×
303
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
PEPE JEANS (RETAIL)
Vendedor / Vendedora - Coimbra
Efetivo · COIMBRA
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa - CDI - Part-Time - 30h - m/h
Efetivo · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Madeira Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Funchal Rua - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Alma Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Coimbra
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendedor(a) - CDD 15h - 6 Meces - Porto Norte H/F
Temporario · SENHORA DA HORA
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
27 de fev. de 2018
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Christian Dior traz o melhor de '68

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
27 de fev. de 2018

A habilidade da moda para prever o futuro e prever mudanças sociológicas foi evidente na divertida e vibrante última coleção de Maria Grazia Chiuri para a Dior. Como a designer está acostumada a fazer desde que chegou à marca, desta vez voltou a mostrar a sua postura feminista com estilo e celebrou os direitos das mulheres. Uma mensagem que, com as suas coleções anteriores e para o seu orgulho, previu o movimento social mais importante dos últimos 12 meses, o "Me Too".
 

Christian Dior, outono-inverno 2018 - Pixelformula


O seu look de abertura já dizia tudo: uma modelo com uma saia xadrez de comprimento médio, com botas mecânicas e uma sweater de lã branca, no qual estava escrito "C'est Non Non Non et Non" ("É não, não, não, e não", em francês), a exigência mais genuína do movimento "Me Too", que ressalta que quando as mulheres dizem "não", realmente é "não" que querem dizer.

De peças de militantes feministas até chapéus de capitão, passando pelas calças masculinas e os óculos de sol vermelhos estilo estrela de rock, esta coleção mostrou as mulheres a usufruir e até a vangloriarem-se da sua independência. Uma independência alcançada também graças às suas mães e tias nos anos 60, como lembrou o cenário maravilhoso do desfile, cortesia de Alex de Betak.

Havia uma colagem gigantesca, de 80 metros de comprimento, com capas da Vogue e da Harper's Bazaar, posters de "girl power” e imagens de marchas de protesto com mensagens em inglês, italiano e francês. Algumas das que tinham maior destaque eram "Attenzione, parole libere" ("Atenção, liberdade de expressão"), em italiano, ou "La Beauté est dans la rue" (“A beleza está na rua"), em francês. Havia também algumas fotos em preto e branco selecionadas dos arquivos de Dior e datadas de 1966, a mostrar um grupo de mulheres em frente a uma loja da Dior a segurar cartazes com os dizeres "Miniskirts Forever!” ("minissaias para sempre!”), e "Dior Unfair to Mini Skirts!” (“Dior, injusta com as minissaias!”). A mensagem foi claramente ouvida pela maison na época pois, depois disso, o diretor criativo Marc Bohan decidiu lançar a Miss Dior, uma coleção mais jovem de prêt-à-porter que trouxe mais frescor à marca de alta costura.

"Isso aconteceu numa época que Diane Vreeland batizou como youth-quake (algo como terremoto dos jovens) e que, de alguma forma, mudou o mundo nos anos sessenta. Foi um movimento em Inglaterra e em França que se espalhou, quebrou as antigas regras e revolucionou a moda. E acredito que estamos a ver exatamente o mesmo hoje através das redes sociais. A próxima geração também quer mudar e melhorar o seu mundo!”, explicou Maria Grazia Chiuri num backstage lotado.

Chiuri também vestiu algumas modelos com sweaters com estampados "Ban the Bomb”, contra as bombas, e ponchos arty esquerdistas. Além disso, a maioria das suas modelos usou chapéus que poderiam ser associados a Lenin ou Jeremy Corbyn, mas talvez não às compradoras tradicionais da Dior.

As mulheres Dior da designer italiana gostam de se divertir. É por isso que esta levou à passarela boleros e vestidos funky com patchwork, fatos em couro de pele cordeiro, e muitos looks transparentes, como vestidos de chiffon vermelho estilo flamenco, e vestidos em renda branca transparente de estilo vitoriano. Uma mulher precisaria de estar em forma para usar muitos destes vestidos. E pensar que costumavam insistir que a gordura também é uma questão feminista…
 
Merecem destaque as belas mantas ou vestidos de crochet, e lindos vestidos de flores ajustados com grandes cintos de couro com fivelas com enormes letras D, que marcaram presença em metade da coleção.

A banda sonora capturou perfeitamente o espírito livre do desfile, pois incluiu uma série de músicas de Kate Bush. "Ela é a mulher mais poderosa da música. Esta é a razão pela qual está a tocar neste desfile", disse o DJ Michel Gaubert, responsável por tocar as faixas musicais.
 
O desfile também anunciou a mudança de controlo na direção da Dior, com Pietro Beccari sentado na primeira fila como o novo CEO da marca, em frente ao seu antecessor, Sidney Toledano, e ao seu sucessor no seu antigo trabalho, Serge Brunschwig, o novo CEO da Fendi
 
Maria Grazia Chiuri saiu para saudar o público rodeada por uma onda de aplausos fortes, a recepção mais barulhenta desde que entrou na marca. No entanto, não se pôde deixar de observar que o patrono da Dior e o homem mais rico da França, Bernard Arnault, se ausentou.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.