Coindu Couture investe 1,3 milhões nos Arcos de Valdevez

A Coindu Couture está a investir 1,3 milhão de euros numa nova fábrica em Arcos de Valdevez que deverá estar operacional até ao final do corrente ano, terá uma área coberta de 2 800 metros quadrados e está previsto empregar 450 trabalhadores, quando estiver em velocidade cruzeiro.

Bolsas Josefinas

“Estamos a aumentar a capacidade instalada para podermos fazer face ao aumento da procura e alargamento da carteira de clientes”, explica Kenneth Huysentruyt, head of sales da Coindu.

Criada em 2014 para responder às necessidades de uma famosa marca francesa de malas de luxo (para quem fabrica cerca de 300 componentes) a Coindu Couture tem ganho novos clientes, como a Josefinas (na foto) e a Mateo, com quem desenvolve, em parceria, e produz as linhas de carteiras, malas e outros acessórios – e está trabalhar propótipos para marcas como Âme Moi.

O cliente inicial francês valeu cerca de 80% dos 2,7 milhões de euros faturados o ano passado pela Coindu Couture, mas o seu peso no volume de negócios será progressivamente menor este ano.
João Esteves, presidente da câmara de Arcos de Valdevez, visitou o local da nova fábrica, no Parque Empresarial das Mogueiras, tendo na ocasião manifestado ao responsáveis da Coindu Couture a total disponibilidade e apoio da autarquia ao desenrolar das obras.

A Câmara dos Arcos afirma ter reforçado um conjunto de incentivos à economia, dos quais se destacam a isenção de derrama, a redução de IMI e IMT, e nota que a Coindu, “tal como outros, tem contribuído para a criação de emprego e fixação de população, bem como para a melhoria da qualidade de vida das pessoas”.
Com o seu centro de gravidade em Joane (Famalicão), onde nasceu em 1988, a Coindu começou por fabricar assentos para a indústria automóvel, sendo fornecedora directa de marcas como a BMW, Audi, Porsche e Renault. Recentemente, como há dias noticiou o T, ganhou o concurso internacional para o fornecimento dos assentos do Lamborghini Urus, o primeiro SUV a marca.

A Coindu conta actualmente com cinco mil trabalhadores, espalhados por quatro unidades industriais, em três países – Portugal (Joane e Arcos de Valdevez), Roménia (inaugurada em 2005) e México (aberta em 2015, para acompanhar e fornecer uma fábrica criada neste país pela Audi para o modelo Q5) – e tem um volume de negócios de 280 milhões de euros, que faz dela a maior empresa portuguesa do sector têxtil.

Nos últimos anos, diversificou a actividade, através da compra da Hewa Leder (nos arredores de Dresden, na Alemanha) e da criação da Coindu Couture, que começou a laborar há cerca de dois anos em Arcos de Valdevez, onde emprega actualmente 120 pessoas e planeia fechar o ano com um volume de negócios de 3,5 milhões de euros.

Copyright © Jornal T. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirIndústriaNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER