de out. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Chanel aposta na economia circular com Atelier des Matières

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
21 de out. de 2022

A economia circular e o upcycling estão cada vez mais no centro das atenções na indústria do luxo. Enquanto que a LVMH lançou o Nona Source em 2021, um site de revenda dos seus stocks de tecidos e materiais, a Chanel iniciou o Atelier des Matières há quatro anos, através de um modelo de transformação circular ligeiramente diferente, que trabalha na recuperação e revivificação de materiais não utilizados, bem como de produtos manufaturados não vendidos ou não utilizados dos sectores da moda e do luxo.
 

O diretor de Desenvolvimento Sustentável e Transformação, Eric Dupont - Chanel


A ideia desde o início foi criar uma empresa aberta a todas as marcas de luxo e premium, oferecendo-lhes a oportunidade de renovar os seus restos, em termos de tecidos, materiais, produtos acabados ou semiacabados, com o apoio do departamento de investigação e desenvolvimento da Chanel em Paris, onde oito a 10 pessoas trabalham neste projeto. Localizado em Le Meux, na região de Oise, num antigo local logístico do grupo, o Atelier des Matières emprega atualmente 35 pessoas, incluindo uma equipa de "avaliadores" encarregados de encontrar soluções de segunda vida para os objetos recolhidos.
 
O Atelier des Matières recolhe produtos de pronto-a-vestir, artigos de couro e pequenos artigos em pele, calçado em fim de vida, mas também materiais não utilizados, tais como fios e têxteis, correntes ou peças metálicas, botões e punhos, couro e peles, que irá separar, desmontar, extrair e depois transformar "em materiais reciclados de qualidade, confiando na rastreabilidade completa dos recursos que lhe são confiados, bem como na confidencialidade e segurança da sua cadeia de transformação responsável", diz a empresa.

"Trabalhamos ou em circuito fechado, como um subcontratante, para recuperar um material de um cliente e devolvê-lo uma vez transformado, ou em circuito aberto, quando nos são confiados produtos, que iremos renovar e depois oferecer a outros clientes", explica Eric Dupont, diretor de Desenvolvimento Sustentável e Transformação da Chanel, que dirige a empresa desde 2020.

Este engenheiro por formação está com o grupo há 11 anos. Dirigiu nomeadamente a divisão Manufactures de Mode, que supervisiona os fabricantes e fornecedores da Chanel, particularmente em Itália. A sua missão no Atelier des Matières é semelhante a uma espécie de serviço à medida, com encomendas frequentemente acompanhadas de projetos-piloto.

O Atelier des Matières micronizou, assim, alguns retalhos de bolsas de couro da Chanel, com o apoio da start-up Authentic Material de Toulouse (da qual o grupo de luxo é acionista, nota do editor), para transformá-los em agregados de materiais usados ​​nas partes ocultas de sapatos. Outro exemplo, o couro foi reciclado para criar cabos de facas.


A criação de Sini Saavala, que ganhou o prémio Atelier des Matières no Festival de Hyères - © Étienne Tordoir


"Criámos também um sector de embalagem. E gostaria de desenvolver parcerias com intervenientes fora da indústria da moda", diz Eric Dupont, que sublinha o enriquecimento mútuo entre o prestador de serviços e os seus clientes, que "também aprendem connosco", e as muitas possibilidades disponíveis neste campo de reutilização e reciclagem.

"Como é que posso, científica, técnica e humanamente, pôr em prática os meios para quebrar os códigos de circularidade, para tornar algo qualitativo que seja ao mesmo tempo acessível? Esse é o grande desafio", diz.

Se a Chanel foi o seu principal cliente no início da aventura e continua a apoiar a empresa através das suas estruturas e da sua unidade de investigação e desenvolvimento, o Atelier des Matières tem agora oito clientes. Mesmo que, como o diretor admite, o negócio ainda não seja rentável. "É evidente que deve haver uma economia por detrás, que o processo posto em prática torna o projeto rentável. De momento, não estamos a ganhar dinheiro com todos os casos que tratamos", confidencia.
 
Até agora, o Atelier des Matières foi mantido confidencial, mas recentemente viu-se na ribalta durante o Hyères Festival, como parceiro do concurso com um prémio dedicado inaugurado nesta 37.ª edição. A empresa forneceu aos 10 finalistas na categoria da moda materiais para criar uma silhueta e premiou a estilista finlandesa Sini Saavala. Esta é uma forma da empresa ganhar visibilidade e dar-se a conhecer a novas gerações de estilistas, potenciais clientes futuros.
 

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.