×
302
Fashion Jobs
DIRETOR(A) INDUSTRIAL
Diretor(a) Industrial
Efetivo · MONACO-VILLE
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
PEPE JEANS (RETAIL)
Vendedor / Vendedora - Coimbra
Efetivo · COIMBRA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Madeira Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Funchal Rua - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
7 de fev. de 2022
Tempo de leitura
7 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Copenhagen Fashion Week: festa da moda entre influencers

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
7 de fev. de 2022

Podemos dizer que a Copenhagen Fashion Week (CFW), que terminou na noite de quinta-feira (3 de fevereiro), é indiscutivelmente tão famosa pelas suas fotografias de estilo de rua como pelos verdadeiros desfiles e marcas em exposição. No entanto, a julgar pelos desfiles desta semana, o seu papel principal parece ter sido o de uma festa entre os jovens influencers.


(di)vision - outono-inverno 2022 - Foto: Division/ Instagram - Photo: Division/ Instagram


Não podemos culpar os designers pela falta de esforço ou de entusiasmo, mas a julgar pelos desfiles desta semana, há uma razão pela qual a fotografia dos convidados fora dos shows é mais seguida nas redes sociais do que aquelas das modelos nas passerelles. A qualidade dos shows e das marcas foi altamente variável.
 
Houve um pequeno grupo de fortes desfiles – nomeadamente da Soeren Le Schmidt, (di)vision, Wood Wood e Henrik Vibskov – mas em geral ninguém encontrará nada de especial nesta época na capital dinamarquesa. A maior parte do tempo parecia ter acontecido para entreter influencers e não dirigir-se a retalhistas ou a editores profissionais de moda.

Algumas ideias fortes surgiram – abundantes coletes puffer e acessórios; sapatos peculiares de duas peças; acabamentos industriais; enxadrezados verde sem fim; muitas camadas de roupa survival-chic; e a verdadeira bota enorme. No entanto, a musa da moda não cantou nem encantou com grande cadência na Dinamarca esta semana.
 
Demasiadas vezes, as roupas pareciam cópias pobres de estilistas influentes em Londres, Milão e Paris, todos misturados. Rick Owens em pequenas quantidades; muitos Off/White; elementos da Y-3; uma sopa da JW Anderson e um traço ou dois da Supreme.
 
A noite de abertura na segunda-feira (31 de janeiro) teve duas fortes apresentações, como sejam as da Soeren Le Schmidt e da (di)vision. A primeira foi engenhosamente encenada dentro de um carrossel no interior do destino turístico mais famoso da cidade – Tivoli Gardens.
 

Soeren Le Schmidt



 


Modelos em pose dentro de vários tableaux de conto de fadas, vestindo smokings de tamanho exagerado com foles contrastantes; casacos desportivos em cetim; sobrecasacas fora do ombro e vestidos blazer. Nada de terrivelmente novo, mas pelo menos um grande momento Instagram, que nunca deve ser desdenhado na moda.
 

(di)vision



 


E a melhor nota vai para a (di)vision, que se descreve como uma "marca multi-disciplinar" fundada pelos irmãos Nanna & Simon Wick. Estes deram um duplo golpe dentro do Planetário da capital, primeiro apresentando a sua collab com a Adidas, um NFT chamado The Ozzy Drop, uma espécie de avatar urbano de olhos esbugalhados. Depois, ao digitalizar um código QR para participar num sorteiro de rifas, 10 sortudos fashionistas que assistiam à temporada podiam ganhar uma roupa Ozzy grátis. Para além do vídeo de lookbook insosso, a marca ainda encenou um desfile inteligente e apresentou uma coleção muito forte: incluindo loucos e mega looks coloridos de discoteca, parkas e casacos de espião e excelentes calças de ganga para abraçar a anca.

Samsøe Samsøe



 


E, se quisermos um bom exemplo de dinamarquês cool, então temos a Samsøe Samsøe. Nada muito revolucionário, mas roupas bem feitas, frescas e lisonjeiras. Além disso, fizeram um excelente lookbook em vídeo, ligeiramente claustrofóbico numa espécie de Samuel Beckett modernista, com modelos a desfilarem por um corredor interminável em elegantes tops de mohair de xadrez; vestidos fora do ombro e slip dresses de seda. Na pós-festa da Samsøe Samsøe também houve um fantástico DJ e uma multidão cool e inclusiva, uma festa organizada por uma marca que sabe como tirar a temperatura dos tempos.
 

Wood Wood


Wood Wood - outono-inverno 2022 - Foto: Wood Wood/ Instagram - Photo: Wood Wood/ Instagram


Copenhaga é uma Meca para os participantes, e apresenta frequentemente música ao vivo durante os shows, tal como na Wood Wood, onde dois super DJs acolheram um espaço escuro, ignorado por enormes zepelins iluminados. Uma coleção que incluía casacos gráficos arrojados, em colaboração com artistas locais, mas também camisolas de capuz com calças a condizer, calças mais largas com um ajuste perfeito, e super pulls com torcidos e padrões brisé – metade dos quais distinguia azuis noite. E nesta cidade obcecada por botas, as melhores ideias foram as botas de borracha reforçada, a última palavra em chique e robusto dinamarquês. 
 

Henrik Vibskov



 


Noutro show encenado de forma rápida, Henrik Vibskov mostrou o seu melhor. Historicamente, o primeiro designer indie escandinavo a ser listado no calendário oficial de desfiles de Paris, Vibskov teve sempre uma estética muito específica – arty catching eye. Num antigo armazém com almofadas leves para os joelhos, assistimos ao desfile de fatos em xadrez da Nova Inglaterra habilmente cortados com dhotis; coletes e cocktails acolchoados de samurais; e muitos casacos canelados de lã laranja e xadrez, um usado num modelo veterano, sósia de Jean-Luc Godard. Os modelos também desfilaram em plataformas futuristas com atilhos de corda, onde o dedo do pé e o calcanhar foram fisicamente separados. 
 

Saks Potts



 


Sempre que se lamentava aos habitantes locais sobre a falta de entusiasmo por esta estação, estes tendiam a responder perguntando se tínhamos visto Saks Potts (embora com o seu sotaque dinamarquês o nome soasse mais a Sex Pot). Na verdade, a Saks Potts oferece o que a moda escandinava faz de melhor: corte inteligente, roupa exterior elegante para mulheres confiantes. Cores inteligentes, uma paleta infalível e sentido de gosto modernista – uma coleção profissional e refinada das fundadoras Cathrine Saks e Barbara Potts. 
 

Ganni



 


A maison de moda escandinava mais seguida é provavelmente a Ganni, sediada em Copenhaga e dirigida pela equipa de criação constituída por marido e mulher Ditte Reffstrup (diretora artística) e Nicolaj Reffstrup (o fundador). Sem desfile de moda, mas com o melhor vídeo da estação protagonizado por um cantor local, e inundado de nostalgia dos anos 90 – com casacos de ganga cortados de rockstar e calças largas enfiadas em botas; cocktails de seda azul-água e blusas decotadas. Um pouco mais corajoso do que o look frequentemente inspirado no vitoriano habitual da Ganni, mas em nenhum momento pior. "Há um grande anseio pelos anos 90, e toda a liberdade que associámos a essa década. Além disso, toda a minha equipa de design tem observado Euphoria", riu Ditte, referindo-se à série de novos cultos impulsionados pela música. 

Mas noutros locais, foi bastante fácil perder-se no emaranhado.
 

Baum und Pferdgarten



 


Baum und Pferdgaten mostrou saias acolchoadas com foles, casacos volumosos e calções realmente feios... blusas ligeiramente enviesadas, trench coats previsíveis e pulls irlandeses volumosos. Como se diz banalmente em dinamarquês? Bem, é um pinligt fuldstaendig, o que é bastante feio quando se diz em voz alta. Tal como esta coleção. 
 

Soulland



 


Os presságios pareciam bons para a Soulland, que encenou o seu desfile dentro de um gigantesco depósito de reparação de comboios, com um belo saxofonista a tocar jazz ao estilo de Albert Ayler. Mas as roupas estavam longe da alma da Soulland. Roupa de trabalho biliosamente folgada; estranhos dhotis falsos; blazers desproporcionados e patéticos fatos de pijama.
 

Martin Asbjørn




 


Não houve nada de completamente errado com Martin Asbjørn, que dominou o drapeado e continua a ser um designer respeitável, que iluminou a sua coleção com alguns grandes looks em pele metálica. Mas quanto à época em si, ficámos claramente a querer mais.
 
Em suma, três dias de céu cinzento, temperaturas abaixo de zero e mesmo nevoeiro tão denso na manhã de quinta-feira que os hóspedes do Hotel Bella Ski, que acolheu muitos dos editores e compradores de moda, não puderam sequer ver a outra torre do edifício duplo a partir das janelas dos seus quartos. E fica apenas a 40 metros de distância.
 
O inverno sem fim influencia claramente o estilo local, e a sua necessidade de cor. Aqueles que estiveram em Galway ou Kerry, na chuva do leste da Irlanda, ou que tiveram a oportunidade de passar o inverno na neve de São Petersburgo, compreenderão esta síndrome. Mas onde os irlandeses e os russos pintam as suas casas de campo e palácios com cores brilhantes, os dinamarqueses alteram as cores das suas roupas.
 
No final, um inquérito improvisado a meia dúzia de proprietários de lojas em Itália, por mais conhecedores que sejam, proporciona um resultado bastante contundente.
 
"O principal problema é que aqui não há ADN real, não há identidade real. Nós apenas reinterpretamos e imitamos os melhores designers de outros lugares", lamentou um deles. "Sim, vamos conseguir algumas marcas, mas menos do que antes, e provavelmente não as vamos armazenar por muito tempo", acrescentou outro. "O grande problema em Copenhaga é que não há nada de novo", observou o terceiro.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.