×
371
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Chanel investe em startup de biomateriais inovadores

Por
AFP-Relaxnews
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 11 de jun de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A empresa francesa de moda Chanel adquiriu uma participação minoritária na Evolved by Nature, que tem sede em Boston, de acordo com vários relatos da imprensa. A empresa química eco-friendly inventou uma forma de usar seda líquida na criação de têxteis de alto desempenho como uma alternativa natural aos produtos químicos tóxicos que são normalmente utilizados no processo.


Chanel - Coleção Cruise 2020 - Moda Feminina - Paris


A empresa de biomateriais está supostamente a negociar com outras empresas de luxo para possíveis colaborações. "Há um enorme interesse geral em quase todos os segmentos, do luxo ao desempenho, e também produtos domésticos", disse Greg Altman, CEO da Evolved by Nature, à Business of Fashion.

"Esta colaboração permitirá à Chanel explorar materiais inovadores, bem como melhorias mecânicas e óticas de diferentes tecidos, em linha com a ambição da Chanel de criar constantemente materiais excecionais de qualidade única. A novidade faz parte da estratégia da empresa de investir em tecnologia verde", disse a Chanel em comunicado, segundo a WWD.

Esta é a mais recente ação da Chanel em prol do meio ambiente. A empresa anunciou em dezembro do ano passado que não irá mais usar peles de animais exóticos como lagarto, crocodilo e cobra nas suas coleções. O presidente da divisão de moda da Chanel, Bruno Pavlosky, atribui às grandes dificuldades em obter esses materiais de forma ética como a razão para esta mudança.

O interesse da Chanel num processo de produção de moda mais correto é  também uma tendência para outras marcas. No último Copenhagen Fashion Summit, realizado em maio, a gigante da tecnologia Google anunciou uma colaboração com a designer britânica Stella McCartney para usar a análise de dados e a aprendizagem de máquina no Google Cloud para dar às marcas uma visão mais abrangente das suas cadeias de abastecimento e permitir que estas meçam com mais precisão o seu impacto ambiental.

Copyright © 2019 AFP-Relaxnews. All rights reserved.