×
307
Fashion Jobs
Por
Agência LUSA
Publicado em
2 de dez. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Compras online de bens e serviços cresceram 36,2% em 2021 para 10 mil milhões de euros

Por
Agência LUSA
Publicado em
2 de dez. de 2022

As compras online de bens e serviços cresceram 36,2% em Portugal em 2021 face ao ano anterior, para 10 mil milhões de euros, segundo as conclusões do ‘CTT e-Commerce Report 2022’, divulgado a 30 de novembro.


Alto Nivel


De acordo com o relatório, cerca de cinco milhões de adultos fizeram compras online em 2021, mais meio milhão que no ano anterior, “reduzindo o gap de adesão das compras online dos consumidores portugueses face aos países mais desenvolvidos da Europa”.

No que apenas à compra de bens diz respeito, o volume terá sido superior a 5.500 milhões de euros.
O documento, apresentado na quarta-feira na conferência CTT e-Commerce Day, refere que estas tendências levaram as empresas a “apostar cada vez mais” nestes segmentos, “desviando os seus investimentos publicitários e oferecendo uma experiência de compra online cada mais conveniente”.

O crescimento do comércio online foi acelerado pela pandemia da covid-19, que “gerou um enorme desafio para as marcas, que repensaram toda a sua estratégia” digital.

Em média, os consumidores fizeram 20,6 compras online de produtos físicos, sendo que 73% compram na internet pelo menos uma vez por mês e 13% todas as semanas. O valor médio de compras foi de 54,50 euros, o que resulta num valor anual médio de 1.122 euros, mais 12,6% que em 2020.

Entre os principais motivos para as compras online estão a facilidade de compra (68,2%), a possibilidade de comprar a qualquer hora (61,4%), promoções (60%) e o preço mais baixo nas plataformas digitais (55,8%).

As principais categorias procuradas foram vestuário e calçado (73%, mais 4,9 pontos percentuais que em 2020), seguindo-se equipamentos eletrónicos e informáticos e higiene e cosmética.

No campo dos vendedores, quase metade (48,6%) esperam um aumento das vendas online no próximo ano, sendo que 15,7% “perspetivam diminuição das vendas online, justificada pela reabertura das lojas físicas”.

“As estimativas para 2022 apontam para uma ligeira subida do total do valor das compras online, alicerçado sobretudo pela venda de serviços, com um ajustamento em baixa na venda do consumo de produtos, devido à reabertura sem limitações dos espaços comerciais este ano (ao contrário do que tinha acontecido em 2021)”, referem os CTT em comunicado que acompanha o relatório.

O estudo resultou de um conjunto de inquéritos telefónicos feitos a compradores online (500) e retalhistas com venda online (70), bem como de 13 entrevistas presenciais a retalhistas com recurso a estes mecanismos.

JO // EA (Lusa)

Copyright © 2023 Agência LUSA. Todos os direitos reservados.