×
358
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
EL CORTE INGLÉS, GRANDES ARMAZÉNS SA
Vendedores de Moda
Efetivo - CLT · LISBOA
RE/MAX COLLECTION, MAXGROUP
Profissional do Setor de Moda (m/f) Com Vertente Comercial
Estágio · LISBOA
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · PORTO
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - 8ª Avenida - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · São João da Madeira
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Parque Atlântico - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Ponta Delgada
CONFIDENCIAL
Engenheiro(a) de Qualidade Têxtil - Vestuário
Efetivo - CLT · PORTO
SANDRO PORTUGAL
Concession Manager - Lisboa el Corte Ingles h/m
Efetivo - CLT · LISBOA
LION OF PORCHES
Técnico(a) de Qualidade
Efetivo - CLT · VILA DO CONDE
RALPH LAUREN
Sales Associate (Vendedor Loja)
Efetivo - CLT · Alcochete
SANDRO PORTUGAL
16 Hours Sales Assistant Lisbon h/m
Trainee · LISBOA
MINGA LONDON
Stylist
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
5 de jun de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

COVID-19: Indústria de luxo não prevê recuperação rápida

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
5 de jun de 2020

A crise do coronavírus COVID-19 deixará marcas duradouras no sector de luxo e o retorno ao crescimento será mais lento do que o esperado, de acordo com o relatório A perspective for the luxury goods industry during and after coronavirus (Uma perspectiva para a indústria de bens de luxo durante e depois do coronavírus). A pesquisa, divulgada durante uma vídeo-conferência, quarta-feira (3 de junho), foi realizada pela empresa de consultoria empresarial americana, McKinsey & Company, em parceria com a Camera Nazionale della Moda Italiana (CNMI) e a organizadora das feiras Pitti Immagine, avaliando as respostas dos gestores e profissionais da área (marcas, empresas, fabricantes) e consumidores na Europa e EUA.


Um dos últimos desfiles antes da pandemia do coronavírus COVID-19 - Burberry


A pandemia do novo coronavírus atingiu fortemente a moda e o luxo. Entre os dias 1 de janeiro e 18 de março de 2020, o sector caiu quase 30% no mercado de ações (-42% em moda, -31% em luxo), os grandes grupos de moda e luxo viram sua capitalização afundar -32% no mercado de ações. As lojas de departamento observaram uma queda de 50%, enquanto as marcas independentes resistiram melhor, com - 26%.

Além disso, de acordo com o estudo, a faturação das empresas de artigos pessoais de luxo deve diminuir de 20% a 60% em 2020, enquanto as empresas devem sofrer uma perda no lucro operacional bruto (EBITDA).

E as perspectivas permanecem muito incertas. A McKinsey estima que o retorno aos níveis de vendas de 2019 só acontecerá no segundo semestre de 2021. Uma previsão que parece ser a opinião de muitos na indústria. Foram apresentados entre 2 e 10 de abril diferentes cenários de recuperação para mais de 2.100 líderes.

80% dos empresários e executivos de luxo afirmam que as suas vendas caíram até 40% desde o início do ano

Para 31% dos empresários e executivos de luxo, o cenário mais sombrio parece mais plausível, isto é, "um ressurgimento do coronavírus, um retorno ao crescimento a longo prazo e uma recuperação global enfraquecida". Perante este cenário, as vendas globais de produtos de luxo devem perder entre 130-140 biliões de euros em 2020, em comparação com 390 biliões em 2019 e 40-50 biliões de euros em 2021.

Quase 15% dos líderes entrevistados ​​optaram por um cenário um pouco menos pessimista com "um vírus contido, mas um sector danificado e uma tendência de crescimento de longo prazo mais fraca”, enquanto 11% apostaram em “um ressurgimento do vírus e crescimento lento a longo prazo".

Apenas 16% esperam o cenário mais optimista com “um vírus contido e uma recuperação no crescimento”, o que permitiria ao mercado de luxo perder apenas 100-110 milhões de euros em 2020, em comparação com 2019, e recuperar de 2 a 12 biliões a partir de 2021.


CNMI e a Pitti Immagine com a McKinsey & Company, avaliam o impacto da crise de COVID-19 - Dolce&Gabbana


Empresários e gestores estão a enfrentar um "impacto significativo" da crise, 80% deles mencionaram que tiveram uma queda de até 40% nas vendas desde o início do ano. Os mesmos observaram que esse impacto se estendeu a várias dimensões das empresas.

Ainda segundo os empresários e gestores, os principais riscos para a indústria de luxo estão relacionados com uma queda drástica no consumo (26%), stocks excessivos (23%), liquidações agressivas de revendedores e mercados (21%) ou stress do fluxo de caixa a ser gerenciado (13%). Alguns até temem a perda de competências internas (9%).

Os autores do estudo destacam que acessórios e cosméticos deverão ser os sectores mais resilientes. As dificuldades provavelmente afectarão, em particular, a rede de intermediários, com o adiamento das compras dos consumidores e a baixa penetração das vendas online.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.