×
354
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
FARFETCH
Account Manager (Italian Speaker)
Efetivo · PORTO
LION OF PORCHES
Copywriter
Efetivo · MINDELO
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
FAÇONNABLE (RETAIL)
Vendedor/a - 40h - Freeport
Temporario · ALCOCHETE
HACKETT LONDON (RETAIL)
Vendedor/a - Part Time - Outlet Freeport
Temporario · LISBOA
CONFIDENCIAL
Subgerente de Loja Shopping Center Lisboa Inicio Imediato (m/f)
Temporario · LISBOA
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
25 de fev. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

China: o primeiro país onde o retalho online supera o físico

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
25 de fev. de 2021

A China deve tornar-se o primeiro país do mundo com vendas de comércio eletrónico a ultrapassarem as vendas em lojas físicas, segundo um estudo da empresa de pesquisa de mercado, eMarketer, que analisou dados quantitativos e qualitativos de empresas de pesquisa, agências governamentais, empresas de media e empresas públicas, e também entrevistou altos executivos de editoras, compradores de anúncios e agências. O retalho online deve representar 52,1% de todas as vendas no retalho (em valor) este ano.


Vendas online chinesas aceleram - Photo: athree23/Pixabay


De acordo com a eMarketer, as vendas online chinesas devem acelerar acentuadamente dos 44,8% do total alcançado em 2020. Atingir esse marco de acima de 50% está fora do alcance de qualquer outro país no momento. O segundo país destacado, a Coreia do Sul, deve atingir apenas 28,9% este ano e 31,6% no próximo. O Reino Unido surge em terceiro lugar, com um retalho online que deve representar 28,3% do total este ano e 28,5% em 2022.

Nos restantes países do top 10, as vendas online representam ou representarão entre 10% e 20% do total este ano e no próximo. Em ordem decrescente, os países são: Dinamarca, Noruega, EUA, Finlândia, Suécia, França e Espanha. Apesar de os EUA estarem um pouco à frente da China em termos de vendas globais de retalho (5,506 biliões de dólares em 2021, em comparação com 5,130 biliões em 2020), a China irá ultrapassar em quase 2 biliões de dólares em comércio eletrónico este ano.

Principais impulsionadores

Então, o que estaria a impulsionar o boom do retalho online na China? Afinal, este é um país que conseguiu reabrir o seu retalho físico antes de muitos outros países devido ao sucesso na contenção da pandemia. Isso significa que não era esperado que o retalho online acelerasse tanto. 

Segundo a eMarketer há vários fatores por trás do boom. Um é o comércio social. A estimativa é que este tenha crescido 44,1% na China o ano passado e cresça mais 35,5% este ano, atingindo 363,26 mil milhões de dólares. Nos EUA, o comércio social deve alcançar apenas 36,09 mil milhões de dólares este ano.

Os "Mini Programs" do WeChat se tornaram "omnipresentes", uma vez que a aplicação da Tencent está na China há quase uma década. Mas foi “apenas recentemente que a sua interface começou a facilitar o comércio eletrónico de terceiros”, de acordo com o eMarketer. “Os 'Mini Programs’ permitem que as empresas aproveitem melhor a base de usuários do WeChat e provaram ser extremamente populares entre os comerciantes e consumidores”.

O Pinduoduo (PDD) também impactou, já que o "fenómeno inovador de rede social de compra em grupo saltou de 0,5% do mercado em 2016 para 13,2% do e-commerce da China este ano". O PDD "desbloqueou a participação do comércio eletrónico rural da China de forma mais eficaz do que qualquer outra plataforma".

A transmissão ao vivo também teve um grande impacto, especialmente combinada com a atividade de comunicação social em plataformas centradas em vídeo, com a Douyin sendo muito importantes na região.

E, claro, não devemos ignorar o coronavírus COVID-19, embora a China tenha suprimido a ameaça muito mais rapidamente do que qualquer outro país (e a sua economia esteja a operar quase normalmente por quase três trimestres consecutivos), o comportamento do consumidor ainda foi afetado. 

E o e-commerce não deve desacelerar. A eMarketer prevê um crescimento de 11% nas vendas online no próximo ano e espera que a barreira de 3 biliões de dólares nas vendas de e-commerce seja ultrapassada em 2022.

Lojas físicas

Então, o que tudo isto pode significar para o retalho físico no país? Bem, talvez não seja tão doloroso quanto em alguns mercados, visto que o retalho ainda é muito menos desenvolvido em grandes partes do país. A eMarketer não adianta muito sobre o assunto, mas os maiores problemas devem ser vistos provavelmente na Europa e na América do Norte.

O Reino Unido viu uma devastação física no retalho o ano passado, com redes populares a desaparecerem das ruas, empregos eliminados e grande número de espaços disponíveis no retalho a causarem prejuízo para o setor imobiliário. Algo que os retalhistas do Reino Unido poderiam estar à espera, mas não a esta velocidade. Mudanças que poderiam levar uma década ou mais para acontecer foram vistas numa questão de meses por causa da pandemia. É provável que outros mercados possam ver um declínio semelhantes nas lojas físicas, mas espalhado por um longo período. 
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.