×
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
25 de out. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Cidadã americana processa L'Oréal e alega que produtos capilares da marca francesa provocam cancro

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
25 de out. de 2022

Uma americana que desenvolveu cancro do útero após usar produtos químicos de alisamento capilar vendidos pela L'Oréal USA entrou com um processo contra a empresa. Jenny Mitchell disse no processo civil que usou os produtos da marca durante mais de duas décadas, o que levou ao cancro do útero que a obrigou a submeter-se a uma histerectomia.


Cidadã americana processa a L'Oréal e alega que os produtos capilares da marca francesa provocam cancro - L'Oreal


O processo divulgado na sexta-feira (21 de outubro), pelo advogado de Jenny Mitchell, ocorreu poucos dias após a publicação de um estudo no Journal of the National Cancer Institute, estabelecendo uma ligação entre o uso de produtos químicos para alisamento capilar e o cancro do útero.

O estudo identificou que as mulheres que usam os produtos mais de quatro vezes por ano tinham duas vezes mais possibilidade de desenvolver cancro do útero do que aquelas que não usam os produtos.

O cancro do útero é relativamente raro, mas a sua incidência está a aumentar nos Estados Unidos, especialmente entre mulheres afro. "As mulheres afro são há muito tempo vítimas de produtos perigosos comercializados especificamente para elas", disse Ben Crump, o advogado de Mitchell, em comunicado.

A ação civil pede uma indemnização da filial americana da gigante francesa de cosméticos L'Oréal, entre outras empresas. "Provavelmente descobriremos que o trágico caso de Mitchell é um dos inúmeros em que empresas enganaram agressivamente as mulheres afro para aumentarem os seus lucros", acrescentou Crump.

A L'Oréal ainda não comentou publicamente o assunto.
 

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.