×
Por
EFE
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
23 de jan. de 2023
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Chanel transforma utensílios de costura em relógios exclusivos

Por
EFE
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
23 de jan. de 2023

A Chanel apresentou esta segunda-feira, no âmbito da Alta Costura de Paris, uma edição limitada de cinco relógios que imitam a almofada de alfinetes das costureiras e que, no seu interior, são bordados com os utensílios das “mãos” que fazem a moda.


A coleção Mademoiselle Privé Pique-Aiguilles - Chanel


Trata-se de uma coleção exclusiva com vinte peças por modelo, criada por Arnaud Chastaingt, diretor do estúdio de relojoaria da marca.
 
Com estes relógios, a maison comemora também a reabertura da sua famosa joalharia na exclusiva Place Vendôme, em Paris. A boutique esteve fechada durante um ano para obras e foi renovada com um interior de paredes douradas e pretas, uma impressionante escadaria com esculturas de madrepérola e um tapete de tweed.

Entre os três pisos foi também construído um mezzanino com vista para a famosa praça dos joalheiros, cheia nesta Semana da Moda com os novos relógios da marca. A renovação do edifício ficou a cargo do arquiteto americano Peter Marino, especializado em edifícios de luxo.
 
Entre os cinco modelos do relógio "pique-aiguilles", nome francês da pulseira com almofada que as costureiras colocam nos pulsos para colocar as agulhas, os preços variam entre os 100 mil e os 200 mil euros.
 
A particularidade destes relógios em ouro de 18 quilates é o seu mostrador largo e plano, mas visto de perfil nota-se que é abaulado, como uma almofada.
 
No interior, Chastaingt incluiu alguns dos motivos mais reconhecidos do atelier da rue Cambon, onde Coco Chanel instalou a sua empresa. Para marcar o tempo, dois pequenos ponteiros com um diamante ao centro, enquanto o fundo do mostrador é decorado com o padrão de um casaco de tweed e uma tesoura em miniatura, um laço dourado com flores de camélia, a mítica bolsa Chanel 2.55 com a sua alça em corrente e até um bordado de diamantes.
 
Uma trabalho interior que enaltece os Métiers d'Art, os ateliers que a Chanel reuniu nos últimos anos para recuperar e manter o talento dos artesãos que realizam tarefas muito precisas, mas essenciais para a maison e para o savoir-faire francês.
 
O design fica completo com uma bracelete preta simples, com o tecido usado pela marca no seu modelo de sapato mais conhecido, o "slingback", bicolor e rebaixado.
 
A edição limitada foi apresentada durante as Alta Joalheria, paralelamente aos desfiles da Alta Costura, que acontece em Paris até quinta-feira.

© EFE 2023. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.