×
326
Fashion Jobs
LOJA DAS MEIAS
Retail Area Manager
Efetivo · LISBOA
ADIDAS
Senior Project Manager - Fulfilment Programs (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Scm Products - Product Supply / Fulfillment (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Operations Specialist (M/F/D) - HR Services
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Gbs HR Services (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Procurement Manager (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Sap sd (Afs & s4/Hana) (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Scm Products - Product Supply Primary Data (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Supply Chain Management Products - Tms Integration (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Planning Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Project Manager Supply Chain (M/F/D)
Efetivo · Porto
SALSA
Marketplaces Account Manager - Oportunidade de Contrubuir Para a Internacionalização da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Apo/Ibp (Snp) Consultant (F/M/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Hcm/sf Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Sac/bw-ip/Fico (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Consultant - Sac/bw-ip/Fico (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Controlling & Reporting - Brand Operating Overheads (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Controlling & Reporting - Group Functions Controlling Legal (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Controlling & Reporting - Marketing Working Budget (M/F/D)
Efetivo · Porto
Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
22 de jun. de 2018
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Chanel finalmente revela resultados e está perto dos 10 mil milhões de dólares

Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
22 de jun. de 2018

Paris (Reuters) -  Nesta quinta-feira (21), a Chanel revelou, para surpresa de todos e pela primeira vez na sua história, os seus resultados financeiros, que colocam a célebre marca francesa entre as principais marcas de luxo do mundo. Esta decisão inesperada por parte de um grupo que sempre manteve os seus dados em segredo "é um momento histórico para a Chanel", reconheceu Philippe Blondiaux, diretor financeiro da empresa, em entrevista à Reuters. "Percebemos que a nossa cultura de discrição já não nos servia. Esta publicação permitirá que os comentadores tenham números precisos sobre a saúde financeira da Chanel", acrescentou.


Arquivo - REUTERS/Eric Gaillard


Ao ser questionado sobre se esta divulgação poderia preceder um possível IPO ou uma entrada em Bolsa, Philippe Blondiaux disse que "de forma alguma isso está previsto". “Pelo contrário, estes números mostram que temos todos os meios para permanecer como estamos. Uma sociedade incrivelmente sólida (...) que pode permanecer independente e privada pelos próximos cem anos", disse ele.

O grupo, apoiado pela marca criada em 1910 por Coco Chanel e conhecida mundialmente pelas suas carteiras matelassé e pelo perfume N ° 5, alcançou uma faturação de 9,62 mil milhões de dólares em 2017, um aumento de 11,5% em dados comparáveis e de 11% a taxas de câmbio constantes, de acordo com um comunicado divulgado na quinta-feira.

Assim como os seus concorrentes, a marca beneficia de um contexto favorável ao luxo, impulsionado em particular pelo apetite dos jovens chineses. Mas, ao contrário dos seus pares, a marca continua distante do comércio eletrónico - em relação à sua moda e aos seus artigos de couro - que impulsiona algumas das vendas do setor. Na Gucci (que pertence ao grupo Kering), que tem como objetivo ultrapassar o grupo Louis Vuitton (LVMH) como a principal marca de luxo do mundo, o comércio online pode vir a representar 10% das suas vendas.

Remodelação do conselho

A Chanel não divulgou os resultados detalhados dos seus cosméticos, artigos de moda e couro, e joias e relógios, mas com quase 10 mil milhões de dólares (8,3 mil milhões de euros), está perto da Louis Vuitton, cujas vendas são estimadas em mais de oito mil milhões de euros. A receita operacional aumentou 22,5% em 2017 para 2,69 mil milhões de dólares, com uma margem operacional de 28%, e o lucro líquido aumentou 18,5%, para 1,79 mil milhões de dólares. 

O grupo gerou um fluxo de caixa livre de 1,63 mil milhões de dólares, um aumento de 5,7%, e a sua dívida financeira líquida foi de 18 milhões de dólares no final de 2017. Cerca de 1,46 mil milhões de dólares foram destinados à publicidade e promoção (+ 14,5%), enquanto 429 milhões (+ 10%) foram investidos em lojas e ferramentas tecnológicas. Esse valor deve duplicar em 2018, disse Philippe Blondiaux.

A Chanel, cuja comunicação até agora se concentrou nos produtos e na criatividade das suas coleções, dirigidas há 35 anos pelo ícone da moda mundial Karl Lagerfeld, não fala, no entanto, sobre a sucessão do seu emblemático diretor artístico, que tem mais de 80 anos de idade. O grupo pertence aos muito discretos irmãos Alain e Gérard Wertheimer, que têm 69 e 68 anos, respetivamente, e cuja fortuna foi avaliada em 21 mil milhões de euros em 2017 pela revista Challenges.

Os números divulgados na quinta-feira são os dados consolidados das entidades do grupo no mundo todo e incluem a marca de lingerie e moda praia Erès, bem como vinhas em França e na Califórnia. O grupo simplificou as suas estruturas em 2017 e os irmãos Wertheimer, cujos filhos não trabalham na empresa, renunciaram ao conselho de administração no ano passado. Questionado sobre essa saída, Philippe Blondiaux simplesmente alegou “motivos pessoais”, mas acrescentou que Alain Wertheimer continua a ser o diretor geral do grupo.

© Thomson Reuters 2022 All rights reserved.