×
Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
18 de jun de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Chanel espera forte recuperação da atividade em 2021

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
18 de jun de 2021

Após ver a sua faturação de 2020 impactada pela crise do coronavírus COVID-19, a Chanel prevê um crescimento de vendas de dois dígitos este ano, como informou o diretor financeiro da marca de luxo na terça-feira (15 de junho).  


AChanel prevê um crescimento de vendas de dois dígitos este ano - Photo d'archives / Reuters / Eric Gaillard


As vendas da maison Chanel – conhecida principalmente pelas suas jaquetas de tweed e bolsas acolchoadas – atingiram 10,1 mil milhões de dólares (8,3 mil milhões de euros) no ano passado, uma redução de 18% à taxa de câmbio constante, superior à queda observada entre alguns concorrentes. A faturação da número 1 do luxo mundial, LVMH,  caiu 16% em 2020, enquanto que a da Hermès caiu apenas 6%.

“Registamos um crescimento de vendas de dois dígitos, desde o início do ano, em comparação com 2019 e não vemos motivo para essa tendência mudar”, disse o diretor financeiro da Chanel, Philippe Blondiaux, à Reuters. A China e os EUA são os principais responsáveis ​​por essa recuperação, que, segundo Blondiaux, deve continuar.


Film Haute Couture PE 2021 - Chanel


“Fomos além do que alguns chamam de 'compra de vingança', acreditamos que é um momento profundo e duradouro, que pode não ser verdade para todos os participantes da indústria de luxo, mas que é para as grandes marcas que continuaram a investir como nós”, acrescentou Blondiaux.

Em 2020, a Chanel, um dos maiores players do mercado, investiu a considerável soma de 1,36 mil milhões de dólares para apoiar as suas atividades, disse Philippe Blondiaux. A forte recuperação observada desde outubro do ano passado espalhou-se a partir da categoria de moda para a de joias finas, incluindo produtos para a pele. Mas a faturação da importante atividade de perfumes e maquilhagem – que depende fortemente das vendas de produtos duty-free – permaneceu estável em relação a 2019.

Apesar de ter sido obrigada a fechar as suas lojas para limitar a disseminação do coronavírus, a Chanel continuou a sua estratégia de longa data de não vender moda, relógios e joias online. A marca, que vende apenas cosméticos e perfumes pela internet, também informou que as vendas online nessas categorias aumentaram 113% em 2020 e 57% desde o início do ano.

Philippe Blondiaux disse que a regra básica da Chanel de manter 80% das compras localmente, em vez de depender das compras turísticas, agora é uma realidade na China e em muitos países asiáticos.

A crise da saúde, que evidenciou o fosso entre as marcas de luxo mais fortes e mais frágeis, pode acelerar a consolidação do setor, afirmou Blondiaux, acrescentando, no entanto, que o grupo dos irmãos Alain e Gérard Wertheimer não tem ambições no que diz respeito a fusões e aquisições.
 
“A Chanel não participará dessa consolidação, nem como target nem como compradora. Não vamos participar ”, concluiu.

Por Silvia Aloisi (Milão), versão francesa por Laetitia Volga, edição por Jean-Michel Bélot (Reuters).

© Thomson Reuters 2021 Todos os direitos reservados.