Cinco empresas portuguesas ajudam sustentabilidade da C&A

A Estrilia Confecções Lda, a Fábrica de Peúgas Remigio Pereira Pinto & Filhos, a Gonçalves & Matias SA, a Poder de Criação LDA e a XHM Têxteis Lda são as cinco empresas portuguesas que integram a vasta cadeia de fornecimento da C&A que abrange mais de 1 milhão de pessoas empregadas através de 757 fornecedores globais que gerem mais de 2000 unidades de produção a nível de fornecedores diretos e de segundo grau.


A informação consta do Relatório Global de Sustentabilidade da C&A, empresa de moda global com origem na Holanda, que regista um forte desempenho em direção aos seus objetivos de sustentabilidade para 2020.

“O nosso progresso em 2017 é um resultado direto de como a sustentabilidade está enraizada nas nossas organizações comerciais. A sustentabilidade é uma parte importante de como criamos e obtemos a matéria-prima para as nossas coleções, ao garantir que foram fornecidas e produzidas de forma a respeitar as pessoas, os animais e o ambiente,” afirma Jeffrey Hogue, diretor de sustentabilidade global da C&A.

Dados os impactos da produção de matérias-primas, a C&A está comprometida com o fornecimento de dois terços dos materiais de mais fontes sustentáveis até 2020. Atualmente, mais de 65% do algodão da C&A é algodão orgânico certificado ou fornecido pela Better Cotton, tendo subido dos 53% em 2016.

A C&A continua a ser o principal comprador de algodão orgânico. Mais de 44% das matérias-primas usadas nas coleções atuais da empresa – como algodão, viscose e poliéster – provêm de fontes mais sustentáveis.

Na Europa e China, a C&A deu um passo ousado em se comprometer com a obtenção de 100% das fibras celulósicas artificiais, de fornecedores que têm práticas implementadas de evitar que produtos de florestas antigas ou ameaçadas entrem na cadeia de fornecimento. A empresa também introduziu recentemente os seus primeiros produtos de nylon reciclado: lingerie certificada segundo o Global Recycled Standard.

Até ao momento a C&A trouxe para o mercado mais de 1,3 milhões de artigos com certificação Cradle to CradleTM (C2C) a nível global, mantendo a coleção mais sustentável atualmente no mercado a esta escala.

“O programa de certificação Cradle to Cradle dá a visão para a nossa estratégia de economia circular. Através do fornecimento de peças de roupa com Cradle to Cradle GOLDTM estamos a disponibilizar as primeiras coleções na indústria que são produzidas com elevados padrões sociais, 100% materiais seguros e não tóxicos, 100% energia renovável, 100% água reciclada e onde cada artigo é criado para a sua próxima vida,” afirma Hogue.

A C&A é uma das empresas de moda a divulgar todas as suas emissões de gases de efeito estufa e consumo de água. Em 2017, a C&A reduziu a pegada de carbono em 15% e pegada hídrica em 14%. E anunciou o objetivo de reduzir ainda mais o uso de água na produção de matérias-primas. A empresa também está empenhada em criar ‘Science Based Targets’ para reduzir o impacto nas alterações climáticas.

A C&A deu o primeiro passo para aumentar a transparência da cadeia de fornecimento já no seu relatório de 2015 com a divulgação dos nomes e moradas das fábricas dos fornecedores diretos e adicionou os fornecedores de segundo grau o ano passado.

Através de uma ferramenta disponível online, cada cliente C&A pode facilmente identificar as fábricas onde os produtos da C&A são fabricados. E aí que são identificadas as cinco empresas portuguesas que contribuem para melhorar a política de sustentabilidade da empresa holandesa.

Copyright © Jornal T. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirIndústria
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER